Morreu, morreu, morreu o Bispo do MST, dos grileiros e dos terroristas rurais

/
7 Comentários
Morreu D. Tomáz Balduíno, um dos bispos mais nefastos a pisar as terras de Santa Cruz.

Dos mortos não se fala mal, mas eis um em vida que era difícil achar algo para se falar bem.

Descanse em paz? Se puderes...



E como sempre, o trechinho de Shakespeare para estas ocasiões



Eu não vim falar de César, 

    eu vim enterrar César, 

     porque o mal que um homem faz 

     permanece após sua morte, 

    mas o bem é enterrado consigo. 


Você também pode gostar

7 comentários:

  1. Menos um expoente para dar força aos marxistas, daí incentivar a perseguição à Igreja, sugerindo desaparecer similarmente ao PT, cujas reservas de força parecem lentamente exaurirem-se, haja visto a reprovação geral nas redes sociais e mesmo nas pesquisas, embora pareça que o anti PT provenha também de ultramar, mais por sua incompetencia de não bem saber gerir os negócios.
    A CNBB deverá lamentar profundamente sua morte; afinal, foi um dos mais atuantes congregados vermelhos da rede socialista, presente nos movimentos revolucionários MST-CIMI-CPT.

    ResponderExcluir
  2. Prezado frei, sua benção!

    Fugindo um pouco do assunto, você disse que o crescimento evangélico felizmente foi encerrado, mas não é o que noto. Gostaria de saber da fonte que fala disso. (Obs.: já estou preparado pro coice). Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Eu me esqueci de anotar um lamento:
    Faleceu o memorável bispo Dom Roque Oppermann!
    O Arcebispo emérito de Uberaba (MG) foi encontrado morto na manhã deste domingo (27) em sua casa na cidade arquiepiscopal. A suspeita é que infarto por problemas emocionais tenha provocado o falecimento; quem sabe, seria por causa da situação da Igreja, da CNBB em seu último artigo anterior, logo abaixo: .
    VALEU A PENA FAZER A REVOLUÇÃO?
    O que moveu os agentes da Revolução de 31 de março, a intervir na sequência politico-histórica do Brasil, foi o medo de acontecer uma instalação de regime de governo, de cunho socialista e marxista. O medo vinha, com realismo, da ilha de Cuba. Nós como cristãos, praticamos uma inata aversão a esses regimes ateus, porque sabemos quanto a Igreja sofreu e sofre nos países comunistas: neles há necessidade de praticar o culto sob os olhos vigilantes do governo; de conformar-se com leis contrárias ao ensinamento de Jesus; de ver encarceramentos de seus líderes; de sofrer cerceamentos permanentes da liberdade. ”Foi para a liberdade que Cristo nos redimiu” (Gal 5, 1). Depois de 50 anos cabe-nos perguntar se aquele golpe revolucionário debelou os males que pretendia evitar.
    Parece que os princípios de Hegel, de quebrar toda a estrutura social, para ver se aparece alguma coisa melhor do que esta sociedade, ainda conta com interesse em muitas escolas. Nelas permanece como sedução constante de uma “nova sociedade”. A idéia de Marx de jogar um grupo contra outro, através da luta de classes, continua em alta. Mesmo que suas profecias de união entre os proletários não se tenham jamais cumprido, nem a imposição sangrenta dos ideais comunistas tenha surtido resultados. Hoje parece que o método preconizado por Gramsci, de introduzir o socialismo entre todos, por métodos suaves mas furtivos, está na crista da onda. O meio é a ideologia e a educação a conta gotas, de modo que não se perceba a presença da poção venenosa. Assim, ficamos em dúvida diante das intenções reais do nosso poder público, frente à amizade com regimes políticos estrangeiros; não entendemos se os médicos trazidos de países socialistas, vieram para ensinar ao povo que os indivíduos devem ser pagos parcimoniosamente em favor do grande partido; se eles vieram para mostrar que não se precisa de família; se a Comissão da Verdade não faz pesquisa seletiva; se a escolha de certos líderes é para ameaçar a legitimidade da economia de mercado; se o projeto nacional de educação, com sua tônica sobre gêneros, de fato quer fazer perecer a família; se o desejo de intervir nos meios de comunicação é para estabelecer a ordem, ou é para tomar conta daquilo que é diferente. O leitor veja se o futuro da liberdade hoje está garantido, ou se as nuvens escuras que se aproximam são prenúncio de tempestades. Não nos caberia um longo caminho de educação?

    ResponderExcluir
  4. O que a patética esquerda pseudo-católica fez pelo Brasil?

    ResponderExcluir
  5. Não podemos duvidar da salvação de ninguém. Nem insinuar sua presumida condenação. Quem sabe a graça da contrição final não aconteceu?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem sabe, né? Mas se levarmos ao pé da letra esta regra, estragamos toda a deliciosa Comédia de Dante

      Excluir
    2. Acho que o ideal é acionarmos a igreja satanista (tem até um papa próprio) quem sabe , já que nos reconhecemos, através do processo de canonização, uma pessoa foi fiel até o fim (sim pois o contrario também é possível, uma afronta a toda a verdade no ultimo instante da vida levando o infeliz para o inferno) a igreja satanica pode canonizar o sujeiro reconhecendo que ele foi infiel até o ultimo instante, dom Babuino , digo Balduino tem pelo menos (para esse caso) um enorme testemunho de vida, que permitiria iniciar o processo.

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.