Dos sacramentais

/
0 Comentários

Eu não desprezo a sabedoria popular nas coisas espirituais, nem as tradições populares como superstição e simpatia. Antigamente o povo tinha bem menos acesso à medicina e tinha padres melhores, então contavam com Deus mais e identificavam melhor as influências espirituais malignas. A benzedeira era o médico dos pobres.


Ao longo da história a única constante é que magia negra e bruxaria existe e é relatada. Ao mesmo tempo, doenças desapareciam pelo poder da oração, dos sacramentos e dos sacramentais. Se na época de Jesus se dizia de espíritos de doenças, o Salvador não faria um teatrinho de exorcizar um demônio se não fosse um espírito do mal mesmo. 


Basta abrir o coração que vemos chover milagres e curas inexplicáveis, muito mais que uma ou duas que passam pelo crivo processual vaticano numa canonização formal e jurídica. Bastaria uma única cura em Lourdes ou Aparecida para converter os homens de coração duro. Mas há milhares.


Ai vai o padre novo arrogante e despreza como supersticioso o pobre que pede apenas uma bênção para sua medalhinha de São Fulano, o único plano de saúde e seguro de vida que o pobre pode comprar. A opção preferencial pelos pobres deveria ser não deixar os pobres caírem vítimas do Mal!


O que o Diabo mais quer no mundo é passar despercebido, e nossa economia de usar água benta em toda parte é a festa dos capetas. Assim como as moscas odeiam a limpeza, assim os demônios odeiam os sacramentais. 


Por que Deus e seu Bem, sendo tão poderosos, parecem perder sempre a batalha pelo mundo, entregue à obsessão e infestação diabólica? Porque não usamos os sacramentais, os objetos bentos. Tem sido observado de maneira empírica ao longo dos séculos pelos homens de Deus que os demônios muitas vezes se aferram a algum objeto material para se guiarem em meio à matéria, como um ponto de ancoragem, um centro de irradiação de maligna, daí a razão de ser de despachos e magias. Ora, se colocamos iscas e repelentes para as baratas e ratos que invisíveis andam pelo mundo, porque não repelir os Demônios que andam pelos ares com objetos bentos? Se o cheiro do cloro mata os micróbios, em água benta queimemos a pele de Satanás e seus subalternos. Tremam eles de medo e repulsa diante destes sinais da Majestade de Deus, da glória da Eucaristia, da lembrança da Virtude da Virgem Maria, do Poder de São Miguel e dos anjos bons, do fogo da caridade de São Bento e os santos, enfim, da luz dos tesouros de Cristo ministrados pela Igreja católica. E ponhamos para longe de nós e nossas famílias estes seres imundos e decaídos que gratuitamente tramam nosso mal neste mundo e nossa perdição no Inferno. Eis que Deus se põe de pé e seus inimigos se dispersam, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo!



Você também pode gostar

Nenhum comentário:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.