O que trama o PT

/
2 Comentários
Editorial do Estábulo de São Paulo O manifesto petista divulgado na terça-feira, que classifica de "ilegal" a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, de mandar recolher à prisão 12 dos condenados no processo do mensalão, afirma que "uma parcela significativa da sociedade" teme "pelo futuro do Estado Democrático de Direito no Brasil". Têm razão os signatários do documento.
O Estado de Direito está real e gravemente ameaçado no Brasil, mas pelos sectários, pelos oportunistas fisiológicos e pelos inocentes úteis do PT que, por razões diversas, se empenham numa campanha nacional de desmoralização do Poder Judiciário, ferindo fundo a estabilidade institucional e colocando em risco, em benefício da hegemonia política do partido, o futuro da democracia no País.
O tal manifesto não é um documento oficial do PT. Mero detalhe. As posições "oficiais" do partido, ditadas pelo pragmatismo eleitoral, são traduzidas pela linguagem melíflua das notas oficiais, hábeis em camuflar o verdadeiro pensamento da elite petista. Mas esse pensamento está explicitado no manifesto de terça-feira, que tenta em vão dissimular seu caráter eminentemente político-partidário com a adesão de "companheiros" intelectuais e juristas. Mas assinam a nota o presidente Rui Falcão e todos os demais integrantes do Diretório Nacional do partido. Está ali, portanto, o que pensa o PT.
Da mesma forma como ataca sistematicamente a imprensa, ao investir contra o Poder Judiciário, lançando mão do recurso de demonizar a figura do ministro Joaquim Barbosa, o PT deixa claro o modelo de "democracia" que almeja: aquele em que ninguém ousa contrariar suas convicções e seus interesses nos meios de comunicação, na aplicação da Justiça, na atividade econômico-financeira. Em todas as atividades, enfim, em que entendem que o Estado deve dar sempre a primeira e a última palavra, para promover e proteger os interesses "do povo".
Para visualizar esse modelo dos sonhos dos petistas radicais sem ir muito longe, basta olhar para a Venezuela e demais regimes "bolivarianos" da América Latina, sem falar no clássico exemplo da ilha dos Castros. Esses países, em que vigora o "socialismo do século 21″, são comandados pelos verdadeiros amigos do peito e de fé de Lula, Dilma e companheirada.
Mas nem todo mundo no PT está preocupado com dogmatismo ideológico. Ao longo de 10 anos, boa parte da militância petista aprendeu a desfrutar das benesses do poder e hoje reage ferozmente a qualquer ameaça de ter que largar o osso. São os oportunistas que tomaram conta do aparelho estatal em todos os níveis e a ele dedicam todo seu despreparo e incompetência gerencial.
E existem ainda os inocentes úteis, em geral mal informados e despolitizados, que engrossam as fileiras de uma militância que comprou a ideia-força lulopetista de que o mundo está dividido entre o Bem e o Mal e quem está "do outro lado" é um "inimigo" a ser ferozmente dizimado. As redes sociais na internet são o ambiente em que melhor prospera esse maniqueísmo de esgoto.
O que pretende esse amplo e variado arco de dirigentes e militantes petistas que, a pretexto de se solidarizarem com os condenados do mensalão, se mostram cada vez mais ousados em suas investidas contra o Poder Judiciário? O País tem estabilidade institucional suficiente para impedir que, num golpe de mão ou num passe de mágica, a condenação dos mensaleiros seja anulada. Mas os radicais sabem que para alcançar seus objetivos precisam criar e explorar vulnerabilidades na estrutura institucional de nossa democracia. Os oportunistas sabem que precisam ficar bem com os donos do poder a que aderiram. E os inocentes úteis não sabem nada. Agem por impulso, movidos por apelos emocionais. Acreditam até no argumento falacioso de que é preciso ser tolerante com a corrupção e os corruptos porque sem eles é impossível governar.
A quem não entra nessa lista resta comemorar, enquanto pode, uma singela obviedade: feliz é o país em que a Justiça pode contrariar os interesses dos poderosos de turno.


Você também pode gostar

2 comentários:

  1. ESTÁ CADA VEZ MAIS DIFÍCIL ENCONTRAR ESSE PAÍS...
    Como disse a última frase: feliz é o país em que a Justiça pode contrariar os interesses dos poderosos de turno...
    Se o próprio povo colabora com a ascensão deles ao poder, junto com varios supostos religiosos da Igreja, senão infiltrados...
    Mesmo de muitas igrejas que se autodenominam evangélicas, no entanto são excelentes colaboradoras de implantação do caos....
    Tá danaaaado!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela inteligência e coragem desta postagem! Pois, vivemos em um País, que a "liberdade"é apregoada por todos os lados... Mas, na verdade, esta palavra usada aleatoriamente, para nós, ainda é um incógnito... Não acredito que somos livres, morando em um País, onde vez por outra, pessoas inocentes, trabalhadoras são mortas e seus corpos desaparecidos, por quem deveriam dar proteção... País, onde o Ministro do Supremo (por ser honesto e corajoso), é taxado de mentiroso e até corre o risco de morte, pelos próprios corruptos e seus comparsa, os quais comandam nossa Nação... Como me sentir uma pessoa livre, em um País, onde sou obrigada a "Votar", ou então ter que justificar o meu Voto... Como me sentir uma pessoa livre, em um País, onde o isentivo ao analfabetismo é prioridade, pois torna-se mais fácil, ser comprado a ignorância do pobre, com uma mera cesta básica, em um valor simbólico, mediante uma grande Nação, do que arriscar conviver com pessoas bem esclarecida, e perder as suas autarquias... - Por tanto, digo-lhe Frei Clemente: A cada escândalo de corrupção surgido em nosso País, só tende a nos amedrontar sempre mais! O medo nos assola...e o cansaço também! Um grande abraço e fique com Deus!

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.