"Cuma, Insselença?" ou "A importante e relevante atuação parlamentar do Excelentíssimo Senhor Deputado Jean Wyllys"

/
6 Comentários
Senhores... vivemos uma epoca estúpida, em que gente despreparada enxovalha os poderes da República. O Sr. Jean Wyllys, deputado eleito sem votos (vejam os numeros), está no meu radar de cidadão agora. Tenho este senhor sob escrutínio de cidadão. Assim como é o sintoma para a doença, o Sr. Wyllys ser deputado apenas é uma mostra das distorções e da degeneração moral do Brasil. Convenhamos, o Sr. Wyllys mostra-se despreparado para o cargo. Ou preparado demais para os objetivos que se propõe...

"Ah, um padre está se metendo em política" - Sim! Eu sou cidadão! Quer meu título de eleitor! E pago impostos! (A imunidade tributária religiosa é para as instituições religiosas, não para os religiosos) Quem quer me calar? Quem ousa me calar? Vá para a Córeia do Norte e China se quer calar aos bons sacerdotes!

Jean Wyllys, usando a imunidade parlamentar, para-lamentar, OFENDEU a minha religião. Cometeu crime de racismo (na forma de perseguição religiosa, segundo o entendimento do STF) e vilipêndio à religião, segundo o Código Penal. Se não fosse deputado, merecia levar o Código Penal na testa e ser convidado a se defender como réu. Se a Câmara dos Deputados tivesse um fiapo de dignidade abria um processo de cassação por quebra do decoro parlamentar. 

Ele não se meteu sobre o twitter do papa? A diferença que ninguém na Igreja católica representa ele, por ser uma instituição de filiação voluntária. Já sustentar um deputado federal com R$ 136.000/mês é compulsória. Se pudesse, deixava de sustentar ao Sr. Wyllys. Ele me representa a fórceps. E me representa mal. Representa contra meus ideais cristãos e de liberdade religiosa. Não quero ser representado por ele. Não quero contato algum com este senhor, nem tenho interesse algum com suas práticas privadas nem suas lutas públicas. Onde assino para que meu imposto não sustente seu gabinete?

Ah, imposto é compulsório e não exige contraprestação do governo. Ou seja, sou obrigado a pagar ao governo que sustente a atuação parlamentar do Sr. Wyllys. E o Sr. Wyllys, sorte dele, não tem de "sustentar" nem "participar" da Igreja. Se não gosta do que a Igreja ensina, e não gosta, ele é livre para não ter de aturá-la. Já eu tenho de aturar - e financiar - o Sr. Wyllys.

Mas, como cidadão, baseado nos princípios de transparência pública, fui atrás das intervenções do Sr. Wyllys como parlamentar. Já que tenho de pagá-lo, né, tenho de conviver com ele. Será que o Sr. Wyllys me deixaria pregar o que creio? Vamos ver a última intervenção registrada nos anais da Câmara. É pública e no link os leitores podem checar:

CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ 


Sessão: 338.2.54.O  Hora: 16:08 Fase: OD  

O SR. JEAN WYLLYS (PSOL-RJ. Pela ordem. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, questão de ordem. Nós dispensamos a leitura do relatório, mas gostaríamos que a Deputada lesse o substitutivo, sobretudo porque, durante a leitura que a Deputada fez agora, ela se referiu várias vezes à prostituição infantil, e todas as pessoas que trabalham no enfrentamento da exploração sexual de crianças e adolescentes sabem que não existe prostituição infantil, existe exploração sexual de crianças e adolescentes. A prostituição não é criminalizada no Brasil e é uma atividade feita por uma pessoa adulta e capaz que escolhe fazer isso. Então, confundir prostituição com exploração sexual é algo preocupante para outras lutas que enfrentamos aqui. Então eu gostaria que V.Exa., se pudesse, lesse o substitutivo.

A SRA. ELCIONE BARBALHO (PMDB-PA. Sem revisão da oradora.) - Deputado, muito obrigada pela colocação. Nós tivemos um dia praticamente de debates, inclusive com os técnicos do Ministério da Justiça, e foi difícil chegarmos a um consenso. Nós não poderíamos, de forma alguma, mudar o contexto, porque houve um consenso. Até mesmo o Governo não estava querendo que esse projeto chegasse à pauta.Até o substitutivo não sei se contempla, porque não o lemos, mas nós poderíamos chegar a um consenso, para haver alguma emenda, não sei. Posso até dar uma olhada aqui e dar uma lida, porque não dá, é muito número, muito projeto, muita coisa. 

O SR. JEAN WYLLYS - Obrigado, Deputada. Eu só peço uma alteração de redação, para fazermos essa distinção, que é importante.


A SRA. ELCIONE BARBALHO - Pois não. Eu concordo!
O SR. JEAN WYLLYS - A Relatora pode fazer.
A SRA. ELCIONE BARBALHO - Pois não. Fica registrada. Espere só um instantinho.
O SR. PRESIDENTE (Marco Maia) - Muito bem. Está lido o relatório, então?
A SRA. ELCIONE BARBALHO - Então, que conste essa colocação do Exmo. Sr. Deputado, para que possamos engrandecer nosso relatório.
Muito obrigada.

O SR. PRESIDENTE (Marco Maia) - Muito obrigado.

***
Que Jean Wyllys fale sobre o que quiser. Mas, como eleitor, ie, patrão de Jean Wyllys, posso julgar o mérito da relevância de suas intervenções parlamentares "para-lamentare". Jean Wyllys não falou sobre:

- O apagão elétrico (da Dilma)
- O caos aéreo (da Dilma)
- O PIB medíocre (você sabem de quem é)
- A corrupção desenfreada (não vou mais dizer que é da Dilma, porque tudo aqui é responsabilidade dela)
- A carga tributária colossal e sua reforma
- O Congresso que não vota aquilo que deve votar
- Os precatórios atrasados
- A dívida da União
- A dívida dos Estados e municípios
- A inflação que volta
- A falta de infra-estrutura
- As relações com a Venezuela acéfala
- As tungadas no Mercosul
- A posse de Genoíno, condenado como corruptor ativo
- A reforma agrária
- As reformas da Copa
- O desmatamento e a poluição
- A superlotação carcerária
- Os embargos comerciais à pecuária brasileira
- O SUS que vai que vai...
- O Bolsa-Família que cria uma legião de Estado-dependentes
- As enchentes do Rio (nota: ele é deputado do RIO!!!)
- Os tais royalties tungados do Rio (novamente: ele é deputado do RIO!!!)
- A regulamentação de qualquer coisa que falta regulamentar
- ... etc ... etc... etc...

Não! O nobre deputado estava lembrando em que prostituição não é crime! Importantíssima intervenção do nobre deputado, porque tal distinção é importante. Importante e... errada! Prostituição não é crime por absoluta impossibilidade da lei dispor sobre o corpo e da vontade da pessoa ! A lei não pode impedir dois adultos de ter relação concentida. Se outro dá "dinheiro do táxi" depois, problema deles, não há muita diferença do sexo não comercial. A proteção ao corpo raia os paroxismos que não se pode fazer revista íntima em quem visita os presos. Ou seja, as aviõeszinhas(-cargueiras) dos traficantes levam celular e drogas dentro "do porão" e o carcecereiro nem o médico podem checar. (Por outro lado, a lei pune o chefe do presídio que deixa entrar celular... ai meu Brasil). Ou seja, não se pode impedir a prostituição... o que não significa que se deva dar facilidades à prática.

MAS CAFETINAGEM É CRIME! - Façamos um paralelo: É permitido ser padeiro, mas é proibido ter padaria? É permitido ser engenheiro, mas é proibido fazer projeto de engenharia? É permitido ser político, mas é proibido ter partido político? Quer dizer que as pobres das meretrizes são as únicas que não tem direito à livre-iniciativa da associação do bordel com fins lucrativos? Só pode lupanar-ONG-cooperativa? Mulheres da vida cooperadas pode, mas ai se tiver o cafetão! Só pode prostituta "micro-empreendedora individual". Dama das Camélias MEI (Micro-Empresa Individual). La Traviata EIRELI (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada). Não pode ser sociedade de cotas nem sociedade anônima, senão prendem o diretor de operações, o proxeneta. Desculpe-me, mas legalidade (ou falta de previsão de ilegalidade) tem limite.

Antaum... vai me dizer, com todo o despudor do mundo que prostituição não é crime? E a frase dele me assusta "as lutas que temos aqui". Cuma, Insselença? É verdade que um congressista falando das camélias me parece amor filial, mas "as lutas" me assusta. Quero pensar que foi arroubo de linguajar. Não há prostituição infantil, há exploração infantil, diz ele. Ah tá... pegar um menor para trabalhar numa carvoaria também é exploração infantil mas parece a qualquer pessoa de bom senso que é muito menos ruim do que ser currado a dinheiro para os outros, ie, prostituição infantil para bom entendedor. Trabalho cansa e dilacera, mas não traumatiza tanto quanto ter sua intimidade devassada e aproveitada a ganho. Ah, Balmer, Balmer, Balmer! Com razão dissestes que, numa sociedade de relacionamentos sexuais livres de gêneros,  o objeto de desejo seriam as crianças! Assusta-me ser Wyllys que tocou neste assunto, o ponta de lança político do sindicalismo gay.

Alguém pode retrucar: "Ah, mas lá são os discursos registrados". Acho que não, tudo é registrado. Mas suponha que esteja errado, o que se registra é o relevante, não? O que se registra é o pedido, não? Se há discursos sobre as relevantes questões acima elencadas, registre-se. Como patrão, eleitor e pagador de impostos, exijo prestação de contas detalhada das atividades de meu funcionário, Sr. Wyllys.

Discutimos a relevância da atuação parlamentar do Sr. Wyllys. Hão de me retrucar que "isto é uma questão de opinião". Sim. Meu voto também é uma questão de opinião. É verdade que há temas mais relevantes que afetam às meretrizes que cobram, as que não cobram e as não-meretrizes. Ser do governo é viver na casa de vidro, não ganhar o BBB. Não quer que tenha juízos críticos de sua carreira, não seja homem público. Vamos discutir agora a assiduidade do Sr. Wyllys. O Sr. Wyllys teve uma ausência de 15% das sessões legislativas. Pode ser checado aqui. Diz a Câmara que a maioria são justificáveis. Quero que se dane as justificativas da Câmara, como eleitor e cidadão considero um absurdo que MEU EMPREGADO DEPUTADO FEDERAL tenha este absenteísmo. Deputado é pago para votar e debater. Pergunto a você leitor assalariado, se você faltasse a 15% dos dias de trabalho, você atenderia ao que teu patrão te pede? Ele ficaria feliz e satisfeito com seu desempenho?  Ou buscaria outro com menos absenteísmo?

Ah, não, não estou feliz com o Sr. Wyllys. Próxima eleição ele merece uma bela demissão. Com a palavra os eleitores fluminenses... e que nenhum Aspone acessor parlamentar venha me turrar os pacovás, sei bem a lei e a liberdade de expressão. Enquanto valer a Constituição, não escrevi nada de ilegal aqui. Não venham me ameaçando.


Você também pode gostar

6 comentários:

  1. Respostas
    1. É uma triste realidade o desserviço deste e de outros parlamentares.

      Que Deus tenha misericórdia de nós, e do mundo inteiro.

      Excluir
  2. Poderia haver no acima inserção no 3º mandamento de Lênin (dentre de 10) que diz: "divida a população em grupos antagônicos e e incite as discussões sobre assuntos sociais", e enquanto se debate isso e aquilo como o caso citado, o governo vai dominando, passando o tempo, enchendo a mais as mentes de ideologias comunistas e o povo não dá fé do mau governo que fazem - e para onde vai sendo conduzido - pois sabe os DISTRAIR com muitas opções, uma delas é Copa, esportes, BBBs da vida e outras drogas alienantes da realidade.
    Não é à toa que possuem ótimos laboratorios de engenharia social nesses intuitos.
    Como muito bem lembrou, nada procura de fato fazer pelo povo de concreto, só MEXERICARIA, e haveria por detrás disso também legalizar a profissão e arrecadar dos "clientes" visitantes dos sexshoppings alguns milhões/ano a mais, quem sabe seria bom negócio, seria o proxenetismo.
    Nem abutres para carniça seriam como comunistas por materialismo, como dinheiro!

    ResponderExcluir
  3. Concordo plenamente com suas palavras Frei.

    Interessante em ver um nobre deputado, eleito sem votos e sim por quociente eleitoral, usando todo o seu tempo e energia com projetos a toa.

    É uma vergonha, um funcionário, representante do povo (mesmo sem votos), com o dinheiro gasto pelo seu exercício, ter uma taxa de abstenção de 15%, quais são as justificativas? Ficar no twitter digitando groselha? Falando mal de um chefe de estado octogenário ou tomando um baile do Danilo Gentilli?

    Aah mas como bem dito por você Frei, que citou 24 problemas de primeira grandeza, cito ainda que o excelentíssimo deputado, não se pronunciou ou como gosta muito, tuitou, absolutamente nada sobre:
    - O alto números de homicídios no país, temos mais mortes por dia do que em guerras.
    - Nenhum pio sobre a educação que a cada ano chafurda na lama.
    - A vergonha que a é a comissão da verdade que defende e terroristas e assassinos.
    - A saúde pública pífia, onde uma pessoa gravemente enferma, em uma grande capital se vê em situação complicada, mas se for em uma cidade pequena, ai é melhor pedir a um pároco que dê a extrema unção.

    Não, quanto a isso tudo o nobre deputado não se manifesta e muito menos da chiliques no twitter.

    ResponderExcluir
  4. Seguindo seu exemplo frei, fui a so site da câmara dos deputados, para ver se nosso empregado está pelo menos tentando algo, mas para surpresa, constatei que ele é bem consciênte e já propôs alguns Projetos de Lei (PL). Muito importantes, sabe-se lá pra quem, mas para o país é que não é mesmo, peço desculpas por encher aqui, mas só pra citar:

    - PL-4916/2012
    Preferência às empresas que tenham programas pró-equidade de gênero, identidade de gênero, orientação sexual e/ou raça/etnia
    - PL-4211/2012
    Regulamenta a atividade dos profissionais do sexo

    Ou seja, estamos desperdiçando dinheiro mesmo...

    ResponderExcluir
  5. Esse cara deve estar é querendo se reeleger e fazendo o que funciona muito em política: populismo, no caso com seus adeptos do gayzimo: ele quer subir na vida, seria muito ambicioso e todo sujeito ligado a gays, como sabemos, o que mais gosta seria de apareçer em qualquer lugar, dos tais fale bem ou mal mas fale de mim, é como se fosse um ópio para eles e seria para compensar tal deficiencia de serem diferente.
    Mas não há dúvidas, sr frei que querem é alienar a sociedade e ao mesmo tempo enchê-la de ideologias comunistas, disso não duvido, para alienar e dominar e dividir as pessoas umas contra as outras.
    Onde comunistas enfiam as patas dá nisso.
    Mas quem vota neles também leva seu quinhão nessa trapalhada toda.
    Como o país progride com uns deputados deses, né?

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.