Toda vez em que o chefe vence pela força ele vence, mas não convence

/
17 Comentários
Ele viu...
Eu não gosto dos lefrebistas. Ponto.
O problema é que hoje pegam eles, amanhã me pegam.

E nem de longe o maior problema da Igreja são eles. No meu velho catecismo, apostasia ainda é pior que cisma. O problema da Igreja são os apóstatas que estão formalmente obedientes à hierarquia ainda que ensinem tudo diferente do que manda esta hierarquia. Hoje em dia não se pune ninguém mais por heresia e heterodoxia, pune-se apenas disciplinarmente. Isso é uma lástima. Hoje em dia você pode ensinar tudo o contrário do que diz a Igreja, se mentirosamente você fizer protestos de juras de lealdade à Santa Sé, ainda que a traia diariamente em seus ensinamentos, fica impune. Este é um problema muito grave. Foi grande astúcia terem inoculado tão bem o marxismo na doutrina que "pelo hábito já nem mais se sente". Não é que eles ignorem, é que eles nem sabem que isso é comunismo nem que há um mundo fora deles. Um dia o siri perguntou ao peixe como estava a água, e o peixe não sabia o que era água. E não só na Igreja, em tudo.

Ele ouviu...
O papa Francisco pode ser tudo, menos burro, todos seus movimentos e gestos são muito bem calculados e ele sabe como ninguém como causar impressões e enviar mensagens não-verbais. O papa sabe do que está acontecendo com os Franciscanos da Imaculada, como a intervenção neles está os tirando do caminho tradicionalista. Ele os recebeu e se, por hipótese generosa, achávamos que ele não sabia da severidade da intervenção, estas dúvidas se dissiparam. Conquanto não tenha simpatia por este "carisma tradicionalista" (em tempos de RCC correndo solta a palavra carisma ficou muito flexível, então uso o sentido aguado de "estilo de vida religiosa") nem de longe representam uma ameaça que exija uma intervenção, na minha opinião. Se comparados com a pornografia que se viu na direção dos Legionários de Cristo - e há razoavelmente pouco tempo o Alvaro Corcuera estava ainda lá firme e forte - parece que se deu quimioterapia para combater a dor de cabeça e aspirina para o tumor. Se compararmos com a metástase de trambicagem que é Mejugorje, ficamos mais desacorçoados. Ou algo muito de podre e explosivo aconteceu dentro dos Franciscanos da Imaculada (duvido, pois onde há fumaça há fogo, e não há fumaça) ou temos que a balança está francamente injusta. Que pena. Achamos que as grandes injustiças da Santa Sé com as ordens religiosas ficaram na História, com Clemente V e os templários bem como Clemente XIV e os jesuítas. 

A Igreja é santa, mas Pedro pode ser bem injusto as vezes - tanto que levou a bronca de São Paulo por evitar comer com os cristãos do paganismo. 

É uma tristeza, sim senhor.

Mas a sua ira continua...
Um leitor brincou comigo que seria chamado de cripto-lefrebista. Pffff... Se unirmos os pontos desta dos franciscanos com as canonizações a fórceps de João XXIII e a futura de Paulo VI, veremos que Francisco quer vencer pela força disciplinar a dissidência anti-concílio, não pelo convencimento doutrinário. Isso é ruim. Ruim porque toda vez que o chefe vence pela força, ele vence, mas não convence. E a Igreja cresce por convencimento, não por força. Podem ver a História, o Cristianismo nunca conseguiu se espalhar a força de espada, e sim a força de convencer (ao contrário do Islã). Onde tentou-se fazer cristãos a força se fracassou, a semente não lançou raízes. Em contrapartida, Nosso Senhor disse que seu reino era massa de pão, cresce depois que apanha. É por isso que os mártires são sementes de cristãos. Os jesuítas dos bons tempos convenciam os índios, foram eles que converteram nossa terra, não foram os decretos das Coroas nem dos governadores. 


Convento de Tomar da Ordem de Cristo
Bata o papa Francisco nos tradicionalistas, trazendo um sorriso nos lábios e um porrete na mão, ele conseguiu o milagre de despertar em mim a piedade por eles, crítico acérrimo que era. Anotem, assim que Francisco deixar o pontificado (renunciado ou morto), o tradicionalismo virá com mais força. Muitos detestavam os jesuítas e os templários em suas épocas de glória, ao serem extintos e perseguidos suscitaram piedade e pena, os jesuítas voltaram fortes (ainda que hoje em dia desleais ao seu carisma) e os templários foram acolhidos nos hospitalários e refundados na Ordem de Cristo portuguesa. Maquiavel em sua época já dizia que os poucos anos de um pontificado não eram suficientes para extinguir um partido, que ressurgia no pontificado seguinte. É verdade que Maquiavel falava dos partidos Colonna e Orsini na Itália, mas se aplica  também à tendências religiosas na Igreja. Em certo sentido, o "crepúsculo dos conservadores" é uma reação ao pontificado de Bento XVI. Em tempo, como hospitalário, oferecerei minha proteção aos templários. 
Convento de Tomar
Em Judá foi que muitos israelitas se refugiaram depois da destruição de Samaria . É hora de parar com a picuinha de "tradicionalistas versus (neo)cons".

Observem que usei o termo conservadores agora, não tradicionalistas. Natural. Primeiro pegam eles, depois me pegam, porque temos nossa cota de inimigos na Igreja. 

Tomara que eu esteja errado.


Você também pode gostar

17 comentários:

  1. Estamos em tempos em que apóstatas declarados como Kasper são cardeais e chamados de "teólogos" ....não tem mais conserto ....

    ResponderExcluir
  2. O cabra que não quer aceitar o Concílio Vaticano II tem que levar porrete nas idéias.

    Concílio é concílio goste dele ou não.

    E Frei Rojão falou bobagem já que o Álvaro Corcuera já era, trocou toda a cúpula dos legionários.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Compare-se o número de católicos que não aceitam o Vaticano II com os que não aceitam Nicéia ou Trento.

      Mas é típico dos tolos bater em cachorro morto e correr dos lobos.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    3. O fato do sujeito não aceitar Niceia e Trento não justifica sermos simpáticos aos que não aceitam o Vaticano II.

      Eu sempre que posso assisto a Missa em latim, mas os discípulos do Lefbvre tem que entender que estão seguindo um excomungado.

      O Frei Rojão mesmo diz ali ao lado: "*Você aceita o Concílio de Nicéia, mas nega o Vaticano II e não vê nenhuma contradição nisso?"

      Excluir
    4. Não é ser simpático com cismático. É não desperdiçar cacetada em cachorro morto com tanto lobo rondando por aí.

      Excluir
    5. Acho que não há grande problema em se criticar o Vaticano II, pois tal concílio foi apenas pastoral.

      Excluir
    6. João Emiliano Neto doutor da Igreja... Heresia braba!

      Excluir
    7. Também achei o comentário infeliz. Concílio é concílio e pode ser lamentado, mas deve ser seguido como ensinamento da Igreja. Não existe este negocio de Concilio Pastoral.

      Excluir
  3. IMAGINE ESSA:
    Cardeal Baldisseri: Vaticano promoverá pastoral da misericordia para casais e divorciados do mesmo sexo!
    Não seria a da "Complacencia com o erro"?
    Admite-se que muitos termos usuais da Igreja católica estão ideologizados, relativizados, e um dos mais badalados é a palavra misericórdia, disputando ao lado de outras a primazia, como “doçura, ternura, brandura” e mais “uras”.
    Uma das características do anti Cristo seria o apregoar de uma doutrina cristã falsificada, cheia de sofismas e sutis conveniências, no entanto, escamoteando a verdade.
    Assim, esse termo, se aprovada for a pastoral específica desses citados com admissão até à S Comunhão para não serem “discriminados” – não há inconvenientes em a doutrina da Igreja ser pisoteada – pode ter certeza que isso não pertence à Igreja católica, mas de membros que se excluíram e fundaram outra paralela, mas dissimulando-lhe pertença, assim não fosse, ela não seria “una”, como professamos no Credo.
    O filho que sai da casa do pai, à sua saída a casa não caiu; se retornar, ela estará de pé como antes.
    No entanto, que o “Politicamente Correto ou Conveniente” da “Ditadura do Relativismo-DR” está cada dia mais perceptível é fato, e um dos sinais é o fato de aparecerem falsos arautos da verdade apregoando uma doutrina transmutada, de altos dignitários, mas aparentando provir da Igreja, sendo o relativismo gramscianista em que o sujeito já está tão marxizado que não sabe nem mais raciocinar que não seja sob sua ótica, ajuntado à avassaladora imoralidade à solta e compartilhando dos múltis descomportamentos ético-morais.
    Se for o caso de aprovação do elencado acima, surgiu mais um novo cisma ou heresia dos “progressistas” da alta hierarquia, proveniente da DR, apesar das aparências de provir da Igreja e muito poderão cair nessas ciladas.
    Comenta-se que os franciscanos admitidos à reunião com o papa Francisco teriam sido escolhidos e as perguntas pré censuradas.
    Seria esse movimento provindo de altos hierárquicos infiltrados na Igreja querendo confronto entre correntes do catolicismo e, ao mesmo tempo, anuviarem os tradicionais ensinamentos dela? Não dá para duvidar pois pelo menos boas intenções não teriam, embora não se conheçam a fundos os FI; pelo menos, se não forem à la RCC, bom sinal.

    ResponderExcluir
  4. Frei, eu já fui protestante e vendo esses desmandos de Roma contra os mais fracos como sempre foram os tradicionalistas é quando sinto saudades da liberdade e individualismo que oferece o Protestantismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muita calma nesta hora, nada justifica o pecado

      Excluir
    2. Sim Frei, é verdade, mas você concorda que há maior pecado em quem leva os outros a pecar?

      Excluir
    3. Quem levou quem a pecar? Os papas? BULLSHIT!

      Excluir
  5. Parabéns Frei Rojão pelo desabafo, um de seus melhores textos.

    ResponderExcluir
  6. Álvaro Corcuera morreu ontem na cidade do México de um tumor no cérebro!
    Que Deus acolha sua alma e que a luz perpétua o ilumine!

    ResponderExcluir
  7. Fora do Frei Rojão. Álvaro Corcuera morreu ontem. https://www.youtube.com/watch?v=qNeG9bwpaiA

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.