O velório politiqueiro

/
2 Comentários
Nota do Frei - Chega de ficar triste pelo Eduardo Campos! Se nem os filhos dele souberam ter o decoro e ficaram fazendo política em cima do caixão do pai (ainda que isto seja velho como Otávio e César, ainda é repugnante) por que eu vou continuar mais triste? Quem é político faz até das próprias cinzas motivos de tirar votos. Pois bem, que sumam no pó em outubro de 2014 junto com sua memória !!!

***

Reinaldo Azevedo  - (...) De súbito, Eduardo Campos virou a versão masculina e brasileira de Inês de Castro, aquela “que, depois de ser morta, foi rainha”, na formulação imortal de Camões, em “Os Lusíadas”. Se tiverem curiosidade, pesquisem a respeito da personagem. As circunstâncias são outras, mas, nos dois casos, há uma espécie de coroação post mortem. Marina Silva, já apontei aqui, para a minha não supresa, fez-se a viúva profissional de mais um cadáver. Campos foi, sim, coroado rei. Morto no entanto, logo alguém se lembrou de dar vivas à nova rainha. Tudo bastante constrangedor para quem repudia a demagogia, o mau gosto e a exploração da morte como moeda eleitoral. (...) Mas pergunto: o que fazia aquela faixa no veículo do Corpo de Bombeiros com a declaração “Não vamos desistir do Brasil”, lema idêntico ao que se lia na camiseta de seus filhos, três deles desfilando sobre a viatura, com os punhos cerrados, numa manifestação inequivocamente política? Não! Eu não posso me desculpar por estar aqui a apontar a inadequação da manifestação se eles próprios não souberam separar, como seria o correto, o domínio da dor, que creio ser verdadeira, daquele em que se aloja a pregação eleitoral. Os fogos de artifício, então, não deixaram a menor dúvida de que o velório e sepultamento haviam se transformado numa micareta política. Lamentável. (...) 

Coturno Noturno - (...) O luto acabou com os sorrisos de Marina em cima do caixão de Campos, as camisetas da filharada, os maracatus e as cantorias à beira da cova. (...)



Você também pode gostar

2 comentários:

  1. V. ASSISTIU AO VELORIOSHOW?
    Não? Perdeu; velório de político doravante, se mantiver nesse padrão, será nada menos que um novo modelo de montagem de palanque para atendimento dos possíveis beneficiarios, como da Marina depois de seu sorriso sobre o caixão que lhe custará possíveis muitos milhões a menos de votos.
    De fato, o suposto velório mais lhe parecia palanque do que um lugar de dor, respeito e compunção; ela fez pose para fotos, sorriu e deu até tchauzinho como se fosse miss; estamparia-se em seu rosto discretamente sorridente a felicidade de ter conseguido o que sempre quereria: candidata á presidência e, como velha marxista, pouco importaria em que circunstancias.
    Algumas do seu fichário técnico:
    Ex do Partido Revolucionario Comunista
    Ex da marxista Teologia da Libertação, dissensa da Igreja católica.
    Atualmente na versão vermelha "evangélica", dos "progressistas".
    Ex do PT, recostada no peito de Lula, logo tem seu DNA.
    Ex do PV - Partido Verde - só por fora
    Atualmente noutro partido vermelho, o do E Campos, toda discípula do deus Karl Marx, crendo eu que sua alegria durará pouco pois o repudio a ela na net e sua rejeição, se acaso pesquisas serias, continuarão em total ascensão!

    ResponderExcluir
  2. Vamos colocar os pingos nos is quanto a questão do funeral do Eduardo Campos.
    Será que houve mesmo quebra de decoro por parte da família, dos políticos e do povão em seu enterro?
    Cristo disse: Dá a César o que é de César.
    A família de Campos disse: Dá a Campos o que é de Campos.
    E derão. Muita política para melhor homenagea-lo.
    Foi uma bela homenagem e não deveria ser diferente.

    Ricardo Barros

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.