Companhia de Jesus e JMJ: Agora vai!

/
3 Comentários

Ah, entendi qual é o problema da evangelização atual! Os jesuítas me abriram os olhos! 

Em tempos de Papa jesuíta (horresco referens) temos de enfiar a viola no saco para falar deles. Mas ao ler esta interessante notícia, como Camões, digo "Cesse tudo que a musa antiga canta, que um valor mais alto se alevanta". Ah, Inácio de Loyola, Francisco Bórgia, Roberto Belarmino, Stanislau Kostka, Francisco Xavier, Antônio Vieira, José de Anchieta, João de Breubeuf e Manuel da Nóbrega, vocês estavam enganados, meus caros, quando falavam e pregavam de Jesus Cristo! Vocês não entenderam a "complexidade do momento". Stanislau Kostka, seju jovem reacionário e sem consciência ecológica, preocupado com a castidade e as almas, você não compreendeu que "A construção do amanhã pelos jovens é a única alternativa porque a complexidade do momento de hoje é tão grande que você tem que, de fato, construir um ser humano que tenha um outro diálogo com o seu entorno" (SIC). 

Tonto foi Manuel da Nóbrega que enfrentava os índios tamoios em guerra para pregar, ele deveria era fazer baias para descarte de pilhas e baterias! Num ato falho, ao invés de escrever pilhas, escrevi pulhas. Pois é. Pulhas! Pulhas dos jesuítas antigos que não tinham consciência ecológica! Quem liga para os Sete Povos das Missões e da conversão dos pagãos quando se deve falar da reciclagem? Será que Anchieta em São Vicente procurava "construir um ser humano que tenha um outro diálogo com seu entorno" (SIC)? Acho que não. E é por isto que é santo, e os padres atuais não são! Ou melhor, Anchieta até aprendeu tupi para ter um diálogo com seu entorno, para pregar Jesus Cristo aos índios! Este sim, constrói um novo ser humano. São Francisco Xavier nas Índias ficava com este blá blá blá? Trocaria seu apostolado no Japão por um escrever um livro ou panfleto (já que sites não havia)? Ou São Francisco Bórgia, conduzindo a Companhia de Jesus no mar perigoso de reis e cortes maquiavélicas, ficava perdendo tempo com esta masturbação mental? Garanto que São Bórgia mandaria todos jesuítas do tal "Secretariado de Justiça Social e Ecologia" para o Paraguai catequisar em guarani e levar tiro de bandeirante escravizador de índio. Nada como uma flecha farpada de botocudo num traseiro ardendo de maleita para colocar a evangelização de um missionário em perspectiva. Estaria São Roberto Belarmino preocupado com a preservação do meio ambiente ou com a ortodoxia cristã?

Eis a importância da Companhia de Jesus hoje em dia. Felizes foram os Cavaleiros Templários que nunca foram recriados para não passarem esta vergonha.

E, logicamente, o problema é do CAPETAlismo, né? "uma esperança grande nos jovens mesmo com toda a sociedade capitalista, que é muito consumista e quer oferecer mais consumo para os jovens". Ah, pelas barbas do patriarca de Moscou! Felizes eram as crianças soviéticas, felizes são as crianças norte-coreanas e cubanas que não sofrem deste problema de consumismo (nem mesmo das 1800 kcal diárias de calorias necessárias, deste consumismo eles não padecem mesmo!). O grande opressor hoje em dia é o desejo do Ipad mini, não é? O camarada Kim Jong-Un sabe a resposta! O camarada zumbi Fidel Castro sabe dar esperança aos jovens!

Que me perdoe o venerabilíssimo Padre Ferro (eis um verdadeiro nome amuliano) mas se ele quer saber "como é comportamento dos jovens" (SIC) deveria ir num rodeio com Gustavo Lima, numa Applestore, numa roda de fumo ou num show de música techno, não esperar a JMJ para falar platitudes ecológicas. Está mais para padre Maria Mole que padre Ferro com este discurso... "punhético", cheio de eco-teologia da libertação. O verde é a nova cor do comunismo.

A propósito, mas que fraquinha a tal comunicação da JMJ, que solta uma nota via Radio Vaticana para anunciar um site e - cazzo - não tem o link do tal site! Ai me reclamam dos escolásticos elocubrando sobre o preenchimento de volume por anjos...

***

Rio de Janeiro (RV) - Um dos primeiros frutos das ações de legado ambiental da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Rio2013 será um site ecológico elaborado por um grupo de sacerdotes jesuítas do Secretariado de Justiça Social e Ecologia da Companhia de Jesus (SJSE), em Roma, em conjunto com estudantes e professores das Pontifícias Universidades Católicas e dos colégios jesuítas. O site promete ser um importante instrumento para a preservação da vida ambiental do planeta.

Segundo um dos idealizadores do site, o diretor do Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente (NIMA) da PUC-Rio, Luiz Felipe Guanaes, a ideia é dar subsídios a professores de faculdades e escolas jesuítas de todo o mundo para que tenham um material consistente que permita trabalhar com os jovens as questões ambientais em toda a sua amplitude e facilitar a inserção de novas ações em prol da sustentabilidade.

"Existe uma carência de conteúdos ambientais bem estruturados academicamente que também tenham uma perspectiva ética e espiritual. A construção do amanhã pelos jovens é a única alternativa porque a complexidade do momento de hoje é tão grande que você tem que, de fato, construir um ser humano que tenha um outro diálogo com o seu entorno", explicou.

A ideia da criação do site surgiu das recomendações e sugestões do documento da Igreja "Curar um mundo ferido". Foram levantadas 8 recomendações e 10 soluções por um grupo de sacerdotes jesuítas, que escreveu o documento. Entre as recomendações, está o convite às faculdades e escolas para engajar os estudantes numa educação transformadora e numa busca por novos temas e áreas de pesquisa interdisciplinar. As sugestões concretas passam por questões muito discutidas na sociedade hoje, como o uso de transporte público e de transportes que não poluam o meio ambiente, ao invés de automóvel; a reciclagem; a economia de energia; o descarte de pilhas em locais apropriados de coleta; o uso de produtos de limpeza biodegradáveis, entre outras.

Para o coordenador do setor social da Conferência de Provinciais Jesuítas da América Latina (CPAL), Padre Alfredo Ferro, as novas gerações têm maior consciência ecológica porque há um mais conhecimento do que está acontecendo no mundo com a problemática ambiental. "Há uma relação mais forte com a natureza e uma esperança grande nos jovens mesmo com toda a sociedade capitalista, que é muito consumista e quer oferecer mais consumo para os jovens", afirmou.

Ele destaca que a Jornada Mundial da Juventude, neste sentido, pode ajudar a construir uma mensagem mais ecológica e ambiental para os jovens. "Vai ter tanta gente aqui no Rio que isso vai significar uma experiência para ver como é o comportamento dos jovens", disse.

Guia ecológico da JMJ Rio2013

Todos os peregrinos e voluntários já podem ter acesso ao Guia ecológico da Jornada Mundial da Juventude Rio2013, elaborado pela Arquidiocese do Rio em parceria com a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). O download do vídeo já está disponível no site do NIMA.



Você também pode gostar

3 comentários:

  1. O tema ecologia, não deixa de ser um"rótulo"; isto é o que importa aos "modernistas". A essência? Esta não interessa. Na verdade, o essencial é um incomodo à eles.

    ResponderExcluir
  2. NEM PRECISA FAZER COMENTARIOS SOBRE O TEXTO: JÁ DIZ TUDO!
    CIRILO I, atual gerente da Igreja Ortodoxa Russa, seria o "Mikhaylov", da KGB e amicíssimo de Putin - tão ortodoxa que em nada se difere das múltis milhares das seitas protestantes - aliás, nesse outro relativista muito subdidvidido ambiente protestantizado auto denominado "ORTODOXO" nasceu o "COMUNISMO", que de comum a todos nada possui, apenas aos deuses do Estado, se não é que foi um esquema acertado nos colóquios entre Satanás e Engels/Marx para substituir a palavra "SATANISMO"...
    JÁ IA ME ESQUECENDO! As maravilhosas presenças na JMJ da carnavalesca Ivete Sangalo, do cantor dos remelexos funks Luan Santana, de muitos artistas, além de globais, também da Teologia da Libertação-TL, como Tony Ramos...
    Ainda bem que a DITADURA DO RELATIVISMO via sacerdotes e outros da TL não faltou ao evento com a missão prioritária de cuidar da "Mãe Terra"!

    ResponderExcluir
  3. Ortodoxo ao cubo, frei....

    O Bispo da diocese criou a pastoral da ecologia. Cada dia que passa as coisas parassem que apenas pioram. Eu leio o site fratesinunum e penso que eles são pessimistas, mas as vezes acho que estão corretos. Nota atras de nota mostrando os absurdos litúrgicos. Aqui o sr. também senta o porrete.

    Não que estejam errado, ao contrário - isto só mostra o sinal dos tempos: "a Igreja que sofre" não são apenas o padres, freiras e religiosos que trabalham na África. A Igreja que sofre é o slogan atual para a Igreja - se houve slogan.


    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.