Respondo ao leitor: Acalma-te, Eduardo!

/
8 Comentários
"Frei, cá estou a ler seus artigos sobre o Papa, mas várias coisas me perturbam. O Papa não mencionou nada sobre o aborto e o PL 3/2013; disse uma máxima protestante sobre reforma da reforma da igreja; lançou dúvidas ao fazer declarações sobre os gays (por que gays e não homossexuais?) Estou apreensivo." Eduardo. 
*** 

O Frei responde: Acalma-te! As portas do Inferno jamais vencerão a Igreja. Se um Alexandre VI Bórgia nunca falou nada contrário à doutrina, porque falaria Francisco? 

Sobre os gays/homossexuais, ele não disse nadica de nada diferente do catecismo pode conferir. O que é pecado é o ato homossexual, o desejo homossexual repelido conscientemente é apenas uma paixão, é amoral. Se reconhecido e estimulado torna-se imoral. Portanto se uma pessoa sente atração por uma pessoa do mesmo sexo e a repele, não peca. Sofre, é verdade, porém muitos são os motivos para um homem sofrer neste mundo torto pelo pecado. Francisco falou bem, quem era ele para julgar? Afinal, isto se opera nas consciências. Não dá para carimbar na testa de todos os gays que irão para o Inferno. Eis a diferença de pedigree entre o papa e os auto-proclamados pastores. 

Quanto a máxima protestante, muita calma nesta hora. Não consegui atinar com o que exatamente você se refere, mas os protestantes as vezes dizem coisas certas, especialmente no que tem de igual à doutrina original católica. Aliás, se compararmos Martinho Lutero, o heresiarca chefe do protestantismo, com qualquer pastoreco neopentecostal brasileiro, acharemos o ex-frade um primor de ortodoxia 

Quanto a não ter dito nada sobre o aborto EM PÚBLICO, aqui vai um poeminha para você pensar: 

Durante a Segunda Guerra 
centenas de belos discursos 
eram proferidos contra os nazistas 
E seu ódio diabólico contra os judeus 
Pio XII não fez discursos 
Mas salvou centenas de judeus 
A saliva do papa venceria a Wehrmacht? 
A retórica do papa dobraria a Waffen-SS? 
Os judeus salvos estariam a salvo? 
Porque Deus não perguntará quão belamente temos falado 
Mas quão santamente temos agido. 

Ao longo da História, você verá a Igreja oprimida e de mãos atadas diante dos mais diversos governos. São Pedro, o primeiro papa, sob a opressão do próprio Nero, a besta do Apocalipse, escreveu que o cristão deveria respeitar seus governantes. Porque a Igreja é sábia além de seus componentes. A Igreja sabe que as vezes se falar de nada adianta. A Igreja prefere agir. E age, as vezes ocultamente. Por que a Santa Sé faria um ataque retórico à China, por exemplo, se isto prejudicaria os cristãos que vivem lá? Melhor continuar assim, enquanto secretamente mandam ajuda. Para que atrair a ira da SS e de Mussolini sobre o Vaticano, se Pio XII pode ter a liberdade de salvar quantos judeus pôde por meio do Vaticano?! 

O papa, contudo, é o papa. Há muitos assuntos em sua pauta. Apesar da enormidade do crime, o aborto é apenas a ponta do iceberg de uma sociedade sem Deus. Proclame Jesus como o papa fez, você degola o abortismo mais eficientemente que mil leis. E o que nós fizemos contra o aborto? Se a barca faz água, quem deverá cuidar das bombas de drenagem, o capitão ou os marinheiros? Nós, marinheiros da barca de Pedro, temos de ir aos porões e lutar contra as águas do dilúvio que querem nos submergir, o capitão está no leme, lá é seu lugar. 

Por acaso nós estamos tratando da reforma da burocracia vaticana no lugar de Francisco? Não, o papa faz isto sozinho! Então porque terceirizamos a Francisco algo que deveria também ser nossa luta? Cada um no seu quadrado. Francisco tinha responsabilidades e problemas em sua agenda que nós não conseguimos tocar nem com o dedinho. Já a luta contra o aborto também é nossa. E que palavras o papa em uma semana poderia proferir para demover um governo abortista que NÓS BRASILEIROS elegemos? Muito voto católico foi para Dilma, se não fosse ela não se elegeria. Conseguiria Francisco resolver na JMJ nossa ratada? Nós plantamos a PL03/13 nas urnas anos atrás. Como diria o profeta Baruc, cabe a vergonha a nossos chefes, sacerdotes e a todo o povo, e recebemos o castigo por nossos pecados. 

E quem disse que, como um silencioso Pio XII, Francisco não estava nos bastidores trabalhando contra o aborto?



Você também pode gostar

8 comentários:

  1. Lave a boca antes de falar dos protestantes, pois enquanto Francisco calava-se até para ironizar a opção macabra do governo abortista de Rousseff e passeava às custas de impostos extorsivos de avião Hércules, a Palavra de Deus segue fazendo o seu trabalho de impingir as maiores derrotas ao mundo desde a época da Reforma!

    Sola gratia!

    JOÃO EMILIANO MARTINS NETO

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Frei Rojão!

    ResponderExcluir
  3. SERIAM OS ELEITORES DE DILMA O PRIMEIROS A VOCIFERAREM CONTRA O PAPA?
    Seriam os insurretos - uma parte ou quase todos - que se insurgiram contra o papa Francisco de que fora omisso em relatar sobre o aborto e o gayzismo de forma contundente pertencessem a esse grupo.
    Seriam dos católicos de fachada, eleitores do PT, muito críticos, descompromissados com a Igreja, quem sabe, apenas de missa dominical e olhe lá, e não prestariam nenhum serviço efetivo à comunidade paroquial!
    Bem o sr. advertiu com o "Acalma-te, Eduardo", servindo aos eventuais destinatários do seguinte: votariam com irresponsabilidade, elegem o diabo e depois querem que apareçam as boas obras; ao se frustrarem com os abortos e gayzismos da vida graças a eles, querem acusar o papa Francisco de omisso...
    Pode?

    ResponderExcluir
  4. Acalme-se, João Emiliano Neto!
    Se o governo do PT existe - eles mesmos o admitem - é graças às centenas de comunistas sacerdotes da TL, alguns idem bispos da ala vermelha da CNBB e a milhões de alienados ou esquerdistas católicos que se aliaram aos anteriores ou deixaram se subverter pelo marxismo.
    Aliás, o número de católicos confiáveis é muito pequeno; Lc 12,32 Não tenhais medo, pequenino rebanho... A maioria se ajuntaria a uma das facções da "DITADURA DO RELATIVISMO", a qual abrange as hostes protestantes, das dezenas de milhares de seitas acusando-se mutuamente de hereges.
    O Conselho Mundial de Igrejas-CMI comandaria uma imensa rede de supostos evangélicos prestigiando comunistas, como a Aliança Batista Brasileira-ABB, considerada até mais marxista que a ala vermelha da CNBB, ligadinhos aos acima e ao "FORO DE SÃO PAULO", e à retaguarda seria a NWO.
    À atualidade, apoiando o PT temos gigantes como a IURD-PRB-Edir Macedo, Valdemiro Santiago, RR Soares, Caio Fabio, Robson Rodovalho, as forças máximas do "auê" gospel, recentemente junto ao senador Crivella visitando e aplaudindo Dilma e muitos mais, para não me estender.
    Não se esqueça de que os marxistas TAMBÉM surgiram mais profundamente dos anseios reformistas(insurrecionistas) de Lutero, das ideias ILUMINISTAS, gerando como um dos subfrutos o protestantismo, de igual forma perseguidor da Igreja de Cristo, possuindo muita sinergia com o marxismo...

    ResponderExcluir
  5. Frei, o senhor é um homem muito sábio. Ler seus escritos me faz bem.

    ResponderExcluir
  6. Roger, você é brilhante. Esta da Aliança Batista Brasileira nem conhecia. Por favor, publique alguma referencia neste sentido, quero conhecer.

    Quanto a João Emiliano Neto, uma vez o desafiei a discutir os textos de São Clemente de Roma (o quinto papa) já apontando o primado de Pedro nos primeiros anos do cristianismo. Ele se calou como um covarde. Então não dou nem mais trela para ele.

    ResponderExcluir
  7. OBRIGADO, SR FREI ROJÃO!
    Tivéssemos nós sacerdotes muitos ao menos parecidos com o sr. o Brasil seria outro, tenho absoluta certeza, além de artigos muito instrutivos, o diabo baixaria noutro centro!
    Conheço a "progressista" ABB há tempos e a conhecerá melhor no endereço abaixo:
    www.viomundo.com.br e procurando: batistas-repudiam-campanha-politico-religiosa-contra-o-PT.
    Que suporte a leitura até ao fim!

    ResponderExcluir
  8. Estanislau Tallon Bózi5 de agosto de 2013 21:44

    Excelente reflexão!

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.