No essencial a unidade, no mais a liberdade

/
6 Comentários
A habilidade mais importante para quem quer ensinar doutrina é saber separar a meia dúzia de pontos (porque na verdade são poucos mesmo) que são mandamentos divinos e ensinamento da Igreja das centenas de coisas que são a sua opinião da aplicação do mandamento divino ou ensinamento da Igreja e ainda separar dos outros milhares e milhares de assuntos que são opiniões diversas, livres e lícitas sobre artes, ciências, política e demais assuntos humanos. 

Exemplo do primeiro caso: Há um só Deus em três pessoas

Exemplo do segundo caso: os altares-mor seriam mais adequados liturgicamente se colados à parede central do presbitério com o sacrário ao centro para o sacerdote estar sempre versum Deum na missa

Exemplo do terceiro caso: a Petrobrás seria mais eficiente se privatizada. 


Você também pode gostar

6 comentários:

  1. Frei, depois do que disseram quando a Vale foi privatizada, posso dizer que é um ato de coragem citar esta frase que exemplifica o terceiro caso (ainda que como um simples exemplo). No entanto, do jeito que a Petrobrás vem sendo conduzida, é bem possível que a única saída seja privatiza-la, e pior, por um valor até mais baixo que o da Vale.

    ResponderExcluir
  2. Creio que há algumas picuinhas na Igreja por certas tradições que carecem de séria fundamentação, gerando muitas polêmicas, mas que os mal informados ou deturpadores profissionais considerariam imprescindíveis até à consecução do efeito do sacramento quando, à verdade, são ritos e fórmulas acessórias, muitas vezes ditadas pela ignorância religiosa, modismos, superstições ou similares.
    Assim, como proposto, devemos nos unirmos no essencial e o quanto possível nos paralelos mas, nesse caso havendo divergência, não afetará o conteúdo do que deve ser mantido intacto, como o dogma.
    Quanto à Petrobrás, sem o PT no poder, poderá se recuperar rapinho, pois puseram a raposa tomando conta do galinheiro.

    ResponderExcluir
  3. "...são ritos e fórmulas acessórias, muitas vezes ditadas pela ignorância religiosa, modismos, superstições ou similares."

    Como é que é?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é !!! Que frase é essa????????

      Excluir
    2. "NO ESSENCIAL A UNIDADE, NO MAIS A LIBERDADE.
      Referi-me ao acima quando polemizam certas atitudes da Igreja sobre, por ex., certos ritos, leis internas, revogáveis ou devoções duvidosas como tantas por aí a que algumas pessoas são aferradas a elas etc., como se estivesse comprometendo o conteúdo dogmático, questões de fé, ou seja, voltemos ao título.

      Excluir
    3. Cuidado aí.

      A maioria dos ritos, leis e normas, ainda que em si não sejam essenciais, existem para dar suporte psicológico e sociológico a algo que é essencial.

      Por exemplo: Não é essencial comungar de joelhos. Mas uma vez removida essa regra, a crença na Real Presença, lentamente ao longo das últimas décadas, enfraqueceu-se entre clérigos e leigos.

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.