Satisfação garantida ou seu casamento de volta!

/
2 Comentários
"Jesus respondeu-lhes: É por causa da dureza de vosso coração que Moisés havia tolerado o repúdio das mulheres; mas no começo não foi assim.Ora, eu vos declaro que todo aquele que rejeita sua mulher, exceto no caso de matrimônio falso, e desposa uma outra, comete adultério. E aquele que desposa uma mulher rejeitada, comete também adultério."
São Mateus 19,8s

Sempre que você facilita o desfazimento de algo, há centenas de pessoas, com esperteza digna de filhos de Adão e Eva, que geram secretamente as condições jurídicas de desfazimento para o caso de precisarem voltar atrás.

O Código de Defesa do Consumidor prevê para 7 dias o período de arrependimento para uma compra online. Você pode devolver (anular?) a compra neste período sem ônus.

É óbvio que se hipoteticamente a lei passar de 7 para 45 dias isso vai estimular a compra frívola ("Ah, tenho um mês e meio para devolver") ou a compra destinada a usar apenas algumas vezes ("foi só para dar uma brincadinha"). Qualquer legislador que faça isso sabe que vai acabar gerando este efeito, e tem de ser muito inocente em achar que isso não foi levado em conta.

O choro é livre.


Você também pode gostar

2 comentários:

  1. Gostaria de separar por pontos a questão. Achei positivo o processo se tornar gratuito. Trabalho com catequese de adultos a anos e já encontrei muitas situações que mereciam a atenção de um tribunal eclesiástico, mas do jeito que era tornava-se praticamente impossível auxiliar essas pessoas. Também positivo, a meu ver, foi centrar na pessoa do Bispo a decisão de alguns casos. Entretanto, achei muito negativo, conforme o Frei na sua habilidade com as palavras coloca, a celeridade dada ao processo. Acho que foi "um tiro no pé", um desserviço, a retirada de um segundo processo para confirmar o primeiro. O Matrimônio é algo muito sério para sua nulidade ser declarada sem que antes não se tenha tomado todos os cuidados necessários, até mesmo em excesso.

    ResponderExcluir
  2. Caríssimo Alexandro, muito pertinentes seu comentário. A agilidade do processo pretendida parece que “isso vai estimular a compra frívola”, ou seja, estimular mais separações matrimonias. Tenho medo, que o Sagrado Sacramento do Matrimônio seja tratado como um ato fútil.

    Seja Louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.