A Mariana o que é de Mariana, e ao Ministério Público as tarefas que cabem ao Ministério Público

/
3 Comentários

Os herodianos e petistas se aproximam para tentar Jesus
- Diga-nos, Mestre, é lícito ou não pagar tributo ao governo?
- Mostre-me a cédula de real - responde Jesus
Uma nota de dois reais é mostrada a Jesus
- Quem está nesta nota?
- É Mariana, a República do Brasil
- Pois então deem a Mariana o que é de Mariana e a Deus o que é de Deus!

A moeda tem dois lados, cara e coroa. Ambas denominações remetem à epoca do predomínio das monarquias. Desde tempos imemoriais, a "cara" é do emissor. Sendo assim, as moedas de libra têm a cara de Elisabeth II. As moedas imperiais têm a cara de D. Pedro II. As moedas do Império Romano tem a cara do César da vez.

O que gerou um certo problema para as Repúblicas. No passado até a República Romana cunhava moedas com a cara falando de vitórias do consul, ou Júpiter Óptimo Máximo. As moedas de Atenas tinham a coruja, símbolo de Minerva, sua divindade tutelar. As Repúblicas modernas não se podem dar ao luxo de ter os deuses tutelares na cara, afinal são laicas para a sorte dos deuses, digo com ironia, que não se envolvem. Para resolver a questão, colocam ou figuras histórias ou Mariana.

Mariana é a alegoria da República. Trocando em miúdos, é a mulher que está nas notas de real. De onde veio Mariana? Da República Francesa.  E por que Mariana? Porque era um nome razoavelmente plebeu, Maria e Ana.  Os brasileiros adoravam copiar os franceses. E Mariana veio ser a República do Brasil.


Mafra-Pt, da rainha Mariana, que não era nada republicana
Ai que está a graça. Em francês, Mariana podia ser um nome plebeu. Mas em português é um nome bem real. Mariana era D. Maria Ana de Aústria, Maria Ana de Habsburgo, Arquiduquesa da Aústria, filha do Sacro Imperador Germânico Leopoldo I, irmão de José I e Carlos VI !!! Mariana era rainha esposa de D. João V, o maior e mais rico rei de Portugal, aquele rei que mandou erigir como promessa pelo nascimento da filha o formidável complexo do Palácio-Igreja-Convento de Mafra, tão caluniado pela hipocrisia comunista de Saramago. E tal era real o nome de Mariana que a primeira capital das Minas Gerais, e primeiro arcebispado brasileiro, a vila de Ribeirão do Carmo, mudou seu nome para Mariana, nome que persiste até hoje.

Ou seja, a República do Brasil tem como alegoria o nome de uma rainha, filha e irmã de imperadores de casa antiquíssima como os Habsburgo. A nota de real é de Mariana. Dêem a Mariana o que é de Mariana, por falta de César. Deus proteja a Mariana, e nos proteja de Mariana também! Mariana é voraz em sua carga tributária. Aquela carinha fofa é magra de ruim, Mariana tem fome de dinheiro. D. João V não se esmerou mais que Mariana se esmera em tributar o Brasil.

O procurador Aparecido, que Reinaldo Azevedo já apontou por diversas vezes como constante perseguidor da manifestação religiosa, quer tirar "Deus seja louvado" das notas. Reprovo a atitude porque é uma falsa compreensão de laicidade. A laicidade protege as manifestações religiosas, não reprime.

Porém aqui entre nós, acho que merecia tirar o "Deus seja louvado" do dinheiro mesmo. Não por estes motivos. Não cabe lá. Dêem a Mariana o que é de Mariana e a Deus o que é de Deus. Nem é preocupação com a religião, é zelo do santo nome de Deus. A bem da verdade, a expressão Deus é tão anódina que é difícil ver nela o Senhor dos Exércitos, Pai de Jesus Cristo, Criador do Céu e da Terra. Se está lá "Deus seja louvado", por tradição, que fique.  

Que o procurador ocioso veja fracassar suas pretensões mesmo. Devem ter se esgotado todas as ações penais a iniciar em São Paulo pelo Ministério Público Federal, todos os bandidos estão com os devidos processos penais andando, né? Todos os índios já foram representados pelo MP, né? (Porque Mariana deu ao MP a tarefa de proteger os índios no lugar dos jesuítas do passado). Todos interesses coletivos e difusos já foram tratados, não é? Bom, se o procurador Aparecido (nome é destino?) ficou sem trabalho em São Paulo, por ser do MP federal, ele poderia ir a Brasília ajudar ao Procurador-Geral Roberto Gurgel prender mensaleiros. Recentemente o MP encerrou a investigação de enriquecimento do Lulinha. Talvez o procurador Aparecido pudesse revisitar o processo, e investigar mais. Não falta trabalho ao MP para o procurado Aparecido. Não faltam bandidos para o MP caçar, não cassar a Deus das notas.

Vocês são jovens e não se lembram, mas quando nas cédulas de cruzado, a época da hiperinflação, surgiu o "Deus seja louvado" muitos acusavam esta frase de estar provocando a inflação, já que "dinheiro é do Diabo!"


Você também pode gostar

3 comentários:

  1. Creio que a expressão "Deus seja louvado" deva sair mesmo. A mais adequada para o atual momento é "Deus nos acuda!"

    ResponderExcluir
  2. Se O Senhor Deus não pode ficar lá então vou sugerir:
    1º Os eleitores alienados, ateus e materialistas que se deixaram levar pelas mentiras e lábias do PT; bastariam os números deles ou
    2º Lula
    3º Maluf
    4ª Dilma
    5º Sarney
    7º Collor
    8º Zé Dirceu
    9º Falcão
    10º Lewandsk

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.