O clero precisa de um mínimo de formação econômica

/
7 Comentários
Uma das maiores dificuldades do clero é entender Mamón, o dinheiro. Uma das passagens mais obscuras do evangelho é "use o dinheiro ruim para fazer amigos". É fácil entender o "não podeis servir a Deus e ao dinheiro". Porque é mais fácil rejeitar algo completamente do que usar temperança. E Cristo rejeitava Mamón, não o dinheiro. Tanto que fez Pedro pescar a moeda de seu imposto. Tanto que a mulher que tinha dez moedas varreu a casa em busca da perdida. Tanto que só salvou Zaqueu quando ele se comprometeu a devolver o furtado.

Uma das causas da crônica penetração da Teologia da Libertação é a falta de compreensão dos fatores econômicos por parte do clero. Não, não quero que troquem Aquino por Mises (até porque não lêem nem Aquino, nem Mises!) mas que parem de ter esta ignorância infantil dos fatores econômicos. Esta fragilidade é o que faz o marxismo penetrar. Onde deveria haver doutrina social da Igreja, a metástase da Teologia da Libertação penetra e transforma tudo no mais tacanho trotskismo de paróquia. Leão XIII com razão dizia que deveria haver justiça nas relações entre patrões e empregados. O problema é que rapidamente esta justiça - coisa que Cristo já pedia até no momento em que era batizado "para que se cumpra toda justiça" - vira "Justiça Social" na boca dos libertogastros. Falar de justiça social é uma bela terceirização de nossos vícios de avareza e cobiça. Ao se culpar "o sistema", sob o qual não temos poder, deixamos de olhar nossos erros e omissões, sob os quais temos poder. É fácil falar dos pobres "oprimidos", difícil é dar um pão com manteiga para o pobre fedido que bate à sua porta. É fácil dizer que "só dar comida não basta", o difícil é fazer o prato de arroz com feijão, usando um de seus pratos, com seus talheres, e dar para o inconveniente pedinte na sua calçada. Deus não vai nos cobrar o quanto falamos de Justiça Social, mas sim quantos pratos de comida demos. "Eu estava com fome e não me destes de comer". Esta lá em Mateus 25 


Entro num espinheiro agora: Até hoje, por exemplo, não houve uma devida revisão das velhas condenações medievais à usura e ao juros. Hillaire Belloc tinha razão neste sentido. Um católico que queira levar a ferro e fogo (felizmente não somos assim) viveria mais a margem que um amish. É mais fácil prescindir de oxigênio que de juros e correção monetária nos cálculos de matemática financeira. Os velhos medievais não compreendiam fenômenos de inflação e dívida pública, é verdade. Hoje em dia rios de tinta já foram escritos sobre isto, literatura não falta. Mesmo o dinheiro das paróquias vai para a poupança a seus módicos 0,4% de juros ao mês. E para os juros escorchantes imorais, antes do confessionário temos os tribunais. Mas lembro que eles são imorais não porque são juros, mas porque pressupõe uma mentira, um avanço na boa-fé de contratos, um abuso de poder com o devedor.

Porém não é escusável que um bispo moderno solte perdigotos de indignação contra o mercado financeiro como se fosse intrinsecamente imoral. A cobiça é imoral, negócios são amorais. Comprar e vender PETR4 lucrando é tão amoral quanto comprar e vender tomate lucrando. A diferença é que PETR4 é mais abstrata que tomate, mas as Bolsas de Valores não passam de grandes feiras livres de pedaços de empresas no lugar dos legumes. E nada como uma bela dose de ignorância econômica com pitadas de marxismo para formar nosso clero.

Créditos: Olhar Católico
Enfim, o tema rende. A Igreja opera num plano infinitamente mais nobre e superior que o prosaico "mercado". Mamón não deve ser servido. Mas com dinheiro todos nós lidamos. Um pouco de educação financeira faz bem. E compreensão dos fenômenos econômicos. Isto será uma vacina contra o Diabo Vermelho que vem no seu ouvido dizer que automaticamente todos os patrões são opressores, que todo o lucro é removido dos trabalhadores, e outras patranhas para jogar homens contra homens e colocar os esquerdopatas lá em cima no poder. E contra isto os papas já foram severos. Ouso dizer que toda a doutrina social da Igreja se resume à concórdia e à unidade. Somos da religião em que Paulo disse ao rico Filemon que o escrevo fugitivo Onésimo era seu irmão em Cristo. Esta irmandade entre homens foi conquistada pelo preciso sangue de Cristo derramado na cruz. Não vamos deixar que a discórdia se espalhe por algum pilantra que venha babar "mais-valia" em
nossas orelhas ignorantes.


Você também pode gostar

7 comentários:

  1. A "MAIS VALIA, TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO, OPÇÃO PREFERENCIAL PELOS POBRES", seja lá que nome for que os comunistas dêem a seus valores ou planos econômicos, de uma se tem toda certeza: onde o comunismo adentra, além de destruírem o país, só ficam quaquilionarios os donos do poder - o comunismo é a doutrina da inveja e da cobiça dos bens alheios, primordialmente, tomar dos capitalistas autônomos e doar ao Estado e ele os repassa para os da máfia - e o povo lá em baixo sendo vergastado, além de ser em termos econômicos um fracasso total.
    Cuba: 50 anos de comunismo, tudo de progresso que possui tecnológico, como os software vem do capitalismo que tanto odeiam; NADA INVENTAM, NADA CRIAM, são uns malucos espertos, ainda estão por si mesmo nos tempos das carruagens, podem conferir Laos, Vietnam, Coreia do Norte, Camboja Yêmen e os países árabes que são aliados dos comunistas.
    A China comunista, caso á parte, doa seu escravizado povo aos capitalistas ocidentais para os explorar -trabalham a 150,00/mês -12 H/dia. segunda a sábado, sem férias ou 13º sem direito algum, e se esses acaso saírem de lá, quebra-se; aliás, a China pratica o capitalismo ocidental no mercado, uma exceção, e países que o abraçam phodem-se como a Venezuela, onde falta papel higiênico e até leite em pó para as crianças.
    Se v acredita nas boas intenção do diabo, creia e vote nos comunistas, como no PT.

    ResponderExcluir
  2. ALIÁS, NÃO É DE HOJE QUE ELA DÁ EXEMPLOS E NOS CONVIDA A SEGUIRMOS O "FILHOTE DE MARX"...
    O pai dele conquistou muitos seguidores dentro da Igreja e, além de se opor a seu Magistério, gerou um forte braço da esquerda, principalmente nas Américas Latina e Central com sua Teologia da Libertação-TL, um mix de heresias teológicas européias com o comunismo no Novo Mundo, frutificou, tornando-se arma letal do socialismo mundial.
    A Igreja dissera que "Socialismo religioso e socialismo cristão são termos contraditórios: ninguém pode ao mesmo tempo ser bom católico e socialista verdadeiro", mas isso não impediu que rebeldes religiosos à Igreja afirmassem que "o Reino de Deus é o socialismo", como Boff disse ao Jornal do Brasil que "não é Teologia dentro do marxismo, mas marxismo (materialismo histórico) dentro da Teologia".
    A TL entrou nos seminários, noviciados e nas escolas católicas; a diabólica TL percebeu a relevância das escolas para doutriná-los, fixar nesses centros estudantis, e hoje, boa parte desses está entregue às ideologias, confrontando a doutrina da Igreja e desencaminhando os jovens ao marxismo.
    No passado, o apoio de influentes rebeldes bispos - infiltrados marxistas - também fortaleceu essa heresia, somada à maciça presença da TL nos seminários e na Igreja brasileira foi tão enfática que abafavam todas as condenações vindas de Roma, continuando intocados e atuantes.
    Àquela época, nem a AC e movimentos afins ficaram imunes às nefastas influencias marxistas; são diabólicos.
    Só que a alta cúpula da TL cavou a própria cova ao afastar a piedade e religiosidade dos fiéis, daí suas fontes de vocações secaram, favorecendo os opositores a essa heresia, e atualmente passaram a ter seus seminários e noviciados apinhados de jovens, desmentindo a falaciosa crise de vocações, tão divulgada pela mídia catolicofóbica, e devido a alguns sacerdotes atuantes anti marxistas-TL uma nova geração de religiosos se forma fiel ao Magistério e ortodoxa no seguimento da doutrina. Serão os futuros padres, freis, monges, bispos que execrarão a TL e a postarão no seu devido lugar, como uma heresia aliada ao modernismo niilista e ao satanismo ao promover apenas o anticristianismo.
    Todos os envolvidos com a TL têm de ser execrados!

    ResponderExcluir
  3. Caro Frei, de uma olhada nesta reportagem de o globo:http://oglobo.globo.com/mundo/papa-francisco-ja-enfrenta-resistencia-no-vaticano-10192000

    Será isso verdadeiro?
    Abraço
    Cesar.
    littlecesar04@yahoo.com

    ResponderExcluir
  4. Muito bom Frei! Se toda a Igreja estudasse mesmo as ciências econômicas, com certeza, as coisas poderiam ser bem diferente, pois a "doutrina econômica" da Igreja poderia ser um instrumento e tanto nas mãos dos padres e bispos afim de instruir os fiéis.

    ResponderExcluir
  5. Ô frei, esta ultima imagem ai é uma montagem minha.
    Faz um merchan aê do meu blog ;-)
    http://www.verdadeiromododever.wordpress.com

    ResponderExcluir
  6. Ô frei, esta ultima montagem ai foi feita por mim.
    Faz uma merchan do meu blog: http://verdadeiromododever.wordpress.com
    ;-)

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.