O enigma das Pirâmides

/
0 Comentários
O verdadeiro enigma das pirâmides é porque os egípcios, tão inteligentes, fariam a maior obra da Terra apenas para avisar aos ladrões: "Aqui tem uma tumba real recheada de ouro protegida por um cadáver seco".

Ah, sim, havia maldições escritas nas paredes que só serão entendidas por sacerdotes altamente letrados (não exatamente o perfil do saqueador de sepultura) e precisarão, no mínimo, de luzes de tochas para serem vistas e botar medo no bandido. Aqui entre nós, se você está numa tumba claustrofóbica com um sarcófago cheio de ouro a sua frente, não vai ler muita coisa na parede.

É impressionante como nem mesmo os egípcios ligavam para a própria religião, já que os arqueólogos estimam que as tumbas eram saqueadas na própria Antiguidade, e mesmo a época do Êxodo as pirâmides já deviam estar completamente rapadas. No reinado de Ramsés III foi encontrado um papiro com o "processo penal" de saqueadores de sepultura de Ramsés II o Grande e seus filhos. Imagine, um egípcio médio via colossos e inscrições de Ramsés II cada vez que punha os pés fora de casa, iam ter coragem de saquear justo a tumba dele ainda mais sabendo que o Ramsés III iria tomar a dores do vovô?

Por outro lado, os velhos faraós sabiam que as pirâmides foram saqueadas mil anos antes deles mesmos. Eles sabiam que as tumbas eram saqueadas o tempo todo, mesmo as escavadas, e todo mundo sabia onde ficava o Vale dos Reis (até porque milhares de egípcios moravam lá para trabalhar nas tumbas, e sabiam certinho onde ficavam). E mais, pela própria religião pagã egípcia, todas as tranqueiras nas tumbas junto das múmias eram necessárias para o descanso do rei. Pensar que de Quéops da grande pirâmide não sobrou nem um nadinha, nem uma estátua, apenas um sarcófago em meio a pedras. Ou seja, o próprio faraó teria um destino miserável tendo sua múmia avacalhada e sua sepultura rapada. Se os egípcios tinham razão, que fim levou o velho Quéops que nem mesmo sua múmia existe?

Fico pensando que mesmo o malvado faraó do Êxodo (Amenófis II ou Merneptah, ambos com as sepulturas rigorosamente saqueadas) não devem ter ficado aliviados ao se derem conta que não havia reino de Osíris nenhum no além, onde precisassem de múmias, vasos canopos, sarcófagos, móveis, jóias, livro dos mortos, talismãs, feitiços, templos funerários e tudo o mais, tentaram levar tudo isso para o além e deve ter terminado sendo vendido num mercadinho de Tebas. Melhor enfrentar o Deus daqueles obscuros escravos hebreus, que apesar de terrível com suas dez pragas, era justo no julgamento e não exigia que o defunto levasse tantas bagagens além da sua alma.


Você também pode gostar

Nenhum comentário:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.