O segredo do meu sucesso

/
1 Comentários


A causa do sucesso de um escritor é sua sinceridade. De maneira misteriosa, o leitor percebe quando quem escreve está com o coração na mão, sem máscaras. O sucesso de todo grande escritor está justamente nisso, ser ele mesmo. O estilo é o homem, e o homem é a sinceridade de seus sentimentos.

O blog e esta página fazem tanto sucesso porque aqui sabem que vai um homem sincero. Escrevo bem porque escrevo com o coração, escrevo certo porque escrevo com a Igreja. As outras pagininhas macaqueiam estilos, fingem o que não são, caem num proselitismo barato cuja linguagem é o mesmo de comercial de iogurte pros intestinos ou programa político. Ou caem numa carolisse anedótica que nem mesmo o mais carola dos carolas seria assim, parecem beatas de um romance de Eça de Queirós, mas que se levassem a sério.

E como eles se levam a sério! Meu Deus! Nem mesmo os mulás decapitadores de cristãos em Mosul se levam tão a sério como eles! Ah, e a ignorância oceânica que orgulhosamente têm, meu Deus, como são ignorantes! Sabem rastrear o que um papa do século XIII disse, mas faltam os conceito mais básicos de direito, economia, ciências. Temo o homem de um livro só, disse São Tomás. A protestantização do pensamento católico universalista é forte, mesmo que formalmente se ataque o Sola Scriptura.

Sei que padres, bispos e cardeais me lêem. Os bons sabem que apesar da minha fama de mau, percebem o carinho sincero e a preocupação tremenda com o bem da Igreja que vai em cada palavra. E muitos leigos lêem, graças a Deus! Sei que muitos não entendem, outros entendem de maneira espiritual. Sei que muitos me invejam, muitos em sua arrogância não conseguem compreender como há inteligência e ortodoxia fora de seu grupelho.

Eu barrocamente vou da seriedade ao esculacho, do sublime da doutrina à lama da política porque sou um homem, enquanto minha alma quero o Céu, meu corpo está no material a terra e meus pecados me puxam aos Infernos. Muitos podem escrever páginas, eu escrevo o que eu penso. Eu sou o que eu escrevo. Página no facebook, página no twitter, página no blog, tudo isso não existe, o que existe é o homem.

Sinceridade! Deus sabe de mim. Deus sabe o que se passa em meu coração. Deus sabe o que escrevo até quando desisto de escrever. E a Ele eu respondo. Não temo intriga paroquial. Não temo patrulha ideológica católica na internet. Não temo as politicagens em Roma ou na CNBB. Temo sim aquele a quem devo santo temor.

Acusam-me de fake, mas sou um "fake" com credibilidade própria, com uma legião de leitores e influência como poucos. Isso me dá um terror tremendo, mas Deus me suporta. Aqui há um homem. Aqui há uma alma. Aqui há um ser. Os leitores percebem artificialidade. Os leitores não compram publicidade disfarçada de religião. E se cansam rápido. É por isso que estas pagininhas nascem e morrem. Enquanto o Frei Rojão está ai... e toda semana eu juro que vou acabar com tudo, como Jeremias, e toda semana Deus me dá a lição de Jonas e a mamoneira.

Vocês que me atacam, um conselho: Sejam sinceros. Parem com as aparências, parem de fingir o que não são. Não queiram colocar sobre os ombros das pessoas cargas que nem mesmo o catecismo coloca.

E respeitem a saudável e ortodoxa diversidade católica.


Você também pode gostar

Um comentário:

  1. Nao sei se vai sair duplo. Mas gostei do texto. E pensar que parte do problema se encontra nao somente na falta de carater, mas na ma formacao de sacerdotes e catequistas. Dai o ciclo de miseria em que nos encontramos.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.