História: O erro de Malenkov

/
0 Comentários

A verdade é bela... sacaram?!
História... falarei um pouco de História. Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo pela História de Israel e da Igreja, que sempre sustentou. A História é tão importante que um terço da Bíblia, de Josué a Macabeus, é dedicada a simplesmente com História. Se os evangélicos e protestantes soubessem História, tornariam-se católicos no ato, pedindo perdão a Deus por todas as asneiras que falam contra a Igreja de Cristo. Alguém vai me jogar na cara: "Conheço História e sei do que os papas fizeram na Idade Média". Ah, sabe mesmo, cara-pálida??? Eu contra-argumento que para uma ruindade de um Estevão VI em 897 é necessário ter existido em 897!!! Quinhentos anos antes da R(D)eforma Protestante!!! 

Quinhentos anos antes do Descobrimento do Brasil! Novecentos anos antes das denominações batistas tradicionais! Novecentos e poucos anos antes dos erros escatológicos adventistas! Mil anos antes da Proclamação da República! Mil e cinquenta anos antes do suavíssimo Código Penal brasileiro! Mil e cem anos antes do Protocolo de Kyoto! Quem atacar a Igreja por 897 tem de prestar contas a Deus porque viveu com o paradoxo lógico de aceitar com uma crença que não existia em 897... e, consequentemente, nem em 697, 497, 297, 97 e - mais importante - 33 dC. 

Um pouco de contexto: "Outro dia mesmo (Dilma) achou por bem responder às críticas do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso à “herança pesada” legada por Lula no terreno dos costumes e o fez já no limiar do aceitável. Defendeu os governos de seu partido ─ o que é justo ─, mas o timbre da Presidência da República na nota de desagravo a colocou em dissonância com a majestade do cargo." por Dora Kramer, no Estado de São Paulo de 11 de setembro.

Neste 6 de dezembro nossa "presidenta" Jezabel foi mostrar na TV que mais uma vez ainda não entendeu a diferença entre Partido e Estado, que ela - a presidente da República - é apenas uma peça na engrenagem. Falou sua cota de asneiras. O Primeiro-Ministro de Luis XIII, o Cardeal Mazarino, disse que para um homem de Estado, falar asneiras é mais perigoso que fazer asneiras. Mazarino era um ultrapassado homem do Antigo Regime. Hoje em dia, na nossa iluminada República, falar e fazer besteiras dão em nada. Tinha um ministro se preocupar com o que dizia nos corredores dos Palácios do Louvre e de Versalhes, no Planalto e no Alvorada o festival de besteiras pode correr solto - Viva a República Federativa do Brasil!!! Porque sou injusto com os palácios brasilienses? A besteira é dia em rede de TV nacional! 

O grande problema da mentalidade comunista é que não entendem a diferença entre Estado e Partido. Não vou entrar no mérito na diferença entre Estado e Governo, os petistas também não entendem, haja visto o frangalho que fazem na política externa. 

Quem não entendeu - e tinha tudo para entender - esta diferença foi Malenkov. Quem entendeu foi Kruschev. 

O leitor já sabe que sou um entusiasta dos estudos da História soviética. Natural! A Ex-URSS foi a Galileia do marxismo, onde o verbo de Marx se encarnou na velha e piedosa Rússia. Se as pessoas realmente soubessem o que se passou na Ex-URSS, os campos de prisioneiros do Gulag, a deportação de milhões, o fuzilamento de milhares, a propaganda ateia, a destruição de igrejas, a miséria total, a burocracia estatal riquíssima, parariam de dar ouvidos a estes erros. Marxismo, positivismo e malthusianismo são erros infelizmente persistentes e influentes.

Stálin morreu dia 5 de março de 1953, deixando a URSS praticamente sem sucessão. De todos os potentados do segundo escalão, Béria, Malenkov e Kruschev formaram um triunvirato sucessório prático no Politburo e Conselho de Ministros. Mikoyan e Molotov estavam enfraquecidos demais para buscar o poder, o próprio Stálin tinha os enfraquecidos e pretendia os eliminar. O que acontece com um triunvirato? Dois se aliam contra um, e torna-se duunvirato. Assim como Otávio e Antônio se uniram contra Lépido, Kruschev e Malenkov se uniram contra Béria. Afinal, Béria era o chefe da KGB (o nome era diferente, era o NKVD/MDV) e tinha nas costas todo o ódio da repressão stalinista, o Gulag. Numa divisão intestina dos orgãos de repressão, Abakumov queria seu cargo, Stalin já estava trabalhando para o eliminar (como a seus predecessores, Iagoda e Iezov) e, a bem da verdade, Béria queria fazer reformas pré-perestroika. Irônico: Você pode ser um genocida, criminoso, estuprador, tarado por poder mas isto não te nega visão dos tempos. Béria sabia que a Ex-URSS nao duraria muito tempo no stalinismo, mérito dele. Era um homem mau, mas era um homem inteligente. Muito provavelmente, por ser o gestor da máquina de moer gente soviética, Béria sabia que ela seria insustentável.

Mas é mais fácil prever o destino que evitá-lo, dizia Plutarco. Kruschev e Malenkov, que assinaram muitas ordens de expurgos stalinistas jogaram os milhões de cadáveres no quintal de Béria e lavaram as mãos. Kruschev atacou Béria, que pediu apoio a Malenkov. Este o traiu, Béria foi preso e justiçado. Foi a ultima morte política de figurão de segundo escalão soviétco. Tudo pelas mãos bondosas de Kruschev, que na nossa História, passa-se como um bom comunista, ainda que quase tenha levado o mundo à Guerra Nuclear e tenha tentado retomar a dureza do Gulag em seus ultimos anos. Sim, quem era mau era Béria, diz a História soviética. E ai de quem fosse chamado de "berista" por lá. Kruschev e Malenkov sairam puros como aspergidos pelo sangue do cordeiro pascal e pela água lustral...

Stálin tinha tanto poder que até ao partido comunista tripudiava. Portanto nos seus últimos anos acumulou cargos de Estado, não no partido. Isto passou uma falsa imagem que o Estado Soviético era maior que o partido comunista soviético. Na verdade, o Czar vermelho era tão poderoso por si que até plantando bananeira sem cargos era ele que mandava. E este foi o erro de Malenkov. Malenkov achou que o Estado estava maior que o partido (não que não fosse um comunista ortodoxíssimo). 

Daí Malenkov foi Presidente do Conselho de Ministros. E Kruschev foi Secretário do Comitê Central do Partido Comunista da Ex-URSS. Até o ocidente se deixou enganar achando que Malenkov era o sucessor de Stálin. Não compreenderam o comunismo. O Partido é mais que o Estado. Um ano depois era Kruschev quem liderava a União Soviética. Não que Malenkov tivesse sido deposto, de jeito nenhum, estava firme e forte. É que é simplesmente maior o Partido que o Estado, é mais forte o Secretario do Partido que o Presidente do Conselho de Ministros. Como se chegava ao poder na Ex-URSS? Chefiando o PC soviético. Simples assim. O Czar Vermelho chegou ao poder sendo secretário-geral do PC, o presidente Kalinin era apenas uma figura representativa. Tanto que Stalin prendeu a mulher de Kalinin e ficou por isto mesmo. Não só Kalinin, até do premiê Molotov e do seu secretário-particular Proskiobichev. Loucura? Esta loucura é o comunismo!

Portanto, meus caros, não se deixem enganar. Nesta forja o PT foi forjado. Eles não compreendem o que é Estado Brasileiro nem o Governo (que é uma parte do Estado). Para os petistas, importa o partido. E tudo trabalha pelo partido. Não é o partido que trabalha no Governo pelo Estado, é o Estado da República Federativa do Brasil com seu governo, com a União, com seus três poderes que deve trabalhar para o engrandecimento do PT. Dai entendem os esbravejamentos contra o Judiciário, que em parte resiste. Daí os esbravejamentos contra a Imprensa, que em parte resiste. Dai os esbravejamentos contra a Oposição que... quase não existe. Dai os esbravejamentos contra os cristãos, que em parte resistem. Aprendam, brasileiros, com o erro de Malenkov. Dilma enxovalhou a instituição da Presidência da República porque é petista, não poderia agir diferente.

E lá no passado, quando lerem de algum papa Bórgia, Médici ou Borghese que usou do papado para engrandecer sua família há mais de quatro séculos atrás, de preferência quando um esquerdopata ou petista quererem apontar seu dedo hipócrita contra a Santa Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, lembrem-se de Dilma e suas batatadas... no último feriado!

Para terminar este trecho com uma lição de esperança, ou talvez de ironia histórica, algumas curiosidades de como terminaram nossos personagens. Anos depois, Kruschev perdeu o posto para Brejnev numa votação do partido. Em suas memórias, ele diz ironicamente que talvez seu grande mérito tenha sido que na Ex-URSS fosse finalmente possível conspirar no partido para efetivamente depor o chefe, se fosse Stálin todos estariam mortos e fuzilados. Quanto a Malenkov, perdeu mais e mais poder e voltou a ser um burocrata de segundo e terceiro escalão, mas ainda vivendo melhor que 99,999% dos seus compatriotas. Diz sua filha que nos últimos anos reconciliou-se com Deus e virou um católico russo piedosíssimo, Deus sabe a extensão de seus crimes e seu arrependimento. Quanto a Dilma... que o Altíssimo não se esqueça do que ela fez e ela defende, que Deus a retribua de acordo com a sua Justiça. Esperamos a sentença. 



Você também pode gostar

Nenhum comentário:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.