''O cristão saberia defender acima de tudo a liberdade alheia, para poder depois defender a sua própria''

/
2 Comentários
O cristão tem que se mostrar sempre disposto a conviver com todos, a dar a todos - com o seu trato - a possibilidade de se aproximarem de Cristo Jesus. Há de sacrificar-se de bom grado por todos, sem estabelecer distinções, sem dividir  as almas em compartimentos estanques, sem lhes aplicar rótulos, como se fossem mercadorias ou insetos dissecados. Não pode o cristão separar-se dos outros, porque então a sua vida seria miserável e egoísta: deve-se fazer "tudo para todos, tudo para salvar a todos"
Quem dera que vivêssemos assim, que soubéssemos impregnar nossa conduta desta semeadura de generosidade, deste desejo de convivência, de paz! Desse modo, fomentar-se-ia a legítima interdependência pessoal dos homens e cada um assumiria a sua responsabilidade pelas tarefas que lhe incumbem na ordem temporal. O cristão saberia defender acima de tudo a liberdade alheia, para poder depois defender a sua própria. Teria a caridade de aceitar os outros como são - porque não há ninguém que não arraste consigo uma cauda de misérias e não cometa erros -, ajudando-os com a graça de Deus e com delicadeza humana a vencer o mal, a arrancar o joio, a fim de que todos possamos mutuamente amparar-nos e viver com dignidade a nossa condição de homens e de cristãos.
S. Josemaria Escrivá, É Cristo que passa, Sermão da Ascensão do Senhor aos Céus

Nota do Frei: Pronto! Espero fazer as pazes com meus leitores assim! Como poderia morder a mão que tanto me alimentou?


Você também pode gostar

2 comentários:

  1. Grande Escriva,

    Sempre eh bom ver respeito a ele que tanto enfrentou difamacao de comunistas durante a vida e ainda enfrenta mesmo em sua Espanha.

    Obrigado, grande Frei.

    Sobre o texto dele escolhido, soa um pouco estranho em tempos de perseguicao a cristaos. Pedir liberdade alheia nao tem adiantado.

    Abraco,
    Pedro Erik

    ResponderExcluir
  2. Suas palavras soam como antídoto contra o utilitarismo do momento presente, instigado pelas ideologias niilistas, egoístas e extremistas opositoras a tudo quanto seja Deus.
    Defender a liberdade alheia no contexto atual é também agir de forma que os incautos não caiam nas garras de falsos libertadores, não permitam serem cooptados pela Besta, que bem poderiam ser os comunistas e/ou associados...

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.