Quero que mude para não mudar

/
2 Comentários
A trincheira da fé

Não há absolutamente NADA de errado com a doutrina católica. Há de errado conosco que não a aplicamos, que não a ouvimos.

Cristo disse que não veio para abolir a Lei e os Profetas, mas para lhes dar pleno cumprimento. Só isto já decapita qualquer tentativa de ser "Revolucionário", que acenar com um novo porvir feito pelo homem mudando tudo. Mudando nada! O Evangelho é a continuação da Lei Mosaica, tiveram o mesmo autor, e aquela prepara esta. O que aquela era restrita a um povo, esta é para todos os povos. Não cairá um i ou um j da Lei, disse o Senhor. E não caiu mesmo. 

Muito pelo contrário, Cristo foi além e foi mais ainda no espírito deuteronômico, proibindo de vez o divórcio, ampliando o mandato do amai uns aos outros, o perdão se fazendo não sete, mas setenta vezes sete. Não só não caiu o pingo do i da Lei, como o divino autor com sua caneta aparece que o reforçou mais ainda. As condenações mais graves aos religiosos daquela época era que não ouviam a Abrãao nem Moisés, que havia visto a época de Cristo e dado testemunho da sua vinda. Cristo não foi um revolucionário. Foi um rabino judeu muito do ortodoxo e conservador, mais que os líderes da sua época.

Três são os livros veterotestamentários mais citados pelo novo testamento: Isaías, Salmos e Deuteronômio. Isaías pela sua extensão literal e profética. Os Salmos porque eram o grande livro de orações de Israel. O Deuteronômio era parte da Torah, a Lei, era o Sermão de Moisés repetindo o Código da Aliança e pedindo fidelidade a Israel. Daí o nome Deutero (segunda) Nômio (Lei) já que os dez mandamentos são replicados, desde sua outorgação inicial no Êxodo.

Ou seja, Cristo era um grandessíssimo de um judeu conservador. Ultra-conservador, eu diria. O que é uma consequência natural, porque sendo o Messias, o Verbo, era o dono do judaísmo, era quem ditou o judaísmo a Moisés. E sendo descendente de Davi, tinha não só o poder divino como o Deus de Abrãao, Isaac e Jacó, mas até mesmo um certo poder temporal sobre Israel por ser um dos herdeiros da casa real como homem. Jesus Cristo, herdeiro dos reis de Jerusalém, e grande legislador da Aliança do Sinai, só poderia não querer que não caísse um i ou j da escritura israelítica. E o Evangelho é apenas a extensão natural, e ampliada - agora para todos os povos e com o sacrifício definitivo pelo pecado - de tudo aquilo.

Do Antigo ao Novo Testamento: Conservador que era, conservador que Jesus Cristo é. Conservador que deixou aos Apóstolos a incumbência de replicarem seus ensinamentos, sob ação do Espírito Santo. Estes Apóstolos são o núcleo da Igreja Católica e Apostólica, estes apóstolos tem em Pedro e seus sucessores a autoridade, que o próprio Cristo deu as chaves do reino dos céus. Não concorda? Não reclame comigo, reclame com Jesus Cristo que deu o poder aos papas. Erga as mãos aos céus e reclame dos papas, dos 267 papas, reclame que as chaves do reinos dos céus não estão em mãos mais hábeis, as suas, por exemplo...

Sendo discípulo de um Jesus em nada revolucionário, conservador até a medula, conservador daquilo que ensinou, como posso assumir na Igreja uma atitude "revolucionária"??? Só se for para estragar o ensinamento de Jesus Cristo. E isto não admitirei. Nem Deus. Parem de dizer que a doutrina Igreja precisa mudar. Sim, a Igreja precisa mudar, a Igreja que somos nós, batizados, precisa ter menos pecados e mais graça. Quer mudar a Igreja, tijolo vivo?  Mude a si mesmo para melhor, esta mudança Jesus Cristo aprova!  Porém quer mudar a doutrina católica, sinto muito. O pacote é fechado. Pegar ou largar. Recebemos "de porteira fechada" de Jesus Cristo. 

Logicamente, se você se sentir muito muito muito incomodado, você tem plenas condições, de acordo com o Direito Constitucional, o Direito Canônico e a Lei Natural, de sair da Igreja católica. A Lei de Deus e a lei dos homens deixam a porta da rua sempre aberta. Não mudaremos para agradar sua opinião. Crescemos por agregação de pessoas, não adaptação a pessoas.




Você também pode gostar

2 comentários:

  1. Teófilo dos Pampas7 de setembro de 2012 00:16

    Caros Freis!
    De pleno acordo. Tal evidência coloca a turma da "ateologia da libertinagem", digo, "teologia da libertação" na categoria dos "desconstrutores da Igreja", em verdade, fantasmas marxistas travestidos de religiosos, com o objetivo de detonar a Igreja de Cristo! Fora com eles, falsos freis, falsos padres e falsos religiosos e frustrados de toda ordem! Os católicos têm sido muito condescendentes com essa classe de demônios!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo texto Frei.
    De fato, revolução não combina com Catolicismo. Essa ideia até nos contaminou por um tempo, mas, com a graça de Deus e com a ajuda de milhares de sites e blogs na internet (como este), estamos REagindo.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.