Nós, cristãos, quem mesmo??? ou "Um reino dividido não subsiste"

/
7 Comentários
Aos corajosos missionários cristãos brasileiros
 que só só conseguem converter quem já é cristão,
 vai minha humilde sugestão:
 Já aprendam em que direção fica Mecca...
será útil para o futuro de seus netos...
Nosso Senhor Jesus Cristo disse que um reino dividido não subsiste. Mais claro que isto, nem uma lâmpada de 1000 Watts, nem um Sol. A grande chaga do Cristianismo são os cismas e heresias. São velhos feito os quatro evangelhos, mas estão ai. Há uma força centrífuga diabólica separando os cristãos do seio da Igreja católica, enquanto há uma força centrípeta do Espírito Santo os reunindo novamente com Roma.

Com os números do IBGE, os tais "evangélicos" estão se achando A FORÇA. Clap, Clap, Clap. Palmas. Ai falam dos "cristãos", neste momento unem os católicos a seus números. Neste momento lembro das palavras de Aquiles na Ilíada, uma aula de realismo político: "O que tem a se aliar o leão e a ovelha?" (boa frase, já que leão e ovelha são ambos símbolos da inconografia cristã).

Os evangélicos cresceram capturando "fiéis" da Igreja católica, para a maior ira e tristeza de Jesus Cristo. Converter cristãos ao cristianismo, batizar batizados é bem fácil, né? Não é mérito deles, mas culpa nossa, dos pastores católicos, que abandonamos o rebanho para os mercenários. Eles agora até desejam se aliar conosco, para ter mais musculatura política, mas arreganham os dentes para roubar mais e mais católicos do rebanho. Nós cristãos quem, cára-pálida? Como pastor, tenho guerra eterna com quem vem roubar minhas ovelhas! Os bispos do Brasil deveriam lavar a boca antes de falar dos ensinamentos do Concílio Vaticano II, estamos dois concílios atrasados. Deveríamos aplicar é o ensinamento do CONCÍLIO DE TRENTO aqui!

E evangélicos quem? Para um Silas Malafaia que podemos ter uma justa admiração (o homem é bom em sua pregação contra a Gaystapo, tenho que admitir), há um Edir Macedo para usar o Eclesiastes para justificar o aborto. Sem contar o RR Soares, os casal episcopal Hernandez, o cismático Waldomiro (Cismático em relação à igreja macediana). E qual outro varejão de igrejolas sem fundamento, que nascem e morrem como erva do campo que o Sol seca, e seus fiéis trocam de denominação com a facilidade de quem troca de cueca. Se quiser falar aos católicos, ligo para o bispo local. Se eu quiser falar aos evangélicos eu ligo para quem? Já sei! Vou ligar para o Pastor João, da Igreja Invisível, da sensacional música de Raul Seixas: "Eu não sei se é o Céu ou Inferno, qual dos dois você vai ter de encarar..."

Lá na Nigéria, fanáticos muçulmanos explodem ecumenicamente católicos e protestantes. Este é um belo caso para se estudar nos encontros ecumênicos, não? Enquanto nos degladiamos, os islâmicos nos explodem. Aliás, isto não é novidade, no século II os montanistas disputavam com os católicos quem tinha mais mártires nas unhas dos romanos. Estudar a História da Igreja é não ficar surpreso com nada. O clero católico orientava os fiéis a não se martirizarem a toa. Já os montanistas praticamente se entregavam aos perseguidores para fazer marketing para a heresia. Dureza. Ser comida de leões e ainda ir pro Inferno...

Duas mensagens, portanto:

Primeira mensagem, calma com o andor que o santo é de barro (que ditado admiravelmente católico! Andor é onde alguma imagem é carreganda nas procissões. Se andar muito rapido com o andor, o santo cai e quebra). Aha, os evangélicos serão maioria? Já são. A população catolicamente ativa deve rodar em torno de 5-10%. Mas maioria sem unidade? Uma coisa é ouvir Malafaia, outra coisa é ouvir Macedo, e quem achar que eles são iguais, é porque não entendeu a ambos. Portanto maioria o quê? E maioria pra quê? Lembro de algo que pode levar ao descrédito: Dos deputados da bancada evangélica, a maioria é ficha-suja e estão envolvidos em grossas maracutaias, ou, no mínimo, fecham o olho para as maracutais que vêem em volta. Ou seja, mais tiram o crédito da mensagem cristã. Vociferam contra o pecado do aborto, mas não contra o pecado do roubo. Sinto muito, mas atrapalham a causa. Cristo disse com todas as letras que os fariseus que faziam longas orações mas roubavam viúvas seriam punidos. Corrupção é roubar viúvas. 

Dou graças a Deus que não há bancada católica no Congresso, nessa sujeira não estamos envolvidos. Sem contar os problemas policias das igrejas dos Macedos e Hernandez com recursos não contabilizados, e o enriquecimento de seus membros. Sem contar o uso político da igreja, no qual Macedo é mestre. Ou seja, envolvimento com o poder corrupto e corrupção de lideranças. Não é isso que acusavam a Igreja católica na Idade Média e no Renascimento? Crescer para ficar onde estávamos há quinhentos anos atrás? Não, não é assim que se atingirá a maioria. É assim que se atingirá o descrédito. Sabemos por experiência.

E nem falei do curandeirismo e charlatanismo que a internet está coalhada de exemplos registrados. Veja o blog do Padre Bento Niltro-Glicério que coleciona estes episódios prosaicos. Querem ser maioria assim? Não, nós católicos não crescemos lá no século II na base do curandeirismo, foi na base do MARTÍRIO mesmo.

Segunda mensagem, a Igreja católica sempre volta mais forte. Nada fundiu mais o catolicismo que a R(D)eforma Protestante. Há um século antes da reforma, a Igreja estava dividida entre dois papas e era uma católico contra o outro. Veio a Reforma, a disciplina e a unidade que imperou no seio do catolicismo é admirável, nunca mais houve antipapas e única heresia formal surgida, o jansenismo, nem se compara com as do passado. A Reforma fracassou. Pretendia modificar o Cristianismo, não conseguiu nem na Europa. Pegou a Holanda, mas a Bélgica resistiu católica. Pegou o Norte da Alemanha, mas o sul resistiu católico, ao ponto de nos dar um papa. Pegou a Inglaterra, mas a Irlanda resistiu católica. Pegou a Escandinávia, mas a Polônia e a Lituânia resistiram católicas. O leste europeu com suas igrejas católicas nacionais (vindas do cisma oriental) nem deram ouvidos à Reforma. Até a Suíça, berço de dois dos três heresiarcas da reforma (Zwinglio de Zurich e Calvino de Genebra) tem maioria católica, diversos cantões permaneceram firmemente católicos como Lucern e St. Gallen, e a guarda suíça papal não sente falta de candidatos. Sem contar que a evangelização católica teve um impulso, as Américas foram catequisadas, a África, Índia, Japão, China, Indonésia tiveram suas igrejas fundadas. 

Até os EUA, formado na própria perseguição de protestantes por protestantes, já é o maior país católico do mundo. A Igreja católica é protegida de Jesus Cristo, é sua noiva, é a pupila de seu olho, é seu corpo. Sempre que a Igreja apanha, é como massa de pão, cresce mais. Portanto, caríssimos evangélicos do "seremos maioria" batam bastante em nós. Vocês estão nos galvanizando em aderência a nossa fé católica.

E não se esqueçam daquela pomba que pousou e ficou sobre o caixão de D. Eugênio Sales... sinais dos tempos! Vocês não conhecem os evangelhos? Ou vão dizer que é do Diabo, como acusavam os fariseus a Cristo de ser do Diabo?

Vocês não conhecem a História? Que Igreja é esta que resiste a tudo e a todos? É óbvio que a Igreja católica é a verdadeira Igreja de Jesus Cristo, é necessária muita ignorância da História e desconhecimento da Bíblia para negar. Não sobreviveria se não fosse a Igreja de Cristo. E quantos de vocês, que agora andam com Jesus na boca se dizendo "ex-católicos", conheciam a doutrina quando - supostamente - eram católicos? Quantos iam na missa? Quantos era assíduos na eucaristia? Quantos era devotos do terço diário? Quantos se confessavam? Quantos liam a Bíblia? Nunca foram católicos! Vocês nunca foram católicos! Católico de verdade nunca abandona a Igreja. Para que sair do banquete do cordeiro para ir ao McDonnalds das seitas neopentecostais? As ovelhas que pegaram não eram do nosso rebanho, eram ovelhas já perdidas (mea culpa para clérigos e leigos católicos). Para qualquer acusação que se faça contra a Igreja há uma resposta da Bíblia a defendendo. Quem tem verdadeiro compromisso com Jesus Cristo, estuda, converte-se e pede perdão a Deus por sua ignorância.

E enquanto no Brasil estes corajosos "missionários" muito corajosos mesmo de converter "cristãos ao cristianismo" (assim é fácil!) estão batendo no peito, os muçulmanos são maioria no mundo. Vão pregar na Arábia! Vão pregar na China! Vão pregar na Ìndia! Vão pregar na Nigéria! O governo comunista da China prende católicos e protestantes. Os terroristas muçulmanos explodem católicos e protestantes na Nigéria. Os carniceiros hindus queimam igrejas de católicos e protestantes na Índia. É mole? Vão nesta de "seremos maioria"... vamos terminar todos cantando "Allah hu akbar" em nossos minaretes.

"Um reino dividido não subsiste" disse Nosso Senhor Jesus Cristo. A mensagem à "futura maioria" é bem clara. Quem realmente ama, ouve e entende Jesus Cristo ouve esta mensagem e procura se reunir com sua Igreja, para que todos sejam um, como Jesus e o Pai são um. Converter cristãos ao cristianismo é fácil. Quero ver cumprir o mandato de Jesus de fazer todos os povos seus discípulos, e se embrenhar nas selvas e sertões para batizar como os jesuítas de outrora. Vamos lá, corajosos missionários que só atacam o rebanho católico! Não sejam despretensiosos! Não queriam transformar o Brasil já cristão em pais de maioria "evangélica". Transformem a Árabia Saudita e a China em países de maioria evangélica... ai sim, ai sim! Ai sim veremos se é verdadeiramente Jesus Cristo a quem seguem, ai veremos se é o Espírito Santo que vos impele...



Você também pode gostar

7 comentários:

  1. Prezado e respeitado Frei, boa noite.

    Lendo o seu artigo, e sendo um cristão protestante e de tradição reformada, concordo que o evangelicalismo no Brasil, principalmente os das massas, vai de mau a pior. Eu mesmo, protesto quando sou comparado a um, e imediatamente esclareço, as premissas e consequências de ser um protestante reformado, o qual se opõe ao evangelicalismo.

    Quanto ao seu afã, de que todo o mundo seja romanizado, entendo que este, é o verdadeiro cristianismo e que somente assim, será legitimado um aumento de cristãos; Eu não me oponho, inclusive, se precisar de apoio, tem o meu.

    Mas achei interessante sua menção a respeito dos cristãos na Nigéria. Pois se há um cristianismo autêntico, acredito que ele está ali, como em várias outras partes do mundo, como Bangladesh, Brunei, Laos, Mianmar, Vietnã, Paquistão, Argélia ou Coréia do Norte. Onde os cristãos são cruelmente assassinados e os seus inimigos poucos se importam se são católicos ou protestantes. O importante para eles (Islã, Budismo ou Induísmo) é devastar a Igreja Cristã e todo o cristianismo da face da terra, se fora possível, não importando sua filiação.

    Interessante notar nos relatos desses cristãos, o forte sentimento de unidade que há no cristianismo desses países, pois eles entendem que enfrentam um inimigo comum. Não sei se é devido a situação hostil em que vivem, mas também nesses países, não há relato de loucuras e escândalos vistos no cristianismo no Brasil, por exemplo. Talvez, também por isso, sempre apreciei o cristianismo destes países como autênticos, ou seja, conformados plenamente com Cristo e seu evangelho.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Excelente texto, realmente excelente. Vou relê-lo mais vezes, vou decorá-lo. E rezar à Virgem Maria por esses idiotas em especial; e por todos os outros idiotas de sempre.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Frei. Excelente texto.

    Compartilho da idéia que essa força e união evangélica são falsas.

    Verdade mesmo é o crescente interesse de muitos católicos pela história da Igreja e por Sua Doutrina. Aqui em Recife temos muitos Católicos verdadeiramente unidos a Roma.

    Dominus Vobiscum!

    ResponderExcluir
  4. ISSO NÃO PODEM SALVAR-SE AQUELES SABENDO QUE A IGREJA CATÓLICA... Catecismo Católico, n° 846
    A Igreja não perde fiéis, mas de quem se diz católico, de falsos membros, desconhecedores dela e sua fundamentação teológica, de Jesus, Ele mesmo, veja Cl 1, 18; Cl 1,22, Ef 1.22-23 e 1 Cor 12.,12+ etc., cujo número confiável, sabedor do porque de ser pertencer à Igreja é muito baixo. A prova disso que tantas injustiças grassam e há muita participação de supostos católicos, inclusive aliando-se a seitas, espiritismo nas mais diversas manifestações, maçonaria, partidos socialistas e comunistas e à herética Teologia da Libertação e a outras graves incompatibilidades na fé da Igreja tradicional.
    Quanto ao crescimento supostamente evangélico é muito relativo; subdividem-se em milhares de seitas, sem contar as não denominacionais, onde nelas cada um interpreta como quer ou convém a Bíblia; até a homilia do pastor é submetida a crivo pessoal, sujeita à aprovação ou não individual. Há as aceitando batismo de crianças, outras não; a Eucaristia em algumas é símbolo, a outras Presença Real e milhares de paradoxos e acusam-se mutuamente de heresias!

    Quase todas têem cultos semelhantes a centros espíritas: gritaria, rodopios, expulsão de supostos maus espíritos e pessoas em aparentes transes... Afinal, que evangélicos dissensos são esses? Antes, não eram católicos de fato; agora uma porção de desagregados, reunidos fisicamente em facções contrastantes entre si, cada vez mais em quantidade aumentando, porém, em Mt 12,25 ...reinos divididos contra si mesmos...", não passando de massa religiosa disforme, ultra relativista servindo-se em um restaurante self-service doutrinário, com cardápio à escolha de cada grupo ou cliente...

    Interessante: tanto na Igreja ou doutro lado são os mesmos, migrando de seita em seita, sempre se batizando - um pastor de uma igreja não confia no outro - à procura de uma "igreja boa, mais ideal". Há as aprovando aborto, outras ordenação feminina, outras homosexualismo, outras adultério, um "self service" doutrinário à escolha do cliente. E ao sairem para doutrinar, cada qual ensina a seu modo pessoal: uma imensa babel doutrinária, tudo dentro do mais absoluto relativismo bíblico-hermenêutico! Que qualidade e vantagem há nisso?
    Convém possuir apenas 1 amigo confiável ou nenhum; descartam-se 100 aparentando-o; aliás, certos supostos católicos da Igreja, por sinal, por serem infiéis, indesejosos de mudarem-se, talvez o lugar ideal seja-lhes nas seitas; sentir-se-ão à vontade nessas ideologias religiosas apropriadas às suas mentalidade pessoais e do respectivo grupo; aliás, assim como aí permanecer ou montar outra seita para si dá no mesmo.

    Que vantagem há na atual massa católica descompromissada com a Igreja se elegem presidente e representantes nos poderes a pessoas e partidos anti Cristo e à Igreja, implantando com seu aval leis anticristãs, inclusive homicidas, como aborto, outras adultério, outras homossexualismo, desagregadores da família com os kits gays da vida para na época certa dominar os idiotas domesticados, etc., idem, os adeptos da sectária Teologia da Libertação que é a prática da fé católica sob a ótica marxista e outras abominações anti cristãs?

    E pior: após o poder centrar-se em socialistas-comunistas ateus e materialistas eleitos por católicos(?) dá nisso: subvertem a fé cristã com a ajuda de membros apostasiados, assim como toda a sociedade, convertendo tudo em diversificada heterogeneidade ideológico-cristãs, esoterismoss das várias tendências e nuances etc., facilitando a implantação do reino da injustiça, com o aval dos de atitudes alienadas à fé.
    1 Jo 2,19: Eles saíram de entre nós, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido dos nossos teriam permanecido conosco.
    Veja no "You Tube" pastores famosos evangélicos como "se amam" em recíprocas acusações nas diversas modalidades, inclusive de pertença formal à maçonaria... E a heresia de famoso pastor V Santiago: "cruz é sinônimo de maldição, palhaçada"...

    ResponderExcluir
  5. Eu lhe indico o site portas abertas e conheça a igreja perseguida.

    ResponderExcluir
  6. Eu lhe indico o site portas abertas e conheça a igreja perseguida.

    ResponderExcluir
  7. O Site Portas Abertas indica onde cristãos são perseguidos sim. Entretanto, a "evangelização" protestante não é feita com tanta ousadia em países muçulmanos, na China etc, como é feita na América Latina. A intenção dos evangélicos não é diminuir o número de espíritas, de ateus e membros de outras religiões, mas sim o número de católicos, ou "idólatras", como dizem! Mas o texto do frei Rojão confortou meu coração. Deus abe o que fazer com sua Igreja, mas é preciso que o clero acorde perante tanto roubo de fiéis! Isso não pode continuar assim! Rezo para que Deus intervenha pois se for para depender dos bispos defensores dos "pobres, excluídos, oprimidos e marginalizados"...

    ResponderExcluir