Polícia federal, a Cheka petista

/
1 Comentários
Polícia Federal do Brasil
Querem sugestão de leitura?? "Assassinato de Reputações, um crime de Estado" de Romeu Tuma Jr. Mostra em detalhes o cagoeta que o sr. Lula era e podres terríveis de perseguição política a moda NKVD. Acabou de chegar o meu, a leitura é pesada. Porque uma coisa são ler os crimes passados de degenerados como Antíoco Epífanes, Calígula, os albingenses, Calvino, Henrique VIII, Stálin e Hitler. Outra coisa é se sentir mal com o que ocorreu debaixo de seu nariz e com o seu voto. Deus nos perdoe pelo que fizemos com nosso país dando-o a estes degenerados!!!

 Prossigo na terrível e insone leitura do livro de Romeu Tuma Jr. A descrição de como o lulismo transformou a Polícia Federal numa Cheka petista é de perder o sono. (A Cheka era a polícia política revolucionária bolchevique, mais tarde rebatizada OGPU, NKVD e MVD/KGB).

Neste exato instante, relatórios de inteligência da PF feitos totalmente fora do devido processo legal da Justiça estão arquivados apenas esperando a hora de atacar começando um inquérito contra qualquer desafeto do governo petista, com o conveniente vazamento para algum jornal amigo iniciar o linchamento moral do alvo. Qualquer semelhança com os arquivos de denúncias stalinistas e os processos de Moscou NÃO É mera coincidência.

The NKVD (People's Commissariat of Internal Affairs) were the Soviet Secret Police from approximately 1922 to 1954. While the Soviet Secret Police technically underwent 10 bureacratic name changes in just 74 years, the agency essentially went through three main periods, of which the label NKVD can be used to describe one period.
The NVKD was among the most brutal, repressive, and inhumane police organisations of human history. The NKVD's duties, while multifaceted, included the administration of the gulag's and prison system, the police, internal affairs for the police, and served as the main apparatus for carrying out the purges and mass executions of Communists and innocent Soviet civilians in the 1930s.- Fonte: Enciclopaedia of Marxim



Você também pode gostar

Um comentário:

  1. ELES TROCARAM A VERDADE DE DEUS PELA MENTIRA E ADORARAM E SERVIRAM A CRIATURA EM LUGAR DO CRIADOR, QUE É BENDITO PELOS SÉCULOS. AMÉM.
    Não só se enquadram os governantes comunistas adoradores do niilismo do deus-Estado, adotantes da ideologia marxista, mas todos os cristãos que os apoiam e prestigiam, inclusive de uma forma direta, postando-os no poder com o voto para depois arrogantemente, com ajuda desses traidores de Cristo-Igreja - BLEFANDO COMO QUE PELA BOCA DESSES ELEITORES - publicamente O desafiarem com suas leis satanistas.
    É inimaginável de como os apoiadores dos marxistas tentarão se justificar diante de Deus; a meu ver, testificam contra si mesmos desde já nesse mundo pelos procedimentos ambíguos.
    O marxismo é uma doutrina tão maldita e pestífera que, dentre mais outros papas semelhantes, o papa Leão XIII sentenciou na Quod Apostolici Muneris: Os comunistas, socialistas e niilistas são uma peste mortal que como a serpente se introduz por entre as articulações mais íntimas da sociedade humana, e a coloca num perigo extremo".
    PS: extraído no blog do Senadorpaim.c.b; apelou até para o profeta Oseias!
    PLC 122: Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil pede aprovação do projeto
    Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil, CONIC, emite nota em favor dos 16 Dias de Ativismo pelo fim da violência contra a mulher. O texto afirma, entre outras coisas, que entre 2001 e 2010 cerca de 40 mil mulheres foram assassinadas no Brasil. Além disso, a nota sustenta que grupos como a população LGBT também vem sendo vítima de frequente violência e, nesse sentido, “a aprovação do PLC 122/06 pode significar um passo concreto nesta direção”.
    Leia na íntegra:
    O QUE DEUS EXIGE DE NÓS? (Mq 6.6-8)
    Como Igrejas não podemos nos calar! Segundo um estudo realizado entre 2001 e 2010, foram assassinadas 40 mil mulheres em nosso país. No ano de 2010, a média de assassinatos foi de 4,5 para cada 100 mil mulheres. Para o ano de 2013, a projeção é que 4.717 mulheres serão assassinadas. Mais do que números, estes índices revelam uma violência fundamentada em uma cultura que há muito naturalizou a violência contra a mulher.
    Enquanto Igrejas, cabe-nos refletir sobre nossa tarefa diante desta realidade. A pergunta do profeta Miqueias “O que Deus exige de nós?” nos provoca a identificarmos as ações concretas com vistas a contribuirmos para a transformação das relações humanas violentas.
    A violência contra mulheres e LGBTs é uma realidade que expõe uma face nada simpática de nosso país, conhecido como a terra da tolerância. É necessário falar abertamente sobre nossas limitações em conviver com o diferente.
    A violência é contrária ao Evangelho, portanto, todo o discurso, inclusive religioso, que legitima ou justifica estas formas de violência está em contradição com a Boa Nova. O que Deus exige de nós, cristãos e cristãs diante destes dados de violência? É a pergunta sobre a qual queremos refletir nestes 16 Dias de Ativismo.
    Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil
    Aguente, sr. frei, Rojão, com a CNBB! Ele fala tão bem, mais se parecendo um deus. Seria Alá, Thor?
    E por falar em aguentar: a terra do nosso papa Francisco está, ao que parece, na III fase ante implantação do comunismo, saques e mortes gerais país afora; confira no Aluizioamorim.blc


    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.