Vós sois o sal da terra

/
5 Comentários
Houve um mini-retiro dos padres diocesanos de Anhangá-Açú. Coisa de uma manhã.

Sou religioso, mas a paróquia de São Corbiniano de Chartres está sob a batuta da Ordem Amuliana, então este pároco aqui participa. Os outros padres aqui me odeiam de coração, meu apelido entre eles é “O peido”, ironia com meu sobrenome, porque é mal eu chegar e todas as rodinhas se desfazem. Mas tem de me agüentar. Um dia conto por quê.

Meu principal desafeto aqui na diocese é o Padre Hedger, Vigário Episcopal da Zona Leste, que é laxista, maçon, sodomita e marxista. Para mim, ser marxista é o pior. E há ainda o Diácono João Bengas, que vai na mesma direção, mas costuma se posicionar a frente e de gatinhos diante de Hedger, se vocês me entendem.

Tem também o padre Antônio Vieira, que se borra todo de medo de mim. O nome é famoso, mas ele é apenas o jovem e fraquíssimo pároco da Santa Cruz, paróquia vizinha... e tem o azar de ter o fardo de ser oficialmente meu substituto em São Corbiniano. E ele sabe que depois de toda missa que ele celebra na minha igreja recebo um minucioso relatório de todos os vícios e erros litúrgicos que ele comete. Ele já vem tremendo. Para mim ele faz bem em ser pároco da Santa Cruz, ouvir suas missas é verdadeiramente estar no Calvário – na cruz, não aos pés dela como deveria ser.

Quanto ao nosso bispo, D. Tersites Wilson Câmara Marques de Montfort, o que direi? É uma mistura de água sanitária com D. Pedro Casaldáglia e D. Paulo Evaristo Arns – ambos do rego para baixo. É que abaixo da cintura do lado das costas está o órgão com que o episcopado brasileiro mais se manifesta. Eu digo na cara de Sua Excelência Reverendíssima que ele é um rematado idiota mitrado e ele se põe a rir. Eu não entendo... Este ano, se vocês se lembram, ele me castigou me mandando escrever os textos da Campanha da Fraternidade, e o micro da casa paroquial até queimou de raiva.

Enfim, D. Tersites nos enfiou todos no mini-retiro. Há uma certa conspiração de sortear quem faz o quê nas tarefas da casa. Não sei que Belzebub fez com que meu nome saísse para a cozinha, enquanto Hedger cuidava das meditações. Fiquei feliz em ficar na cozinha. A diferença de enfiar facas em cebolas e em Hedger é que nas cebolas eu choro de verdade.

Santa Teresinha disse que se se fritasse um ovo com amor, poderíamos nos santificar. Santo Antônio foi durante muito tempo cozinheiro dos franciscanos, inspirado por tão sábia história, cozinhei loucamente. E não dei muita pelota para as meditações. Fiquei com meus caldos meditando no versículo “Vós sois o sal da terra”.

Soube que Hedger fez uma violenta peroração contra “os padres radicais que não compreendiam a necessidade de uma abordagem neutra e desapaixonada da conjuntura da Igreja frente ao mundo para uma melhor absorção da mensagem”. Blá, blá, blá, malvado Frei Rojão. Se D. Tersites fosse um líder, colocaria a nós dois na chincha, mas não é. Então tome escaramuças verbais.

Chegou o almoço e pus a comida na mesa. Dei uma bela atrasada, mas as terrinas de feijão, as panelas de carne, as travessas de arroz fumegavam convidativas. Santo Antônio não faria melhor.

Todos atacaram e começaram a comer, mas cuspiam enojados depois da primeira garfada. Eu não pus um pingo de sal nem tempero na comida toda! Nem um dente de alho, nem um teco de toicinho, nem um grão de sal. Reclamaram nada cristãmente, e eu me defendi:

- Esta é uma abordagem neutra e desapaixonada da conjuntura da comida frente aos vossos estômagos para uma melhor digestão dos nutrientes. Agora tratem de comer vossas próprias homilias, e não desperdicem porque é pecado. Vós sois o sal da terra.

Ninguém comeu. É bom que façam uma mortificação mesmo. Jejum faz bem.

Deu trabalho, mas fiz quentinhas com as sobras e mandei entregarem nos asilos.

Só D. Tersites gostou do almoço, porque disse que faria bem para sua pressão alta.


Você também pode gostar

5 comentários:

  1. "Deu trabalho, mas fiz quentinhas com as sobras e mandei entregarem nos asilos"

    Não faças mais isso, frei. Podes ser processado por causar "males digestivos" nos asilados. E com certeza perderás a causa :S

    ResponderExcluir
  2. comida sem sal é igual a homilia do clero sem santidade

    ResponderExcluir
  3. Aahaha muito boa essa Frei!

    ResponderExcluir
  4. Quase me esborrachei de tanto rir! O senhor é demais! Quem dera todo padre tivesse a sua coragem e ousadia!

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.