Resultados da Coleta da Campanha da Fraternidade

/
3 Comentários
O Padre Hedger, vigário episcopal da zona leste, veio furioso até mim na secretaria paroquial:

- Frei Rojão, isto é um absurdo! Até quando teremos de tolerar em nossa diocese o senhor espalhando cizânia e discórdia?

- O que foi desta vez, Hedger? O Grão-Mestre da tua Loja Maçônica brigou contigo? Algum menor de idade de dezessete anos musculoso te chantageou para quitar uma prestação de um  Land Rover?

- Esta sua abjeta campanha de difamação da Coleta da Campanha da Fraternidade reduziu a coleta na diocese em 60% em relação ao ano passado! Todos os padres reclamaram que muito poucos doaram! 

- E por que você está reclamando? D. Tersites vai ficar mal na CNBB? Para financiar reunião de CEBs? Assembléias de Pastorais livres como um taxi? ONGs esquerdistas? Sindicatos?

- Ora, 60% deste dinheiro iria para a diocese!

- Então você acha justo e nobre desviar dinheiro de coletas da Igreja para financiar doutrinação marxista só porque a diocese vai ficar com uma parte? Isso é papo de mafiosos e corruptos, pode roubar mas me dê uma parte!

- Mesmo na sua paróquia as doações foram pífias! 

- Ah, tenho eu culpa de que os envelopinhos se abriram na cestinha da coleta e o dinheiro se espalhou com as doações? Mandaram eu passar os envelopinhos, eu passei, como frade obediente que sou. Mas não me mandaram apoiar que estes envelopinhos se enchessem. Talvez vocês precisassem ter aulas com o Waldomiro Diniz ou o Edir Macedo. Sinto muito, Hedger, eu não sei pedir dinheiro. Vocês são rápidos para acusar Mamón na Bolsa de Valores que não vêem, mas não falam nada do Mamón das coletas que vocês têm.

- Tenho certeza absoluta que você desviou o dinheiro dos envelopes, Rojão!

- Ah, tá, eu desviei e os sindicatos e ONGs que recebem ele não desviam... Ora, o administrador infiel ao invés de 100 odres de azeite escreveu 50 no recibo... Eu repassei o que foi dado... - e o frade não escondeu uma gostosa gargalhada de cinismo. 

Hedger saiu furioso. A paróquia estava num frenesi de reformas, ao cruzar o adro da igreja, um grupo de pintores refazia a velha pintura. Na lateral, um jardineiro colocava plantas novas nos vasos. Um pedreiro consertava a calçada há muito rachada. E diante da igreja, na Praça Papa Alexandre VI, notou uma coisa estranha. Os mendigos molambentos que usualmente ficavam ali estavam mais limpos e bem vestidos, com roupas novas. Até as crianças estavam se divertindo com brinquedos simples, mas novos. Mesmo os trapos que se cobriam era cobertores novos. Parou e ficou olhando admirado com a mudança, quando ouviu a voz do Frei Clemente atrás de si

- Eu não roubei o dinheiro da coleta da Fraternidade, Hedger. Eu apenas depositei nas mãos dos banqueiros de Deus. Isso sim é fraternidade.


Você também pode gostar

3 comentários:

  1. QUE A CNBB TENHA SENTIDO UMA TREMENDA "DOR DE BOLSO"!
    Nós pagamos uma alta carga tributária ao Estado comunista do Brasil-PT, por sinal foi edificado com a insubstituível ajuda da CNBB - senão inexistiria - e ainda contribuiremos para que essa mesma instituição ainda o prestigie e a seus associados?
    A CNBB ainda se vincularia à Caritas Brasil, a qual tem como parceiros a sinistra Ford Foundation, e nessa enxurrada de congregados aparecem o MST que seria o braço armado comunista do PT no campo, enquanto o PCC seria da cidade, e mais: o CIMI dos índios expulsando agricultores, CONIC de até suposta associação ao relativismo protestante, as famosas CEB berços do PT, a CPT das invasões de área rurais, a CUT das greves beneficiadora de comunistas, o Criança Esperança da Unesco vinculada á gayzista ONU, o BNDES do Porto de Mariel em Cuba e de muitos financiamentos externos a países comunistas, ao Comitê Betinho, à Secretaria dos Direitos Humanos (dos Manos) etc., etc. e ainda contribuiremos com essas "causas"?
    Subtende-se a TL nesse pacote de esquerdismo da CNBB.
    Acaso redirecionar-se para a Igreja católica, nós a prestigiaremos!

    ResponderExcluir
  2. Hahahaha!
    Frei, o senhor é uma figura! Deus te conserve!

    ResponderExcluir
  3. Durval de Santana Soares17 de abril de 2014 13:02

    Bom dia, Frei Rojão!

    Sinceramente eu não sabia para onde ia a verba arrecadada com a coleta da CNBB. Fiquei chocado e revoltado.
    Agradeço ao Frei por me ajudar a ver com mais clareza o que parte da nossa Igreja - a CNBB no caso - faz com o dinheiro suado dos seus fieis.
    Sua solução para não compactuar foi fantástica.
    Deus de abençoe e, peço-te, reze por mim, para que eu me esforce mais para ser um católico corajoso e digno desse nome e para minha família, presente que Deus me deu.


    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.