Bobei, Capitão Copérnico

/
4 Comentários


Eu fiquei aqui bobado ("bobou?" - Do Grande Sertão Veredas) sobre a possibilidade que de fato o Sol gire em torno da Terra conforme o brilhantíssimo livro  "Galileo Was Wrong The Church Was Right - The Evidence from Modern Science" de Robert  Sungenis e  Robert Bennett . Mas aqui comigo pensei:

a) Há várias estrelas vistas com o atual estado de tecnologia
b) Estas estrelas possuem tamanhos e idades diferentes
c) Estas estrelas se modificam com suas idades
d) Estrelas análogas ao Sol se incham como Gigantes Vermelhas quando o hidrogênio de seus núcleos fica escasso
e) Estima-se que para seu tamanho, o Sol ficará do tamanho da órbita de Marte.
f) Isso, naturalmente, evaporará e engolirá a Terra (e Marte) daqui a 5 bilhões de anos
g) O Sol então ficaria no centro do Universo? (meio descentrado, é verdade)
h) Quando o Sol retornasse ao tamanho de Anã Branca após perder suas camadas superiores e incapaz de explodir, o centro do Universo ficaria sem centro? Afinal, a Terra já se foi.
i) Sem a Terra, o Sol giraria em torno do quê?
j) No sistema Heliocêntrico, vão-se as rochas, ficam os gigantes. O Sistema Solar, talvez um pouco mais frito, permaneceria com Sol (anã branca) Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e a multidão de objetos do Cinturão de Kupler que se desgarraram nesta brincadeira. Tecnicamente o centro prosseguiria no Sol, e ele prosseguiria (menorzinho e aposentado) sua órbita em torno do centro da Via Láctea. Porém no Sistema Geocêntrico, e ai?
k) Como nada disso é passível de ser provado, são apenas um encadeamento de premissas, não consigo ganhar o prêmio

OBJEÇÕES:
Objeção à alternativa f: Se assumirmos que o centro de massa continua no centro do Sol, a Terra está frita (literalmente). Porém a gravidade é integral da massa. Com a expansão do Sol, ele vai ficar mais rarefeito, bem como perderá massa por conta do maior vento solar. Isso fará com que a gravidade sobre a Terra diminua, e a órbita da Terra aumente de diâmetro e se afaste do Sol em crescimento. Fazendo o caminho geocêntrico, o Sol deveria se afastar da Terra, salvando o centro do universo. 
Objeção a objeção à f: Um aumento da massa solar provocará uma órbita mais excêntrica. Uma diminuição provocará uma hipérbole. Ou seja, eventualmente a Terra se perde do Sol e vai embora rumo ao espaço interestelar. No sistema geocêntrico é mais triste ainda, o Sol iria embora. É triste demais de pensar isso. 

Objeção à c: As estrelas podem ter sido criadas no atual estado delas. Assim Betelgeuse sempre foi uma Gigante, não uma estrela que evoluiu a gigante. Mas como as estrelas e sua composição por espectro de luz são o relógio de datação do universo, isso negaria os 15 bilhões de anos do Universo, levando à outras conclusões.
Objeção à objeção de c: Sendo a fusão nuclear o que é, é natural supor que o combustível de uma estrela é limitado, portanto ela necessariamente evolui por falta de combustível.
Objeção à objeção à objeção de c: Isso não nega que certas estrelas vermelhas podem ter sido criadas já sem hidrogênio e fundindo hélio por ato criativo inicial. 
Objeção à objeção à objeção à objeção de c: Ainda que não seja o caso do Sol, estrelas explodem. É um fato transiente já observado perto da Terra, inclusive em períodos históricos. No atual modelo estelar inclusive "os restos" de uma estrela de neutrons em Gêmeos pode ter sido a estrela explodida inicial que deu origem ao Sol. Ora, seria a Terra, o centro do Universo, criada por algo que não foi portanto a causa inicial? E a época desta supernova primeira, onde estava o Centro do Universo? Porque sabemos pela observação de Supernovas que sua explosão não é simétrica. Ou seja, a Terra se formou no centro do universo por uma núvem protoplanetária impelida por uma explosão estelar assimétrica fora do centro. Ser a Terra o centro do universo é devido à causa primeira divina, não causas fortuitas que a puseram no meio em relação à objetos mais antigos fora do centro.
Objeção à objeção à objeção à objeção à objeção de c: Tudo isso pode estar errado, mas isso não é um argumento. Aliás, você deu um belo argumento filosófico, mas carente de comprovação experimental científica de que a estrela de nêutrons em Gêmeos é o resto da estrela mãe que explodiu para dar origem ao Sol e ao sistema solar.

Em resumo: Se o Sol evoluir no atual modelo estelar, a Terra não pode ser o centro do Universo, porque o Universo ficará descentrado daqui a 5 bilhões de anos. Se o Sol evoluir no atual modelo estelar mas for impedido antes de inchar, como, por exemplo, o Final dos Tempos, a Terra pode ser o centro do Universo.

Objeção transiente: Poderiam argumentar que roubo neste argumento, porque estou o refurtando com  um regime transiente, não como permanente, e me torno subsidiário do sistema Aristotélico, não Ptolomaico, de que não  há mudanças nas esferas celestes

Agora me surge na mente o aviso do Capitão Medeiro Vaz:
- Bobou?
- Bobei, senhor.


Você também pode gostar

4 comentários:

  1. Frei Rojão:
    Você é ótimo. Deus está contigo.
    Até
    Navarro
    www.blogdonavarro2010.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Que interessante. Ótima dica de livro.
    Lendo isso, lembrei que ambientalistas afirmam que a ciência do aquecimento global está "settled" (resolvida).
    Bom, parece que nem Copérnico está "settled".
    Abraço,
    Pedro Erik

    ResponderExcluir
  3. Vamos ressuscitar o Frei Rojão, pelo amor da ortodoxia católica sem frescura e pelo artigo 212 do Código de Direito Canônico corrente.
    Aleluia!

    ResponderExcluir
  4. Sem atualizações desde fevereiro. Por onde anda o Frei Rojão?

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.