O procurador Aparecido está de volta

/
2 Comentários
Reinaldo Azevedo : O procurador  Jefferson Aparecido Dias está de volta. Não sei se ele não entende mesmo o que é uma democracia ou se gosta de aparecer. Talvez as duas coisas. Volto ao assunto mais tarde. Leiam o que informa Fausto Macedo no Estadão:

O Ministério Público Federal anunciou nesta quinta-feira, 31, que recorreu da decisão judicial de primeira instância que negou a retirada de todos os símbolos religiosos de repartições públicas federais no Estado de São Paulo. O recurso foi apresentado pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão. Segundo a apelação, a ostentação dos símbolos religiosos "ofende a laicidade do Estado e atenta contra os princípios constitucionais da liberdade, da igualdade e da impessoalidade".

"O princípio da laicidade do Estado, expressamente adotado pelo Brasil, e a liberdade religiosa impõem ao Poder Público o dever de proteger todas as manifestações religiosas, sem tomar partido de nenhuma delas", defende o procurador regional dos Direitos do Cidadão, Jefferson Aparecido Dias. Para Dias, a presença de símbolos religiosos em prédios públicos "é prejudicial à noção de identidade e ao sentimento de pertencimento nacional aos cidadãos que não professam a religião a que pertencem os símbolos expostos".

Na apelação, o procurador deixa claro que respeita a opção do servidor público que manifesta sua liberdade religiosa e coloca na parede do seu espaço de trabalho um símbolo religioso. "O que não se pode admitir é que em salas destinadas ao público, como é o caso da sala de audiência ou mesmo do hall de entrada dos edifícios forenses, alguém esteja autorizado a colocar este ou aquele símbolo religioso."

A discussão sobre a retirada dos símbolos religiosos das repartições públicas federais teve início em julho de 2009, quando foi protocolada a ação. Na sentença, de novembro de 2012, a juíza federal Ana Lúcia Jordão Pezarini considerou o pedido "por demais genérico" já que "nem sequer permite discutir e avaliar quais os símbolos e a relevância de sua expressão histórico-cultural e a necessidade de sua preservação". (…)


Você também pode gostar

2 comentários:

  1. Esse procurador é um mala ... É um ídolo dos neo-ateus ... Basta olhar: http://www.facebook.com/nasp.ateismo?group_id=0
    E se diz católico ... É o Judas Iscariotes de terno e gravata ...
    Vai dar uma palestra no 2º encontro nacional de ateus:
    http://www.facebook.com/photo.php?fbid=446522465412806&set=a.417552234976496.97393.416615901736796&type=1&theater ...
    Um mala sem alça ...

    ResponderExcluir
  2. KI MANÉ ESTADO LAICO, SÔ!
    Há Estado laico quando cuida prioritariamente de gerir a máquina estatal e seus órgãos e deixa as pessoas que são religiosas se manifestarem, e mesmo assim o Estado aceita a decisão da maioria, já que diz ser representante dela.
    Caso contrário, quando o Estado quer impor normas ou leis contrárias à fé da maioria do povo que afirma representar, como impondo decisões opostas à fé religiosa da maioria - católica no caso ou mesmo protestantes em suas centenas de diferentes ramificações - como legalizando o direito de abortar, proceder à eutanásia, uniões gays, incentivo à pedofilia, indistinção sexual, etc., o Estado é ateu-militante, já não sendo mais laico como quer se apresentar; É OPRESSOR DISFARÇADO DE LAICO, ou seja, age de uma forma querendo transparecer outra, e usa a mídia para se justificar apelando para pretensa laicidade de Estado e camuflar sua ideologia marxista opressora ativista e anti Cristo.
    Deixe de lorota: É PRATICANTE DA "RELIGIÃO ATEÍSTA".
    Só isso.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.