Sic - NEC - semper tyrannis ou "Meu malvado favorito"

/
2 Comentários
Trocar um tirano pela Al-Qaeda e a Irmandade Muçulmana me parece um mau negócio, vide Líbia e Egito... Eu poderia ser acusado de maquiavélico e adepto da realpolitik por preferir um mal menor, mas depois da zerda que deu a derrubada de Kadafi e Mubarak, este é um ponto de vista bem razoável. Querem que a Síria vire celeiro de extremistas? Você pede a cabeça do Assad e quem vai perder são os cristãos de lá. Pelo menos o Assad não os persegue...

Assad é um monstro, digno de ser levado à barra dos tribunais. Porém deixar a Síria cair na mão de outra ditadura religiosa, cheia de conexões com o terrorismo, e ainda do lado de Israel me parece grossa burrada, a maior burrada do Ocidente naquelas bandas deste a quarta cruzada... Francamente, alguém que é adepto da conspitação sionista me explique: Se os EUA são aliados de Israel, por que cargas d´água querem colocar um inimigo de Israel no poder ao lado de Israel? Quer queira quer não, faz algum tempo a Síria de Assad não enche mais o saco de Israel sobre as colinas de Golã. É por isto que tenho sérias dúvidas sobre a validade da "Conspiração Sionista". Se fosse assim, Israel não estaria no lixo que está. 

Assad diz seu exército é que foi atacado pelos rebeldes, e que não faz sentido que ele "se atacasse" especialmente com armas químicas. Há evidências que os rebeldes roubaram de fato armas químicas. Acho plausível. Num mundo em que satélites espiões monitoram até os entregadores de pizza nos quartéis, é bem razoável que os sírios não sejam burros a este ponto. Outra análise é que Assad usou sim armas químicas para mostrar aos rebeldes que eles estão sozinhos, que o Ocidente teme intervir e que a Rússia é sua fiadora. Arriscado, mas plausível. Tenho lido que os EUA tem relatórios que demonstram que o governo Assad realmente usou armas químicas. Bom, então Assad merece o prêmio de burro do milênio por justificar ser derrubado por outros quando ele estava ganhando a guerra. Isso, infelizmente, não melhora em nada os candidatos a substituí-lo. Quem quiser saber mais sobre as seis (sim, seis) facções dos rebeldes, veja aqui. Alguém pode me criticar por ter chamado a Al-Nusra de Irmandade Muçulmana, quando na verdade é Al Qaeda. Aqui entre nós, tout le meme. Se os EUA querem invadir, não é bem necessário relatório, né? Ou alguém se lembra da Segunda Guerra do Golfo, e das tais armas químicas de Saddam Hussein que nunca foram achadas? Aliás, enquanto escrevo estas palavras, vejam que notícia, neste dia de hoje, uma série de atentados em Bagdá mataram sessenta e feriram cento e quarenta. Sessenta voaram pelos ares. Sessenta! Em Bagdá, que os EUA invadiu para derrubar um ditador, e que supostamente está pacificada. Vivemos a época que o
Al Qaeda: Tutti buona gente!!!
"si vis pacem para bellum" (se quer a paz, prepara a guerra) virou "os civis se estrepam até depois de feita a bellum".  E a Arábia Saudita, tão rápida em apoiar a queda de Saddam no Iraque, e tão prestimosa a ajudar os militares laicos egípcios contra a Irmandade Muçulmana, apóia os n-rebeldes sírios contra Assad, que á alauita mas tem o apoio dos xiitas do Irã. Os wahabitas da Arábia Saudita em matéria de radicalismo fazem os xiitas iranianos parecerem liberais... É, leitor, é complicado entender a coisa lá. É complicado mesmo. São seis grupos dos mais diversos espectros do Islã e da política contra Assad. Disputam prestígio lá no Oriente Médio a Turquia, Irã, Arábia Saudita... e nos paises vem os grupos da Irmandade Muçulmana, Al Nusra, Al Qaeda, Hezbollah, Hamas, Brigada dos Mártires de Al Aqsa... e as facções do Islã dos sunitas, alauitas, xiitas, wahabitas...  e para atrapalhar as potências mundiais, os cinco do Conselho de Segurança da ONU e a OTAN metendo a colher... e Israel? Ah, não nos esqueçamos de Israel. Você entendeu o xadrez, leitor? Não, nem eu. São Tiago e São Luis, rogai por nós. 

Um leitor comentou sobre o papa Francisco e a questão egípcia. Bento XVI veio falando sobre os problemas da Síria no mínimo nos últimos dois anos. Veja-se qual é a eficácia dos discursos papais nesta questões do Oriente Médio. Nada. 

Assad: "Sou mau, mas não sou burro!"
Sic semper (evello mortem) tyrannis - "Sempre assim (seja a morte dos) com os tiranos". Diz a lenda que foi o que Brutus disse antes de matar César e o que o assassino de Lincon disse antes de o balear. Acrescentei um NEM à frase. Nem sempre a queda dos tiranos é um lucro. Curioso é este mundo que não permite verdades pretas nem brancas no tabuleiro internacional. Maquiavel, tão deplorado Maquiavel até por nós eclesiásticos, disse que era mais piedoso quem a custa de crueldade mantinha um estado pacífico do que quem deixava ele virar uma bagunça. Estas questões do Oriente Médio me fazem pensar nisto. Há quem no Iraque e no Egito deplore a perda de Saddam e Mubarak para pôr ordem no pais. Quem é mais cruel com seu povo? Um Assad da vida (afinal, a Guerra Civil Síria só existe porque alguém quer o derrubar) ou o Garantista "In Extremis" estado brasileiro que deixa a violência urbana matar mais que em Bagdá ou no Cairo por não ter pulso firme com a bandidagem? Não, não estou justificando tiranias, não! Queria sim que Hugo Chavez fosse julgado. Juro que tive de vencer a tentação de rejubilar com sua morte, confesso! E Fidel? O Tirano-Zumbi de Cuba, mercado de escravos para o Brasil, que até o Inferno rejeita, faz muito deveria ter caído. Digo isto por honestidade intelectual, para não me acusarem de rezar pela queda dos tiranos latinos mas pedir pela sua permanência no Oriente Médio. Nem falarei de Saddam Hussein, cuja derrubada militar por Bush foi execrada pelos mesmos que rejubilaram com a derrubada militar de Kadafi por Obama. Como bem ironizou Reinaldo Azevedo, parece que as bombas mandadas por Obama salvam e curam. Por isto que estes pacifistas por ai não valem um peido. Eles não execram a guerra nem amam a paz, eles amam ou odeiam é quem faz a guerra, a guerra de seus amados é justa e boa, a guerra de seus desafetos é cruel e assassina. Estão verdadeiramente cantando e andando pelas vítimas, que sempre há. Para não ir muito para trás, não lembrarei os russos que acompanharam a retirada do exército alemão da União Soviética, pobres homens tendo de escolher um mal imenso, mas ainda um mal menor na sua opinião!  E Lembro também da guerra do Vietnã... Enquanto o povo de Saigon implorava aos soldados americanos que os salvassem dos vietcongues, os zés-manés na segurança da América ficavam fazendo demagogia de "Stop War". E da vitória comuna na Guerra do Vietnã veio o Khmer Vermelho no Camboja, com mais de 2 milhões de mortos num país que é menor que o Ceará... Piedosíssimos pacifistas! Verdadeiramente anjos na terra! Mereciam ser canonizados vivos! 

Este é um artigo que termina aberto com uma interrogação. Tristes tempos que vivemos entre o Foro de São Paulo e a Irmandade Muçulmana (ou a Al-Nusra, que seja!). Tristes tempos que devemos escolher qual é a corrente que vai nos prender. Tristes tempos que dizemos que um Assad no poder é lucro. Não, Assad não é meu malvado favorito não. É o malvado menos ruim. 

Tristes tempos.  São Tiago (aquele invocado na Espanha) e São Luis (aquele das cruzadas), rogai por nós. 




Você também pode gostar

2 comentários:

  1. Frei sem sombra de duvida este é o artigo que melhor resumiu a situação atual da Síria. Estou acompanhando tudo e é difícil emitir uma opinião, pois como o senhor bem colocou "Você entendeu o xadrez, leitor? Não, nem eu."

    Acho que ninguém de nós, pobres mortais, esta entendo a gravidade da situação. Só quem esta no poder e em condições de fazer algo sabe o que efetivamente irá acontecer a cada jogada nesta complexa partida de xadrez. Os EUA estão agindo como sempre, seguindo seus instintos, querendo partir logo para a ofensiva e com as bombas resolver a merda toda, mas o que me incomoda muito a atenção é ver como a Rússia tem segurado a bronca e defendido com unhas e dentes a não intervenção militar neste conflito horrível.

    Eu sinceramente não sei em o que opinar. Se as pessoas me perguntam o que eu estou achando disso tudo, eu respondo simplesmente que não sei, porém rezo para que (para o bem ou para o mal) isso tenha logo um fim.

    FSA

    ResponderExcluir
  2. LEMBRA-SE DAS "ARMAS DE DESTRUIÇÃO EM MASSA" DE SADDAN HUSSEIN, SEU OBAMA?
    O possível pretexto de Obama para essa estranha e vacilante decisão de atacar a Síria foi a denúncia ainda sob comprovação de que o ditador Bashar al-Assad teria desferido um ataque com armas químicas contra civis.
    Ou Obama quereria ajudar implantar no poder alguma facção islamita de sua preferencia...
    A situação não está bem explicada por denuncias de os supostos ataques provirem de posições dos rebeldes que tentam derrubar Assad, também por serem ligados a grupos islâmicos.
    Aí reside o problema: se derrubarem o ditador, implantariam uma nova ditadura, mais chegada aos xiitas, ou dos terroristas da Al Qaeda, etc., ou uma teocracia islâmica como existe no Irã e tentaram implantar no Egito, vivendo num impasse interno sem precedentes, configurando-se numa guerra civil, por enquanto, de menores proporções que na Siria.
    UMA É CERTA: O QUANTO SE ODEIAM RECIPROCAMENTE OS GRUPOS ISLÂMICOS ENVOLVIDOS EM GUERRAS MORTAIS CONTINUAS - Irã x Iraque, + de 1 000 000 de mortos - NÃO ESCAPANDO OS CRISTÃOS, ODIADOS POR QUASE TODAS AS FACÇÕES, EXISTINDO APENAS ALGUNS GRUPOS MAIS TOLERANTES, COMO OS ALAWITAS DE ASSAD.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.