Sobre o pecado do Juízo Temerário

/
2 Comentários
O evangelho deste domingo coloca o Sermão da Montanha com o perturbador versículo "Quem chamar seu irmão de idiota será condenado ao fogo do Inferno" (Mt 5,22) 

É óbvio que Nosso Senhor não defende um quietismo que se priva de falar a verdade, o próprio Jesus chamou os fariseus mais tarde de hipócritas e filhos de Satanás. São Paulo chama aos gálatas de tolos em sua carta. Se rotular por rotular fosse pecado, Nosso Senhor estaria pecando, e São Paulo não seria "São" se desse um mal exemplo tamanho pecando por escrito. O que Nosso Senhor pede é que seja contido o vício da Ira, isto é, o desejo de ferir também com palavras que é uma antecipação verbal do desejo de matar (tanto que poucas palavras antes Cristo citou o "Não matarás") e - mais importante - os pecados da calúnia e o julgamento leviano.

Diz nosso Catecismo na descrição do oitavo mandamento "Não darás falso testemunho" parágrafo 2477:

2477. O respeito pela reputação das pessoas proíbe toda e qualquer atitude ou palavra susceptíveis de lhes causar um dano injusto. Torna-se culpado:
– de juízo temerário, aquele que, mesmo tacitamente, admite como verdadeiro, sem prova suficiente, um defeito moral do próximo;
– de maledicência, aquele que, sem motivo objetivamente válido, revela os defeitos e as faltas de outrem a pessoas que os ignoram;
– de calúnia, aquele que, por afirmações contrárias à verdade, prejudica a reputação dos outros e dá ocasião a falsos juízos a seu respeito.

Ou seja, juízo temerário é um pecado. Pecado muito realizado hoje em dia. É juízo temerário ser "Maria-vai-com-as-outras". Infelizmente numa sociedade idiotizada que não via a fundo em nada, o juízo temerário é amplamente disseminado. Especialmente com nossa educação esquerdista que ensina através de associações e rótulos odiosos.  Toda vez que se aceita um rótulo odioso ("Facista!", "Burguês!", "Rad-Trad!") sem critério se peca por juízo temerário. Observem que mesmo nossos jornalistas pecam a todo momento por juízo temerário, a falta do mínimo de critério jornalístico ao apurar as notícias, sempre culpando os culpados de sempre, é exemplo claro de juízo temerário. Exemplo recente: Santiago Andrade estava na cama da UTI entre a vida e a morte, com amplas imagens do foguete atingindo sua cabeça, e ainda assim havia jornalões dizendo que fora uma bomba atirada pela polícia.

É por isto que para evitar o juízo temerário temos que LER o original das frases, nunca divulgar sem critério notícia alguma. Volto ao catecismo " aquele que, mesmo tacitamente, admite como verdadeiro, sem prova suficiente, um defeito moral do próximo" . Ah, quantas vezes somos massa de manobra, espalhando informações ora mentirosas, ora especialmente pinceladas para pintar quadros negativos de pessoas! Tudo isto é pecado de juízo temerário. 

O Catecismo diz também (na continuação) que para evitar o juízo temerário "deve-se interpretar de maneira mais favorável possível". Concordo, para uma pessoa de bem comum. Mas para alguém que já é famoso por falar mentiras e alegações políticas, a virtude da prudência chama de tolice a falta de suspeita por quem já deu motivos.

E quanto ao papa? Redobrada calma ao repercutir notícias. Famosa foi a notícia suposta de que na sua primeira missa o papa chamara os paramentos sagrados de adereços de carnaval, que havia acabado com seu pontificado. Esta já foi demonstrado ser falsa, e sua divulgação foi pecado de juízo temerário.  Todo dia eu ouço coisas que me fazem pensar que Francisco ou é um canalha ou é um santo. As que fazem pensar ser um santo devem ser divulgadas, porque são verossímeis. As que fazem pensar ser um canalha, eu deixo de lado e espero a confirmação. Felizmente estas confirmações nunca vieram, demonstrando que eram falsas mesmo. Isto não quer dizer que não veja no pontífice erros em ação/atitude bem intencionados (nunca doutrina ou moral), como já citei aqui algumas vezes. Neste parágrafo já trago um exemplo moral: Aqueles que não resistirem à tentação do juízo temerário podem perverter meu texto, ler na diagonal e dizer que chamei o papa de canalha. Isto é juízo temerário e pior, calúnia, porque me atribui algo contrário a verdade que não escrevi. O grande problema hoje em dia é que sendo mais da metade dos universitários analfabetos funcionais (incluo o clero aqui) é provável que por pura ignorância de interpretação de texto se chegue ao pecado de juízo temerário, atribuindo a um autor coisas que ele nunca disse.

Observem, leitores, o dever moral dos fiéis de se aprofundar!!! Sim, compartilhar um link no Facebook de notícia falsa pode ser pecado de juízo temerário! Sim! Isto está nos vossos exames de consciência? Está sempre no meu. E como me dói as vezes que recaí nele! Miserere mei, Deus! Ah, quantas vezes na blogsfera católica ouço, de todas as matizes ideológicas, isto ou aquilo de tal cardeal, de tal ordem, de tal órgão da Igreja! Fico cogitando se havia prova suficiente ou que era juízo temerário. Cuidado! 

Em tempo, também é juízo temerário espalhar "Lendas Negras" sobre a Inquisição, as Cruzadas, o caso Galileu... 

A propósito, diz o catecismo sobre a maledicência... Não seria pecado de maledicência, por exemplo, falar dos erros doutrinários dos bispos, do Fábio de Melo? Não, porque há "motivo objetivamente válido" por serem figuras públicas que ensinam um público com impacto público. Seria maledicência, por exemplo, se divulgasse tal pecado privado sem interesse público de uma destas figuras, alguma amásia, por exemplo. Mesmo assim há que se usar de justiça, certas coisas como denunciar um desvio na diocese devem ser trazidas a público para conhecimento dos fiéis e investigação das autoridades, caso contrário seria pecado por omissão. 

"Quem chamar seu irmão de idiota merece o fogo do Inferno", assim disse Nosso Senhor com palavras que não admitem desvios. 

Mentira é pecado. E são pecados as modalidades da mentira:

Calúnia é pecado. 
Juízo Temerário é pecado. 
Maledicência é pecado. 

Fujamos deles! Fujamos! No mesmo sermão disse o Senhor: "Se teu olho te leva a pecar, corta fora". Ou seja, o rompimento com o pecado deve ser total. Evitemos o juízo temerário. E lamentemos em arrependimento quando o fizemos.


Você também pode gostar

2 comentários:

  1. NUM TEMPO EM QUE SUBIR NA VIDA VALE TUDO, SERIA BOM RECONFERIR SEMPRE O TEXTO ACIMA.
    Nem precisamos nesse sentido nos preocuparmos com os comunistas nos quesitos maledicência, calunia e juízo temerário pois de sobejo praticam o terrível "todos os meios justificam os fins", inveterados caluniadores, maldizentes e temerários e tudo mais que facilite a eles apossarem do poder; deixar de os denunciar, é omitir-se.
    Salvo o poder, tudo o mais é ilusão - Lênin.
    Também, à vista de todos, os que se desviam comportamentalmente, sabidos e confirmados casos de pedofilia, nos itens varios ético-morais, artistas, grandes personalidades, os heréticos, entrando nesse rol os exemplos, como Pe Fabio de Melo, os Beto I e II, L Boff e o mais recente lá de BH, frei van Balen, pastor da seita dos black blocs "católicos", assim conhecidos por impedirem com agressões uma celebração litúrgica por causa da não presença do "frei proprietário da celebração naquele horário"...
    Diariamente na mídia nos deparamos com a prática desses 3 pecados de forma contumaz, praticados principalmente contra a Igreja católica; bispos, sacerdotes de forma a os desmerecerem, relembrando o famoso caso da KGB - Pio XII, O Papa de Hitler - depois de anos foi descoberta a farsa; imaginemos o que até hoje ainda causa de mal, e lhe rendeu o título de que seria o papa mais caluniado da Igreja.
    Não é que as "fabettes" sem açúcar e sem afeto partem no tapa para defenderem seu ídolo Fabio de Melo?

    ResponderExcluir
  2. Mais uma excelente formação!

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.