Ressignificando Mariana

/
1 Comentários
    Eu vou pra ver Mariana,
    Mariana sorrir e dançar
    Mariana brincando na vida, to correndo pra lá
    E vou levando a sanfona, mode a gente cantar
    Ei garota, pirritota, Mariana, Mariana
    Ei garota, pirritota, Mariana, Mariana

    Música "Mariana", Luiz Gonzaga


Há algo que me incomoda nesta discussão toda sobre o "Deus seja louvado" nas notas. É que está sobrando bordoada na pobre Mariana. É verdade que o símbolo desta bela mulher de barrete frígio, simbolizando os escravos libertos, teve origens no sangue da Revolução Francesa e não é isento de influências originais maçônicas. Porém também nós temos que fazer um pouco de ressignificância. Mariana é a República em alegoria. E a República é tão boa quanto o que fazemos dela.

Vejam as nossas cores da bandeira, Verde e Amarelo. Ressignificância, "Verde das matas, amarelo das riquezas". Nada disso! Verde da Casa de Bragança, Amarelo da casa de Habsburgo! Ninguém vai admitir que as cores verde e amarela, combinação única no mundo (só emulado pelo verde e laranja irlandês) que todos se vestem feitos imbecis durante os jogos da Copa eram respectivamente cores de casas reais européias. 


No Parlamento Suíço, Berna-CH

E não necessariamente Mariana é totalmente baseada na Revolução Francesa. A Confederação Helvética, a República suíça, alguns séculos anterior à Francesa, é representada por uma mulher desde priscas eras. Mesmo a República Romana, e Roma em si, é uma mulher nas moedas.  Até nos posters da URSS stalinista a Pátria é representada como uma severa mulher. Ou seja, associar governos, especialmente carentes de símbolos como as Repúblicas (as monarquias tem a face do governante e o brasão da casa real) com mulheres alegóricas é razoavelmente comum. E mil vezes a face de mármore de Mariana que o acidente visual que são as armas da República.

Outra coisa que se esquecem, as notas de real vieram de uma tradição de hiperinflação do Cruzado/Cruzeiro que praticamente esgotou as figuras históricas. Lamento que Machado de Assis, JK e Rio Branco queimaram as caras em notas que perderam o valor. Mariana está firme e forte! Faltam rostos! Querem o quê nas notas, o Lula?

Um terceiro motivo, e para mim é o mais forte, do qual gosto de ver Mariana nas notas de real é a passagem do tributo a César. A face na moeda é do emitente. Na época, César. Agora, a República. Que é Mariana. E dêem a Mariana o que é de Mariana.

Deus seja louvado!


Você também pode gostar

Um comentário:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.