Quantas toneladas de merenda???

/
0 Comentários
Pelos chifres exegéticos de Moisés!!! O Salvador é Omnipotente. Exceto na capacidade de mover a dureza do coração humano. Assim lamentou por Cafarnaum, que não se converteu com os milagres que dobrariam a transviada Sodoma (ie, homossexual mesmo). Assim condenou os mestres da Lei, que examinavam as escrituras mas delas não tiravam proveito. Assim, na cruz, dos dois ladrões, apenas um se arrependeu e ganhou o céu. Nosso Senhor a poucos convencia, muitos eram chamados, poucos eram escolhidos, das sementes que lançava, apenas uma parte caia em terra boa.

Por que digo isto?

Nunca recebi tantas críticas quanto no post sobre as interpretações do Pentecostes. E cito aquilo que julgo a segunda distorção mais daninha que ouço dos evangelhos, que Cristo não multiplicou os pães, mas fez um discurso tão tocante que a multidão dividiu a comida que trazia consigo.

Isto é ridículo! Se a multidão tivesse merenda (supostamente cada um trazia a sua bem escondidinha, ô povo precavido!) os apóstolos não teriam se queixado que nem uma pequena fortuna compraria comida. Nem Santo André teria apontado o garoto com cinco pães e dois peixes, se apontou é porque era especial. Bastava dizerem: "Hora do almoço, sentem-se ai e comam do seu". Suponha que só alguns tivessem trazido em excesso e um sermão de Cristo tivesse os tocado a dividir... convenhamos, como exposto no primeiro parágrafo, seriam poucos a serem tocados para dividir. Se conhecemos os homens, praticamente seria um sermão inteiro dedicado à caridade e a divisão, sabemos como os homens são duros de coração.

Será, homens de pouca fé, que o verdadeiro Deus e verdadeiro homem teria dificuldade de criar pão e peixes? Por que distorcem a razão negando um milagre de Cristo, aliás o único milagre a se repetir nos quatro evangelhos. É claríssima a ligação Eucarística da multiplicação dos pães, tanto que São João o conclui com o discurso do Pão da Vida, Jesus verdadeiramente doará sua carne como pão - literal, não metafórico. Nas mãos do sacerdote, na santa missa, o que era pão não mais é o pão, é verdadeiro Cristo, o pão da Vida. "Este é meu corpo!"

E que no Corpus Christi vindouro - feriado que os inimigos de Cristo no Congresso tanto querem remover - proclamemos, povo de Deus, povo católico, a multiplicação do Pão da Vida, este milagre diário que assombra os homens e testemunha a benignidade de Deus. É Cristo que dá sua carne como verdadeiro alimento, é a multiplicação dos pães que os falsos religiosos querem negar.







Você também pode gostar

Nenhum comentário:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.