Ode a Agosto, mês do desgosto... ops, mês vocacional !!!

/
1 Comentários

Minha musa teológica ficou inflamada
Feito carismatico em "missa de libertação"
Pede um versinho, ou alguma gracinha
Será que algum salmo já surgiu
Do dedilhar ocioso de Davi na lira
Enquanto Micol reclamava ou Betsabá se banhava?
Ou seu filho Salomão de mil concubinas
Rimava alguma estrofe para os Cânticos
Enquanto despia uma beldade de seu harém
Moça da qual nem se lembra o nome (eram tantas!!)
E ainda diz que é vaidade das vaidades!
Perdoe-me o leitor por estes descuidados versos
Vivemos a época de versos livres
E teologia mais livre ainda.


Chega agosto, mês do desgosto,
Mês vocacional! Ai meu Jesus!
Enchem-se as paróquias de campanhas
"Já pensou em ser padre? Já pensou em ser padre?"
Sim, há que se pensar um mês
Para pagar o ter esquecido outros onze.
Então para padres se fazem campanhas
Como o o exército pede o alistamento na TV???
"Jovem, você com mais de dezoito anos..."
Assim também nas Igrejas se faz
Agosto, mês vocacional
(Que chegue logo setembro da Bíblia
Para esta ser levada ao altar
De preferência num sambinha...)

Padres não surgem com campanhas
Padres surgem com famílias grandes e paróquias santas
Padres não são safras nem safrinhas
Padres são plantar o ano todos
E fertilizar toda a vida
Satanás não cessa de cuidar de seu joio
E nós só lembramos do trigo do trigo... em agosto!
Enquanto o jovem vocacionado
Ouve porcaria o ano inteiro:

Para quê, para quê, pensa o jovem
Em se dedicar o fardo da Igreja
Se vê seu pároco relapso
Sua missa de qualquer jeito
O velho bispo omisso
E tudo entregue aos leigos?
Para quê, enfim, para quê
Se todas as religiões são iguais
(assim ele entendeu, e entendeu errado)
Se todos os caminhos levam a Deus
(assim ele entendeu, e entendeu errado
Porque não ensinamos direito!)
Para quê, ora bolas, para quê
Se mais se evangeliza com a música
É a guitarra quem leva o povo ao choro
Com músicas roubadas dos neopentecostais
O padre é um mero coadjuvante sem graça
Do grupo de música tão estrela!

Para quê, para quê se matar num celibato
Se evitar fornicar já é um esforço
Se do outro lado da rua, logo ali,
O pastor viver rico e cheio de mulheres
E ainda nos chama de idólatras,
Seguidores do Anticristo e pagãos!!!
Talvez o Jesus dele queira mesmo
Encher de grana e poder seus fiéís
Enquanto o nosso, o nosso...
O nosso, o nosso Jesus que nos fundou...
Se não foi apresentado até hoje na liturgia
Não será reconhecido pelo coração do jovem

"Ser padre para quê?"
Mata-se logo a vocação nos primórdios
E poderia haver um agosto de sessenta dias
Que não pagaria o relaxo dos outros meses
Porque padres não se conseguem com campanhas
Consegue-se com Igreja santa e ortodoxa
Que não perde tempo com políticagem
Nem submarxismo, nem neopentecostalismo
Nem pastorais da juventude de eficácia duvidosa
Que mais adulam os aborrecentes que lhes ensinam!

Neste cruzamento profano de Juvenal com Agostinho
Em versos ruins vão minha amargura e meu desgosto
Deus abençoe os bons seminaristas
Onde quer que estejam! Em qualquer lugar!
Eles existem, sim, pela promessa de Cristo
Porque confio em Cristo, e só nEle
Não nos nossos recrutadores e formadores
Nem no nosso exemplo para atrair os jovens!
Aha, quem duvidou que a Igreja católica
Fosse a Igreja verdadeira errou feio!
Eis que ela existe e resiste pelo Espírito Santo
Porque se não fosse pelo Paráclito sustentando
Já teríamos acabado com a Igreja faz tempo!!!



Você também pode gostar

Um comentário:

  1. Teófilo dos Pampas7 de agosto de 2012 12:04

    Prezados Freis!

    Embora nascido em família católica, fiz clara opção aos 25 anos, depois de peregrinar com a mente e o coração, concluindo ser o Catolicismo a (melhor) religião. Isso faz 38 anos!
    O que falta na prática diuturna de muitos de nossos sacerdotes e religiosos é simplesmente a, como diríamos?, promoção da espiritualidade, assim entendida a vivência e o ensinamento da meditação e da transcendência aos fiéis, quer dizer, a prática das coisas do espírito, que nos torna afáveis ao recebimento do Espírito Santo, pelo qual tudo se revela. Quem busca a religiosidade tem sede dessa transcendência à Sabedoria. Áridos de espiritualidade e voltados ao materialismo, muitos sacerdotes e religiosos vivem intensamente a idéia de que Cristo veio, como uma espécie de "secretário especial de ação social", para livrar as criaturas humanas de suas misérias materiais. Então, se tornam materialistas. Foi assim que surgiu e se desenvolveu a famigerada "teologia da libertação", que hoje seduz muitos dementes (insensatos). A espiritualidade fica então atrelada ao materialismo, ganhando feição de uma "escatologia fantasiosa", onde o importante é agradar mais aos homens do que a DEUS e onde DEUS não passa de uma idéia instrumental concebida com o único escopo de fazer progredir materialmente a espécie humana. Isso também caracteriza as seitas e pseudo-religiões ditas Pentecostais e Neopentecostais, que apresentam DEUS como uma espécie de "gerentão" dos destinos humanos a quem a criatura, com a Bíblia entendida como "código do consumidor" à mão, vai reclamar do produto recebido (sua vida), não raro exigindo providências imediatas da Gerência ou implorando humildemente a troca do produto, oferecendo em contrapartida sua freqüência ao templo da seita e correspondente pagamento do dízimo (que eles, muito mais do que nós, efetuam "religiosamente"). Em verdade, a concepção de DEUS é idêntica para tais áridos sacerdotes, religiosos, missionários, pastores, presbíteros etc. etc. Esse deus deles é um deus materialista. O que difere é como "ele" é apresentado: aqui, um deus para quem ser miserável é virtude e vocação, porque "DEUS fez e faz uma clara opção pelos pobres..." Lá, um deus da opulência, que não quer ninguém pobre e onde deve-se buscar forças e uma "ajudinha" para ajuntar riquezas e "encher o celeiro". Quer dizer, tudo a serviço do materialismo dos homens. Quer dizer, o que menos interessa a tais "religiões" é que acabem as misérias do mundo, porque, resolvido o problema não há razão delas existirem, não é mesmo? É a isso que nos conduz a idiotia dessas concepções!
    Para essa gente, o ensinamento de JESUS de que, para resolver nossos problemas e dificuldades materiais, primeiro devemos buscar o Reino de DEUS (quer dizer, viver em comunhão com DEUS e Sua Criação), simplesmente inexiste!
    "Buscai o Reino de DEUS e tudo o mais ser-lhes-á acrescentado."
    A eles cabe bem a advertência de CRISTO:
    "Em verdade vos digo que as prostitutas e os malfeitores vos precedem no Reino dos Céus!"
    E pode-se ainda acrescentar o que foi dito aos fariseus:
    "Precedem a vós, que tendo a chave do Reino, não entraram e impediram que outros entrassem."
    Voltando ao teor do comento, diante deste quadro apocalítico e trágico de anticristianismo, como animar um jovem, uma jovem, que deseja vivenciar a espiritualidade e aperfeiçoar-se na caminhada, a ingressar e dedicar-se à Igreja, quando lá é onde raramente encontra promotores da espiritualidade?
    É muito difícil! Mas, o Espírito Santo nos conduz! Por isto, ICAR é imbatível.
    Oremos em agradecimento e para fortaleza dos bons sacerdotes, dos bons religiosos, oremos pelo surgimento de vocações decididas e comprometamo-nos nós a contribuir com a mudança desse quadro, a fim de oferecer à verdadeira Igreja e aos jovens essa alternativa de vida consagrada.
    A Paz seja conosco!

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.