Memória Histórica

/
2 Comentários
In memoriam - Pavlvs VI P.M.

Não sou de estudar parapsicologia (chamem o Quevedo) mas há quem afirme que eventos traumáticos do passado geram uma certa "corrente histórica de inconsciente" que pode perdurar séculos, como se fosse uma radiação residual no presente. Seria este o motivo do certo "clima" que locais históricos possuem. Tudo é pura especulação, contudo.

Mas ao comentar e ouvir sobre dois papas, Bento XVI e Francisco vivos, mesmo sabendo que um deles é emérito e "aposentado", veio-me um calafrio da lembrança histórica do Grande Cisma do Ocidente, quando a Igreja estava dividida entre dois papas, um em Roma, outro em Avignon, ambos escolhidos por conclaves de cardeais regulares, ambos com sua cota de santos os defendendo. O Cisma ocidental foi tão traumático que é indubitavelmente uma das causas de desgaste que precederam a impiedade da R(D)eforma Protestante

Dois papas... Confesso ter dado um certo mal estar. Sim, sei que não é um cisma. Sim, sei que a relação é complemente amistosa (ao contrário das turras entre Celestino V e Bonifácio VIII), mas enfim, bateu em mim aquela memória histórica. 

Por outro lado, fico feliz sabendo que Bento XVI, nosso amado Bento XVI, ainda vive. E que somos hoje todos filhos de Francisco, que me deixa tão saudoso de Paulo VI, meu grande pai da minha juventude e formação.

***

"Há muita gente, mesmo na Igreja, que fala da pobreza e dos pobres, arrotando teorias, soluções, idéias e mais idéias... mas que, na verdade, não fazem hoje e nunca fizeram absolutamente nada pelos pobres. Francisco I é um homem que não fala dos pobres e nem de ideologias contrárias à fé cristã. É um homem de Deus."

D. Antonio C. R. Keller, em seu blog.


Você também pode gostar

2 comentários:

  1. "dois papas, Bento XVI e Francisco vivos, mesmo sabendo que um deles é emérito e "aposentado","

    Se vestem de forma simples, como vestidos de saco em comparação aos poderosos chefes de Estado.

    Me lembram as duas testemunhas de reveladas por Nossa Senhora de La Sallete e do Apocalipse 11.

    Sobre a divergência de ser Enoch ou Moisés, bastam ler o livro bíblico de São Judas.

    Sei que os católicos não são obrigados a acreditarem em la Saletti e sei da ordem em (II Pd 1, 20) e (II Pd 3, 16), mas confio em La Saletti, a História nos mostra da luta da Santa Igreja contra o comunismo por dentro e por fora dela, desde sua revelaçao em 1846.

    ResponderExcluir
  2. Por sua moral conservadora, acredito que o Papa Francisco, com as orações de Bento XVI e dos fiéis, fará uma Reforma na Igreja Latina contaminada pelo neo-socialismo populista do século XXI onde até muitos jesuítas se envenenaram com ajuda da Teologia da Libertação.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.