Pecados contra Santo Oscar de Braslândia

/
2 Comentários
Um engraçadinho apareceu aqui no meu confessionário. Mesmo me arriscando à excomunhão latae sententiae, vou narrar aqui o diálogo. Na verdade, não estou excomungado porque não foi uma confissão de verdade, não havia arrependimento e foi para troçar de mim. Mas quem veio buscar lã saiu tosquiado

- Padre, eu pequei

- Qual seu pecado, filho?

- Eu fiquei com muita raiva de um padre.

- Natural...

- Como?

- Não, nada... Então, filho, a raiva é uma paixão que deve ser controlada... - e engatei a explicação sobre a amoralidade das paixões mas fui interrompido.

- Mas, frei, este padre foi muito babaca.

- O ser humano pode...

- O senhor não quer saber porque eu fiquei com raiva dele?

- Não importa o motivo 

- Mas eu vou contar.

- Tudo bem, conte se você sente a necessidade de colocar a questão diante de Deus.

- Ele falou mal de um defunto.

- Mas ele falou mentiras, ele difamou? São Pedro também falou mal do defunto Judas Iscariotes, mas era tudo verdade.

O rapaz gaguejou, mas respondeu.

- Ele falou mal do Oscar Niemeyer!

- Oh, o santo súbito brasileiro! Nem o Padre Cícero tem tanta unanimidade. Por curiosidade, quem é este padre? - afinal, tinha de conhecer quem era um dos joelhos que não havia se curvado a Baal

- O senhor!

Ele perdeu o efeito retórico. Podia ter imitado o profeta Natã: "Tu és este homem!"

- Ah, eu? - fiquei exasperado percebendo que toda aquela confissão era para fazer gracinha comigo

- Como o senhor pode falar mal do Niemeyer? Ele... - ouvi uma catilinária que certamente me abreviou alguns anos no Purgatório. O rapaz fala aos borbotões torrentes de lugar comum. Depois que estava falando já há cinco séculos (afinal, o tempo é psicológico) eu me irritei feiamente e interrompi:

- Eu não estou aqui para ouvir palhaçadas, meu jovem, tem mais gente na fila pedindo confissão!!!

- Mas esta é uma confissão! Eu estou muito bravo com o senhor por ter falado mal do Niemeyer!

- Tá tá tá, agora vai...

O rapaz falou alto e esganiçado, num tom de voz que era audível fora do confessionário, como quem procurava escândalo.

- Eu pequei e quero penitência de acordo com o Código de Direito Canônico.

- Você não sabe nada do Código Canônico muito menos do Código Civil ou do Código de Boas Maneiras! Vai procurar sua turma!

- Eu quero penitência! É meu direito de fiel! - definitivamente ele queria escândalo.

- Pare de graça!

- Eu exijo!

- Exije?!!

- Exijo!

- Então tá! Vou te dar uma penitência!

- Isso! Quantas ave-marias? Mil?

Defintivamente o rapaz nunca se confessou na vida. Onde já se viu mil ave-marias de penitência? Nem no Dom Casmurro!

- Você fará uma peregrinação...

- Pra Aparecida?

- Não. Você vai até o Memorial da América Latina, esta grande obra deste santo Oscar Niemeyer que os tolos não reconhecem a genialidade. Numa tarde de verão, após o almoço, você simplesmente vai visitar toda aquela amplitude, caminhando naquele concreto, sob o Sol. Lá, você vai ficar no mínimo quinze minutos contemplando aquela obra pública útilíssima, e pedindo perdão a Deus pelos tolos - incluindo padres - que não reconhecem a obra de um gênio.

- Mas é muito quente e vazio lá!

- As grandes obras da arquitetura dos gênios não requerem utilidade nem praticidade. Mas se for a São Paulo for complicado, você pode andar na Praça dos Três Poderes em Brasília, que é equivalente.

- Isto é uma palhaçada!

- Isto é contemplar as obras do gênio Niemeyer! A penitência foi dada. Agora reze o ato de contrição...

E o rapaz foi embora irritado sem ato sem nada. Vá plantar coquinho em Moscou! Veja se os russos trocaram o belo Kremlim por alguma estrovenga do stalinista Niemeyer!!! Poeta das curvas, é? Que defendeu que tantos fossem mortos nos porões da quadrado e barroco palácio da Lubianka, sede da KGB !!!


Você também pode gostar

2 comentários:

  1. Ah se fosse eu confessor e me aparecesse um cara desses e me dissesse ter tido raiva de mim por ter falado mal de ção Niemayer...
    Filho: é um pecado tão grave que nem tenho poderes para perdoá-lo; procure os pajés da Teologia da Libertação, de preferencia Leonardo Boff e ele o perdoará...

    ResponderExcluir
  2. Frei Clemente ! Amei ! Hurra ! Também odeio a santificação do embuste arquitetônico que é o Oscar Niemeyer . Fora a pessoa deploravelmente marxista de carteirinha , impiedoso justificador de todos os morticínios comunistas , de Lênin a Fidel . NÃO ! Não dá pra posar de bom velhinho porque morreu ! Obrigada por desconstruir esse mito !

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.