Não queiram ser mais papistas que o Código de Direito Canônico

/
4 Comentários
Artigo 212 do Código de Direito Canônico:

§ 2. Os fiéis têm a faculdade de expor aos Pastores da Igreja as suas necessidades, sobretudo espirituais, e os seus anseios.

§ 3. Os fiéis, segundo a ciência, a competência e a proeminência de que desfrutam, têm o direito e mesmo por vezes o dever, de manifestar aos sagrados Pastores a sua opinião acerca das coisas atinentes ao bem da Igreja, e de a exporem aos restantes fiéis, salva a integridade da fé e dos costumes, a reverência devida aos Pastores, e tendo em conta a utilidade comum e a dignidade das pessoas.

***

Ou seja, nunca deixem ninguém fingindo piedade te tirar o direito de falar, e por vezes reclamar, sim, reclamar do clero. A lei da Igreja é a lei da Liberdade, a Igreja é a mãe da Democracia Moderna, (a despeito da maçonaria a atiçar contra a mãe). Quem quiser viver debaixo da bota de clérigos, aterrorizado contra qualquer crítica, que vá para o Irã ou a Arábia.

Observe que o CDC fala do "dever" de manifestar. Também se peca por omissão. Esta zorra total que ocorre na Igreja brasileira ocorre por falta dos fiéis cumprirem seu dever de dizer NÃO, de reclamarem, das porcarias e invencionisses que padres e bispos mal-preparados fazem com a sagrada liturgia e com a doutrina. Jesus vai nos cobrar porque nos calamos quando os mercenários entraram para roubar as ovelhas. O mínimo que se espera das galinhas e das ovelhas, se não tem forças para enfrentar os lobos, é gritarem, gritarem muito, fazer escândalo.  

Disse e volto a repetir, o papa é infalível em doutrina e moral. Só isso. É muito estreito. Estreitíssimo. Ele não é infalível em matéria político-administrativa. Ou seja, você pode sim criticar o papa. O CDC coloca as regras, que são:

a) A manter a integridade da fé e dos costumes - Não se pode criticar um papa por fazer o certo ou não dizer o errado. Exemplo: não é lícito criticar o papa porque ele não aceita que Jesus não seja Deus, arianismo. Observe que este é um belo teste para os artigos da mídia sobre a Igreja: Se criticam o papa por não fazer as coisas erradas, como por exemplo aceitar a sodomia como estilo de vida, não é um texto católico nem bem intencionado e não devemos dar ouvidos. Há muitas pessoas no mundo interessadas em aconselhar o papa a como destruir a Igreja.

b) A reverência - aliás, em tudo na vida com todos. Exemplo: Podemos dizer que o papa fez uma asnisse, humano que é, mas não que seja um asno. Pontífices são pontífices. Há que se respeitar. Cristo não aprovava o sumo-sacerdote Caifás, mas não se sabe de nada ofensivo que tenha saído da sua boca contra o sumo-sacerdote. Não que Caifás merecesse este respeito, mas o cargo de sumo-sacerdote merecia. Paulo acusou a hipocrisia de Pedro que estava evitando os pagãos para não desagradar aos judeus convertidos, nunca se ouviu dizer que Paulo tirou a autoridade de Pedro em represália. É verdade que houve pontífices no passado que abusaram, dificilmente não podemos deixar de classificar Alexandre VI como um canalha e uma vergonha em todos os sentidos. Felizmente estão já no passado.

Túmulo do Cardeal Albornoz, Avignon
c) A utilidade - Isto é, se vai realmente ser pertinente e útil a exposição. É um pouco de pragmatismo. Exemplo, é burrice fazer uma justa crítica num encontro ecumênico, que fortaleceria os não-católicos em sua aversão pela Igreja. É tolice falar coisas desabonadoras do passado da Igreja para quem não tem maturidade para entender a época em que se passaram. Vou dar um exemplo, na Idade Média havia cardeais que na prática eram generais. Quem tem um bom estofado de História e compreende a época, entende. Estes cardeais-generais, como Albornoz, foram muito importantes para manter a custa de sangue a independência da Santa Sé. Um leigo de tudo hoje em dia se escandalizaria: "Como um homem de Deus pode cuidar da guerra???". Aliás, explorar a ignorância histórica dos leigos é um expediente usado desde a Reforma Protestante para atacar a Igreja contando lendas negras, ou fatos descontextualizados. 

d) A dignidade - Explicando de maneira simples e evangélica, trate como você gostaria de ser tratado. Todo homem deve ser tratado com dignidade. Exemplo, não se humilharia um pontífice com críticas válidas e respeitosas numa cerimônia diplomática, onde elas não cabem, esta exposição seria indigna. Aliás, o que o governo brasileiro fez com o último embaixador americano em seu jantar de despedida, desferindo uma série de críticas ao governo americano na sua cara, coisa do mais alto grau de falta de educação mesmo, que qualquer pai de família analfabeto no interior ensinaria aos filhos a não fazer, mas que os doutores do Itamaraty petista se esqueceram.


Você também pode gostar

4 comentários:

  1. E você também não tem obrigação de gostar do Papa (mas de rezar por ele):

    http://thyselfolord.blogspot.com.br/2013/12/e-se-eu-nao-gostar-do-papa-francisco-um.html

    Abraço,
    Pedro Erik

    ResponderExcluir
  2. COMO SE CALAR FRENTE AOS PADRES "FABIOS DE MELO E BOFFS DA VIDA"?
    IDEM, AOS CASALDÁLIGAS E BALDUÍNOS DE PLANTÃO?
    Eles não pregam objetivamente contra a Igreja, mas estão entre os tais que não seguem o que determina a doutrina católica como correto; deturpam, ideologizam seus ensinamentos ao seu bel prazer ou conveniências de quem sorrateiramente teriam se associado, como a grupos ideológicos inimigos e repassadores de falsas idéias sobre a fé, a Igreja e sua missão e a procedimentos frente ao paganizado mundo, mais sinalizando adesão do que propriamente ensinando os fieis a se desviarem dele.
    Vejamos se deveremos por ex., calarmo-nos frente ao escandaloso, excomungado pe Beto de Bauru, com seus disparates, sedizente de voltar ao sacerdócio.
    Ouçam-no:
    Eu pretendo voltar sim ao sacerdócio, continuo sendo padre, essa é minha vocação. É como se eu fosse um jogador de futebol que é impedido de jogar, mas que não pensa em fazer outra coisa. O sacerdócio é minha paixão, sou apaixonado por Jesus Cristo, não tem como não ser. Estou esperançoso com o papa Francisco, que ele traga o retorno da Igreja Católica que reflete, por isso estou entrando na justiça comum...
    Enquanto perdure a suposta decisão favorável, deite-se num colchão de fumaça, pois de algodão poderá causar-lhe escaras....

    ResponderExcluir
  3. Por que Frei Clemente me banir em sua página?
    Sei que temos opiniões diferentes este cânone que cita ai sabemos desde sempre.
    Alem de me banir apagou meu comentário que pena né, rsrsrs
    Porém acho muito importante sua opinião e postagens pois nos faz divertir em uma realidade verdadeira, mas muitas das vezes leva sempre a divisão daqueles que não aceitam tal opinião.
    Naquele meu comentário apenas esclarecia a minha opinião própria como um bom cristão católico, agora não vai me dizer que exagerei acho que não.
    Tudo bem vamos levando e vendo como a nossa amada Igreja é como disse no então comentário: O Corpo a 'Igreja' de seus membros mas nem sempre todos são iguais...

    Abraços
    Alan Lima (Pequeno Monge Agostiniano)

    Veja mais:
    https://www.facebook.com/pequenomongeagostiniano
    http://pequenomonge.wordpress.com/

    Passe por lá e veja... Até logo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não. Sua intervenção não foi adequada. Acusou-me de dividir a Igreja, que é o mesmo discurso de quem demoniza o outro. E ter se referido àquela música bucéfala de ato penitencial foi irritantíssimo. Precisas aprender mais com Agostinho.

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.