Vai ter muro sim Senhor, e igual aos de Jerusalém!

/
0 Comentários

Uma das regras mais básicas da retórica é "Nunca ataque no outro o defeito que você tem", que é o famoso "quem tem telhado de vidro não atira pedra nos outros". Porque senão vamos levar um devastador contra-ataque "Tu quoque", tu também!

Um senador romano uma vez chamou Túlio Cícero de viado. Só que este senador tinha realmente um filho efeminado. Cícero interrompeu e respondeu no ato "Diz isso pro teu filho!". Veja que o discurso tal sumiu na História, mas sabemos até hoje da resposta. Mitou, diriam os senadores.

Na hora em que ouvi o Sr. Gogóglio (que é papa nas horas de bom senso em que não está deslumbrado com sua própria voz, tipo Dr. Jeckill e Mr. Hyde) falando que "cristãos não constroem muros" pensei realmente nos muros do Vaticano. E lamentei a falta de visão do homem. Até que o Tu Quoque demorou. Pelo menos o Trump foi um cavalheiro para evitar uma estocada tão direta.

Prontos para uma aulinha? Vamos lá.

Um terço do Antigo Testamento pede que Deus reconstrua as muralhas de Jerusalém, a cidade santa. No livro de Josué se clama pela queda das muralhas de Jericó, a cidade idólatra. Ou seja, os muros têm um significado simbólico em nossa religião. O Muro não só é o limite, mas a proteção. A virtude cardeal da Fortaleza recebe este nome por figura com um castelo, que é uma fortificação lindamente murada. Não podemos falar mal dos muros se eles mesmos tem toda esta carga simbólica e teológica.

As muralhas do Vaticano começaram por volta do século VIII, quando os piratas muçulmanos chegavam até a basílica de São Pedro para a saquear vindos pelo Tibre (bem atual!). Já a muralha de Roma, a muralha Aureliana, foi construída no final do Império, porém mais tarde, em plena era da Igreja, vários papas a tinham como a única proteção da Cidade Santa e a reformaram. Se a muralha Aureliana na Roma moderna está de pé e bonitona foi porque vários papas "construíram muros", como governadores previdentes que eram.

Qualquer pessoa que ande por Roma verá as muralhas tanto de Roma quanto do Vaticano. E - de mais a mais - o problema ai não é nem tijolos, são fronteiras. Muros simbolizam o respeito às fronteiras. Papas foram literalmente prisioneiros no Vaticano porque perderam as fronteiras do Estado Pontifício. Só no tratado do Latrão a Igreja voltou a ter seu Estado, e o Estado Vaticano tem suas fronteiras, mesmo que em alguns momentos seja apenas uma linha traçada no chão, mas uma linha que garante fronteiras e segurança ao próprio papa.

Cristãos constroem pontes e muros: Pontes para o bem e muros para deixar o Mal de fora. E como seria belo que o Sr. Gogóglio pusesse um Muro de prudência a sua boca. Pontífices vieram de fato para unir os bons, não para dividir a Igreja, muito menos para causar escândalos e atritos desnecessários com os poderes temporais, especialmente beneficiando a abortista-satanista Crooked Hillary. Enquanto isso Cuba, a ilha prisão que não precisa de muros, recebe todo o tipo de afagos do pontífice.


Você também pode gostar

Nenhum comentário:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.