Da profecia

/
0 Comentários
A gente tem as vezes a sorte de ouvir uma profecia verdadeira. Ai rezamos rezamos rezamos para que Deus afaste os males e nós mesmos agimos para evitá-los. Em resultado, Deus e homens agindo mudam o futuro. Ai a profecia não ocorre e o profeta vira um charlatão.

Mesmo se - em hipótese - você descobrir um método de prever o futuro e tirar calado suas conclusões será inevitável alterar o futuro baseado no conhecimento dele. Ai você desacreditará do próprio método. Ou seja, todo sortilégio ou mesmo o uso do mais santo e autêntico dom da profecia se verdeiro acaba desacreditando a si mesmo.

A exceção a esta regra é se o futuro usa a própria reação ao futuro para ocorrer, como Édipo que foge por causa do oráculo e acaba cumprindo o oráculo. Mas neste caso é a versão "implacável" do Destino, ignorando o livre-arbítrio humano, coisa muito bonita num livro mas que não ocorre na vida real.

As profecias tem um condicional implícito: se x então y. Ora, mas haverá x ou não-x. Como não podemos observar x e não-x logo não confiamos na profecia: quando ocorre diremos que o profeta apenas previu o encadeamento lógico. Quando não ocorre que era um charlatão e deu condições que restaram sem prova.


Você também pode gostar

Nenhum comentário:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.