"Francisco viu o Brasil sem maquiagem" ou "O que aprendi com o Papa"

/
2 Comentários
Observem esta declaração que o pontífice deu no avião de volta do Brasil (aliás, achei uma boa ideia fazer uma coletiva dentro do avião. Arriscado, é verdade.)

Rádio Vaticana - "Boa noite e muito obrigado! Esta foi uma viagem linda e me fez muito bem espiritualmente. Estou bastante cansado, mas com o coração alegre... Encontrar as pessoas faz bem, porque o Senhor trabalha em cada um de nós, trabalha em nosso coração: a sua riqueza é tão grande, que podemos receber muitas coisas boas dos outros. Esta é uma primeira coisa, deste balanço! Depois, quero dizer que a bondade do povo brasileiro é enorme! Seu coração é realmente grande! É um povo amável! Um povo que adora fazer festa! E, apesar do seu sofrimento, encontra sempre um jeitinho para ver os aspectos positivos em tudo! Enfim, é um povo alegre, apesar de sofrer tanto! A alegria dos brasileiros é contagiosa".

Um povo alegre APESAR DE SOFRER TANTO.

Apesar de sofrer tanto...
Apesar de sofrer tanto... 
Apesar de sofrer tanto... 

Não tente Dilma e o PT maquiarem o Brasil Maravilha do último decênio. Não cola. Nem para os estrangeiros.

Não terá o Foro de São Paulo seu Clemente V.

Francisco não é meu estilo, percebe-se, eheheheh. Assim como as personalidades de André, Tiago, João e Paulo eram bem diferentes da personalidade de Pedro. Se Marta era diferente de Maria e eram irmãs! Eu - meu gosto pessoal que falo francamente - queria um papa a moda Hércules, que limpasse os estábulos de Áugias, basta ver as loas que teci ao Cardeal Scherer sobre a questão da PUC. Queria um Júlio II, um Pio X. No lugar do papa não estaria dando sorrisos a Dom Raimundo Damasceno, mas olhando com feia carranca. Como São Gregório VII com o Imperador Henrique, preferia que fizesse Dilma se ajoelhar na grama pedindo perdão. Como o santo rei Asa de Judá, profanaria e queimaria os ídolos da teologia da libertação da CNBB no impuro vale do Hinon, assim como o santo rei Josias profanou o altar idólatra do bezerro de ouro de Jeroboão com ossos e impurezas. Como São Paulo, gritaria "Gálatas tolos, quem vos seduziu?". Como Bonifácio VIII, apresentaria meu pescoço à tortura antes de dar o braço a torcer para um rei Filipe Capeto. Porém quem sabe o que se passa nas conversas privadas? Nem tudo que sei posso escrever e o que não sei não é prudente especular. Não daria aulas ao arcebispo de Buenos Aires, e muito menos posso dar aulas ao bispo de Roma. Sou apenas um coríntio briguento que recebe uma bronca do papa São Clemente, talvez por não ter ouvido a bronca anterior de São Paulo. Tenho meu jeito, o papa tem o dele. Ora bolas, funcionou, não? E que funcione sempre! O papa não tem meu estilo de agir, não vou ficar como Jonas resmungando porque Nínive se arrependeu ou que a mamoneira secou.

O profeta Jonas queria que Nínive se explodisse como Sodoma para validar seus dotes proféticos, Deus preferiu receber o arrependimento dos ninivitas e deixar a cidade como estava, mesmo sob pena de futuramente duvidarem da pregação de Jonas. Como Jonas, também queria fogo, fumo e enxofre da ira divina se abatendo sobre tão maus prelados no Brasil, mas seriam estes os planos de Deus? Seria o melhor caminho? Cabe humildemente falar pouco e ouvir muito. O que aconteceu na JMJ teve o dedo de Deus, ah, teve, e uma sabedoria incomum do Espírito Santo guiou o papa naquele momento. Do seu jeito, do seu modo, no seu momento. Não há um jeito certo, mas há um jeito de abordar que num certo momento funciona. E a virtude cardeal da Prudência, meus caros, consiste na predisposição estável ao bem em escolher o melhor caminho.

Navegando entre políticos e prelados, Francisco foi simples como as pombas, mas prudente como as serpentes. 

Tenho muito a aprender com este homem. Digo humildemente, com a humildade que o Papa me ensinou com seus atos.

Muito mesmo. 



Você também pode gostar

2 comentários:

  1. Rm 11,33: Ó ABISMO DA RIQUEZA, DA SABEDORIA E DA CIENCIA DE DEUS! COMO SÃO INSONDAVEIS SEUS JUÍZOS E IMPENETRAVEIS SEUS CAMINHOS!
    Compartilho do estilo do sr. frei, procurando ser prudente para não dar bom dia a cavalo, sabendo que não enxergamos por nós mesmos um palmo adiante do nariz.
    Imaginei que o Papa Francisco, dentro de seu estilo argentino briguento, seria mais contundente apenas, e poderia ter deixado brechas para interpretações malévolas da imprensa amestrada oportunista à cata de chances para ideologizar; afinal, sobrevive de farsas, como violações e deturpações de textos para desviar as mentes do senso cristão, mas as capturar, sendo a força e vitorias das guerras midiáticas na atualidade superiores a um super exército, comprovando-as os satano-comunistas terem subvertido a muitos altos hierárquicos católicos, daí lançando muitas nações na armadilha.
    O momento é de análise e aguardar; ele não adota o estilo Bento XVI; ao menos, em principio, o S Padre não deu "deixas" para o reprovarem.

    ResponderExcluir
  2. Frei, cá estou a ler seus artigos sobre o Papa, mas várias coisas me perturbam. O Papa não mencionou nada sobre o aborto e o PL 3/2013; disse uma máxima protestante sobre reforma da reforma da igreja; lançou dúvidas ao fazer declarações sobre os gays (porque gays e não homossexuais?)
    Estou apreensivo.
    Eduardo

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.