Esconder a humildade é uma questão de humildade

/
17 Comentários
Tentações de Santo Antão
Cristo condenou aos fariseus que faziam jejum e desfiguravam o rosto para mostrar que estavam de jejum. Também condenou aqueles que faziam doações e tocavam fanfarras na porta para que todos soubessem. Também condenou àqueles que rezavam em voz alta, cheios de palavras. Nunca condenou nem o jejum nem a doação nem a oração, muito pelo contrário, já que a Escritura é clara em dizer que a esmola, jejum e orações apagam a multidão dos pecados. Mas condenava a estes homens que faziam o bem para receberem aplausos. Afinal, a vaidade é o pior dos vícios capitais, e é tão satânico que pode fazer até o bem em causa de pecado. Um homem que seja temperante por jejuar pode ficar orgulhoso de suas forças. Um homem que seja generoso pode ficar orgulhoso de sua generosidade.  Um homem que reza pode se tornar orgulhoso de sua intimidade com o Altíssimo. Assim caiu Satanás que era muito mais esperto. 

Penso que deveria haver uma reprovação para demonstrações públicas de humildade.  Assim como aqueles que faziam questão de que todos soubessem que estavam jejuando, orando ou doando, aqueles que descaradamente fizessem atos muito humildes em público deveriam ser repreendidos. Penso, aliás, que um verdadeiro homem humilde não liga para estas coisas, portanto ele se absteria de praticar sua humildade diante dos homens, assim como Cristo recomendou ao que jejua esconder o jejum. Cristo era o homem mais humilde de todos os tempos, e antes dele apenas Moisés, o maior dos profetas, teve tão marcante humildade, ao ponto de tapar seu rosto brilhante com um véu (Moisés falava tanto com Deus que sua face brilhava, uma interessante caso de fluorescência, em que um corpo retransmite a luz absorvida). Porém não vemos Jesus escondendo sua alta dignidade de filho de Deus por humildade. É verdade que entrou num burrinho em Jerusalém para cumprir a profecia de Zacarias, e não em um garboso cavalo branco (ou quiça até mesmo montado no Leviatã se quisesse). Porém quando o povo o chamou de rei e filho de Davi, ele não recuou por humildade, e seu silêncio era a concordância. A vida toda de Jesus era humildade, mas era uma humildade real, tão humilde que se fazia humilde ocultamente: Nasceu humilde num cocho de palhas, mas como rei do Universo teve anjos cantando sobre si, coisa que nem Davi nem Salomão tiveram. Por outro lado, ele não ficou esfregando na cara de todo mundo que ele nasceu naquela pobreza. Tanto que estes episódios são narrados apenas por São Lucas, que entrevistou Nossa Senhora na velhice. Também  morreu humilde entre os criminosos, mas ressuscitou sendo o Senhor do Universo que era, ressuscitou humilde também, aparecendo aos seus apóstolos e discípulos, não surgindo glorioso em Roma no Palácio de Tibério César, ou humilhando Herodes, Caifás e Pilatos surgindo no alto da torre do Templo e gritando que ele voltou à vida a despeito de seus esforços. Também ressuscitado serviu e comeu peixe junto dos apóstolos. Citaria ainda o lava-pés? Não, a mensagem foi muito clara. Citaria o filho da viúva de Naim? Citaria o servo do centurião? Citaria as bodas de Caná? Citaria o filho da cananéia? Tais milagres foram feitos pela sua humildade em ouvir súplicas. Nascimento humilde, vida humilde, morte humilde, ressurreição humilíssima. E tão mais humilde quanto estes detalhes só foram conhecidos pela boca dos apóstolos e de sua mãe.

Um forte e belo castelo para proteger a Pedro
Enfim, um verdadeiro homem humilde bem que poderia refrear seus instintos mais humildes diante dos olhares (ou câmeras, ou jornalistas!) e seguir o protocolo, os costumes, que não seriam nem de mais, nem de menos. Tal é a tentação da vaidade que devemos muitas vezes moderar em público o exercício da virtude se vai nos trazer o prazer dos elogios. Vejam os grandes santos do passado, que fugiam da adulação da multidão. Penso que todos os grandes santos da igreja têm episódios dignos de se narrar, citarei um apenas: Santo Antão recebia a ricos e pobres no seu retiro no deserto para dar a benção, ele que era reconhecido como um santo vivo, era humilde demais para não recebê-los. Sem dúvida ele preferiria não ser interrompido, mas a verdadeira humildade é estar em silêncio a serviço. Nem Antão reclamava, nem explicava que estava sendo interrompido pelos peregrinos. Acredito que tocava em leprosos e beijava os doentes, mas no deserto, em entrevistas pessoais. Cito outro exemplo, os grandes papas santos do passado não atiravam a dignidade pontifícia na lama apesar de serem humilíssimos, o Beato Urbano V dormia numa cama de táboas. Nunca se ouviu dizer que Urbano V tenha deixado o fortificadíssimo castelo de Avignon (após Clemente VI era o mais magnífico - e até hoje é o maior - castelo gótico de pé.) apenas para mostrar sua humildade (ele até tentou voltar a Roma sem sucesso, mas em Avignon sempre morou no castelo de seus antecessores. O castelo de Avignon era tão bom que depois o antipapa Bento XII aguentaria quase dois anos de cerco nele.). Muito pelo contrário, dormir nas táboas e usar cilício ele fazia na sua cela, longe dos cortesãos, dos diplomatas, dos cardeais, aos olhos de Deus. Quando exercia os ofícios de papa, sejam religiosos, sejam políticos, ele usava os paramentos (provavelmente) riquíssimos que seus sucessores lhe deixaram como que explicando a dignidade do papa. Urbano V era um santo, sabia que não poderia abandoná-los sob pena de condenar seus antecessores e manchar sua memória, especialmente Clemente VI. Esconder a humildade é uma questão de humildade. A humildade é tão mais humilde que nem faz competição de humildade. Narra a anedota que no dia do concurso de humildade, os candidatos brigaram para ver quem ficava em último lugar, o vencedor foi quem escolheu mesmo ficar em primeiro, porque era tão humilde que não se achava digno de brigar com aqueles campeões de humildade em ficar no último lugar, e em se achando o menor dos humildes, ele deveria escolher o primeiro lugar mesmo para não disputar com os que achava serem mais humildes que ele.

A virtude é como perfume, por mais que se esconda uma gota de perfume na mão seu cheiro escapa e vai até os narizes. E as pessoas percebem. Daí o tal "odor de santidade", aquela coisa que não se sabe direito o quê, aquele perfume secreto da virtude que escapa de dentro do santo e que chega às narinas do povo, que o reconhece mesmo sem ver muito dele. Exemplo caro são os santos eremitas e os santos monges, como Santo Antão, São Bruno, que mesmo no deserto e nas celas eram reconhecidos em toda a parte como santos. E estes santos nem se preocupavam em se fazer humildes, eram tão humildes que no deserto ou nas suas celas a humildade se espalhava pelo ar, como o cheiro de um perfume que vaza pelo vão da tampa do frasco. A humildade é o raio gama da virtude, nem mesmo as paredes do claustro detém, nem as paredes do apartamento pontifício deteriam, esta radiação do bem visível apenas a Deus atravessa as coisas e irradia santidade pelo mundo. Os santos são como planetas que refletem a luz de santidade do Sol que é Cristo, um bom santo é um bom espelho, e sua humildade é tão somente um reflexo da humildade de Jesus. 

Ah, Senhor, dai-me a verdadeira humildade! Dai aos líderes de nossa Igreja a verdadeira humildade! Que saibam como o beato Urbano V a serem humildes sem deprimir a dignidade pontifícia e sem estragar a memória de seus antecessores!


Você também pode gostar

17 comentários:

  1. SEM HUMILDADE NÃO HÁ ESPIRITUALIDADE!
    Parece simples vivê-la na vida diária, mas não o é; sempre nossas ações podem de formas não facilmente detectáveis estarem contaminadas pela vaidade, nossas melhores ações perderem-se, ainda desfacilitados por vivermos numa sociedade que encoraja a competição, a individualidade e o exibicionismo, esse então...
    As clínicas de rejuvenescimento, estética e as lojas de produtos que comercializam acessórios alimentadores da vaidade, mesmo em época de recessão nunca apresentam crises.
    Apesar disso, a humildade continua sendo uma básica e vital virtude, e exercitar-se nela é de suma importância, sob pena de nos comprometermos na prática das outras.
    Acredita-se que a pessoa avançou nessa virtude quando passa a considerar o próximo mais importante que a si, fazendo o bem sem aguardar recompensa alheia.
    Assim também vós, quando houverdes feito tudo, lembrai-vos: não fizestes mais que a vossa obrigação - Lc 17.10.
    Essa frase do Evangelho nos doutrina nessa virtude, devendo sempre nos desconsiderarmos como algo de valia, mas prescindíveis a Deus e eventualmente o bem que houvermos feito, julgarmo-nos tão somente como canais que Deus usou para ser levado aos outros, excluindo-se sempre de merecimentos disso ou daquilo.

    ResponderExcluir
  2. O que mais se vê nos dias de hoje é a humildade que se proclama para a imprensa e a modéstia que publica diariamente uma foto de véuzinho no facebook.

    ResponderExcluir
  3. Maravilhoso! Na mosca, Frei Clemente! Maravilhoso!

    ResponderExcluir
  4. Humildade, palavra tão usada nos dias de hoje, mas não Vivida. Triste....
    Abraços Frei..
    Cesar.
    littlecesar04@yahoo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem um video circulando no facebook, que é interessante de se assistir...sobre "São Francisco"....

      Excluir
  5. É Frei, seu texto tem endereço certo. Como li há pouco tempo, aceitar o que todos os outros antecessores aceitaram é gesto de humildade.

    No mais Frei, a humildade é natural e se desenvolve naturalmente (pelo crivo religioso) ou a humildade é exercitável? Isto é, vou ser assim ou fazer isso pois é uma atitude humilde. Pergunto, pois, ao ser assim, não deixa de ser humilde?

    Obriga e sua bênção Frei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, sendo uma virtude, ela pode ser exercitada

      http://freirojao.blogspot.com.br/2014/02/da-humildade.html

      E logicamente a lição maior vem aqui

      Lc 10, 7. Observando também como os convivas escolhiam os primeiros lugares, propôs-lhes a seguinte parábola:
      8. Quando fores convidado às bodas, não te sentes no primeiro lugar, pois pode ser que seja convidada outra pessoa de mais consideração do que tu,
      9. e vindo o que te convidou, te diga: Cede o lugar a este. Terias então a confusão de dever ocupar o último lugar.
      10. Mas, quando fores convidado, vai tomar o último lugar, para que, quando vier o que te convidou, te diga: Amigo, passa mais para cima. Então serás honrado na presença de todos os convivas.
      11. Porque todo aquele que se exaltar será humilhado, e todo aquele que se humilhar será exaltado.

      Excluir
  6. Decreto bolivariano do PT foi aplicado à Igreja em 2010 pela CNBB - Uma reflexão do Prof. Hermes Rodrigues Nery.
    blogonicus.blogspot.com/2014/06/decreto-bolivariano-do-pt-foi-aplicado.html

    ResponderExcluir
  7. Fica atacando o Papa a la Lefebvre e não percebe que o Papa está largando o aço nos vagabundos

    http://press.vatican.va/content/salastampa/pt/bollettino/pubblico/2014/06/27/0472/01074.html

    Chupa frei Rojão!

    ResponderExcluir
  8. Sr.Anônimo , ao contrário de vc,o resto do mundo não é tão desinformado...ou desonesto - não fazemos leitura seletiva das notícias e estamos vendo o "aço sendo largado" em cima dos Franciscanos da Imaculada e como os "vagabundos " são estimados e bem recebidos,com direito a beijo na mão e tudo... http://www.rainhamaria.com.br/Pagina/15812/Quando-o-demonio-faz-homilia-em-missa-concelebrada-pelo-Pontifice-no-Vaticano

    ResponderExcluir
  9. http://www.rainhamaria.com.br/Pagina/15812/Quando-o-demonio-faz-homilia-em-missa-concelebrada-pelo-Pontifice-no-Vaticano

    ResponderExcluir
  10. Virou bacanal de tradicionalistas isto aqui. Vão rezar ao excomungado Lefebvre também?

    Os Franciscanos da Imaculada devem algo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O capeta está curtindo seu blog Frei Tuck.

      Frei Rojão em comunhão com o capeta

      Excluir
    2. Se Frei Rojão procura a Deus e tem boa vontade, quem é o anônimo para julga-lo?

      Excluir
  11. Frei, excelente postagem!

    Só há apenas um ponto lamentável nisso tudo:

    Que o texto não se refira a hipóteses e possíveis situações, mas ao contrário! Apenas retrata uma situação concreta e inegável que estamos a assistir na Igreja...

    Deus tenha piedade de nós!

    P.S. Em que mundo vivem estes "católicos" que estão a criticar o texto?

    Ahh, perdão, estamos vivendo na "melhor fase da Igreja em seus 2 mil anos, tudo está às mil maravilhas"

    ResponderExcluir
  12. Os que criticam o texto acham que tentar tapar o sol com a peneira melhora as coisas...

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.