Leilão

/
3 Comentários
Para quem ainda está discutindo a menina que leiloou a virgindade que saiu pelada, copio este artigo da Folha, sobre a prostituição infantil (tá, Jean Wyllys?) de garotas miseráveis na Amazônia. 

Aviso que é artigo da Folha de São Paulo, o jornal mais miseravelmente pogreçista do Brasil. Portanto temos que o compreender o zeitgeist, o espírito do tempo, de coitadismo e indigenismo com que o texto foi escrito. Qualquer miserável pode ser aliciado, não necessariamente de uma etnia ou grupo, com diversos graus de moralidade. Aliciar uma índia menor é tão ruim quanto aliciar uma norueguesa menor. 

Por outro lado, este coitadismo deve ser visto com ressalvas. Não foram todos casos de estupro (ou estupor por ameaça), houve um consentimento. Conheço centenas de pessoas miseráveis que morrem de fome mas não vendem seu corpo, portanto não dá para associar apenas à miséria. Se toda pobre fosse uma puta, se todo pobre fosse ladrão, a convivência em sociedade seria impossível.

Ia pedir que o Padre Júlio Lancelotti também fosse lá prestar auxílio de caridade apostólica àquelas meninas e ajudasse aos poderes públicos. Mas, pensando bem, envolvendo menores, melhor nao...

Aguardo ansiosamente que o Excelentíssimo Senhor Deputado Jean Wyllys, tão atuante estas questões, manifeste-se da tribuna do egrégio plenário da Câmara. O Poder Legislativo tem também poder de polícia e tem plenas condições de investigar e dar ampla assistência ao Ministério Público e às Polícias Civil e Federal neste caso. Vamos lá, Wyllys, largua o twitter, pegue o avião para Amazônia (nós pagamos a passagem, nós sempre pagamos!) e faça algo. Os amazonenses não dispensaram a ajuda de um deputado, mesmo da bancada fluminense. 

Basta levantar o traseiro da cadeira. 

A situação das meninas indígenas exploradas sexualmente é conhecida como um caso de impunidade na isolada São Gabriel da Cachoeira (AM), na fronteira do Brasil com a Colômbia. 

Na Polícia Civil, três inquéritos foram abertos, mas nenhum dos nove suspeitos foi preso nem indiciado. 

O delegado titular da cidade, Normando da Barbosa, afirma que pediu a prisão de um suspeito, mas ele fugiu da cidade. Os demais nunca prestaram depoimento. 

Os crimes de estupro de vulnerável e exploração sexual têm penas previstas de quatro a dez anos de reclusão. 

A irmã Giustina Zanato, 63, presidente do Conselho Municipal de Defesa da Criança e do Adolescente, diz que os casos são denunciados desde 2008.

"Fomos procurar a Justiça. Lá disseram que deveríamos ficar quietinhos no nosso lugar, que isso acontecia todos os dias", afirma Giustina. 

Promotora de Justiça de São Gabriel, Christina Dolzany diz que ouviu depoimentos de dez meninas. "É uma coisa animalesca e triste, algumas delas relatam que perderam a virgindade nessa situação de exploração." 

Algumas meninas, segundo Christina, já estão recebendo assistência psicológica. O procurador federal Júlio José Araújo Junior, que atua no direito indígena, determinou a abertura de inquérito. 

"A investigação pela PF se deve muito pela insatisfação da sociedade com as investigações que não andaram [na Polícia Civil]. Os acusados são pessoas que têm certo poder dentro da cidade, o que intimida qualquer tipo de denúncia", disse o procurador. 

O delegado titular em São Gabriel atribui a morosidade da investigação à dificuldade de encontrar as garotas. "Passamos 30 dias para localizar quatro meninas. Apenas uma delas fez o exame de corpo de delito para comprovar a conjunção carnal. Assim fica difícil, elas mesmo dificultam."


Você também pode gostar

3 comentários:

  1. JEAN WYLLYS QUER PROMOVER-SE; QUEIMAR-SE NÃO!
    Seria seu ideal imiscuir-se em situações ou polêmicas geradoras de dividendos de popularidade e votos, não atuação consciente - nem entenderia disso - afinal se habilitara, foi aprovado, participou e se evidenciou às expensas de um antro de prostituição que é o BBB e similares.
    Pode um árvore ruim dar bons frutos?
    Quanto à complexa e geral prostituição infantil haveria interesses outros de autoridades nas mais diversas áreas - o que há de denuncias... - de supostas participações, acobertamento e manutenção, inclusive de beneficiarios do esquema, geridos por "terceirizados" num pacote de poder de muitos degraus ascendentes, dificilmente se chegando aos verdadeiros "proprietarios"; mesmo assim, se descobertos, seriam absolvidos pelo corporativismo, quando não absolvidos e ainda penalizando os agentes subalternos.
    "Naquele Dia" haverá muito oportunista graúdo arrependidíssimo, porém, tardiamente...

    ResponderExcluir
  2. Ah, mas como dito no texto, a cidade de São Gabriel da Cachoeira (AM) é muito isolada, a grande mídia não informa muito sobre as coisas de lá, nem ao menos desperta atenção dos progressistas dos grandes centros.
    O deputado Willys e o "padre" Lancelotti dificilmente vão dar os seus "nobres" nomes, em defesa de gente sofrida sem receber os holofotes de magnânimos.
    É melhor para um ficar no twitter digitando groselha e o outro pesquisando preços de carros de luxo para dar de presente.

    A título de curiosidade, o prefeito de tal cidade é do PC do B. Aquele grupelho de apoio ao PT. Então, sem chamar muita atenção mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Ahahahhah...por que será que sempre me preparo para o último parágrafo de textos que falam de política e sociedade? Porque é sempre ali a merda que fecha com chave de bosta! kkkkk

    Elas mesmo dificultam! Se eles têm dificuldade de tomarem o depoimento de três menores, queria ver esse delegado com fraudas tomando depoimento do Fernandinho Beiramar!

    Sai da toca, Guarda Belo! kkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.