O incrível retorno do Frei Rojão

/
3 Comentários
Demerval Bagres:

A quaresma em nossa paróquia foi a mais sofrida de todas. Sem nosso pároco, Frei Clemente Rojão, da Ordem Amuliana da Antiga Observância, o D. Tersites, nosso amado bispo mais alinhado com a diocese de S. Félix do Araguaia que a de Roma, nomeou os párocos diocesanos para dizerem as missas. Os padres falam em "celebrar" missa. Preferiria que antes "dissessem". Porque na verdade o que fazem é "espetacularizar" a missa.


Observem D. Áurea de blusa rosa , aquela do jumentinho, morrendo de raiva porque neste Domingo de Ramos ainda ninguém ouviu sua idéia genial. D. Gertrudes, nossa coordenadora de catequese, dorme gostosamente em primeiro plano.

Domingo, missa das nove, missa de Páscoa, missa supostamente solene. Era o celebrante o jovem padre Vieira, jovem, bonitão, com cabelos mais negros que a asa da graúna, porque tinha sido ordenado há menos de dois anos. O sobrenome dele era Vieira, mas a oratória não era de Vieira, porque fez um sermão sofrível comparando a Ressurreição de Cristo aos projetos de reflorestamento da Mata Atlântica - padre diocesano que se preze tem de falar do tema da Campanha da Fraternidade, né? Nem que seja a fórceps.  

Eu estava lá meio deprimido oficiando ao lado do altar. Finalmente, após terminarmos a Ave-Maria final, o padre Vieira (que ironia!) pediu que batessemos palmas ao Cristo ressuscitado. Foi quando ouvi do fundo da igreja aquela voz forte que tanta saudade tinha:

- Vá bater palmas para Herodes Agripa no colo do capeta!

Era o Frei Rojão. Vestia um hábito monástico preto surrado com capuz baixado que o fazia parecer um beneditino. A igreja toda se levantou para o receber e ele passou a distribuir cotoveladas no povo:

- Para os bancos, para os bancos! Vocês estão na missa! Para os bancos, respeito na casa do Senhor.

O padre Vieira desceu do altar para o receber, estava meio que assustado. Quando o Frei se aproximou, disparou:

- Onde já se viu o sacerdote sair do presbitério? A missa já acabou? Não. Então dê a benção e pare de enrolar.

Notei que debaixo do capuz o Frei estava careca! Careca! E manchas vermelhas na sua face, os olhos meio amarelados. O Frei veio do meu lado junto ao altar, sempre com o capuz baixado. Algo grave o abrigava àquela atitude no presbitério. O padre Vieira meio estupefato deu a benção final. Assim que terminou, o Frei me pegou pelo braço e me empurrou para a sacristia. Tentei quebrar o gelo:

- Frei, o senhor careca está parecendo o Lima Duarte.

- Ahaha, muito engraçadinho.

E virou-se para o povo:

- Estou muito cansado de viagem, mas não posso receber o povo. Agradeço aos meus irmãos sacerdotes celebrarem na minha ausência. Há muito que se fazer. Até...

Enquanto fechava a porta da sacristia, não resisti e comentei:

- Acho que o senhor estragou o final da missa

- Por quê, você queria bater palmas ao Cristo Ressuscitado, Demerval?

- Ehehehe.... O Cardeal M. lhe escreveu. Será algo grave?

- Ah, sei... é que lhe devo vinte euros que peguei emprestado. Deve estar cobrando.

- Mas afinal, frei, o que aconteceu com o senhor?

- Demerval, Deus quis me dar uma grande quaresma, para provar que velhos servos não podem receber grandes provações. Achei que seria desta vez que o Senhor pediria contas da minha administração. Mas ele resolveu me dar mais um tempo para ainda fazer render o um talento que me emprestou.  Prepare-se para ouvir uma história assombrosa...

E ficou quase até agora a me colocar a par do que aconteceu. Agora está dormindo. O padre Vieria voltou há pouco para celebrar a missa da noite, mas eu não estou escalado para ser assistente. Acho que ele não vai mais falar da Mata Atlântica nem pedir palmas...


Você também pode gostar

3 comentários:

  1. Aeee, frei Rojão!!! Feliz retorno. E aproveite pra trocar essa "12" da foto por uma M249, rsrsrsrs Muito mais, digamos, "eficiente" :))

    ResponderExcluir
  2. Não diga asneiras, Fr. Rojão... senão vc vai acabar se transformando num simples traque...
    Essa história de que padre secular é que é problema na Igreja e de que os religiosos não o são (está subtendido isso em seu relato...) é conversa pra boi dormir. Vc não conhece os franciscanos, redentoristas, dehonianos, carlistas, palotinos, jesuítas (Compañia de Jesus? Jesus, que Compañia...). Sua ausência tirou-lhe a lucidez? por favor...

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.