São Miguel não passa de um alienado fideísta

/
31 Comentários
Desobedecer o papa pode ser lícito se o Papa através do mau uso de seu livre arbítrio nos ordenar algo contra a Fé. Quem obedece nesse caso é um alienado fideísta. - Esse Rojão é um modernista.

Frei Rojão responde

D-E- J-E-I-T-O- N-E-N-H-U-M!!!

Que papa, cara pálida? Alexandre VI Bórgia nos mandando envenenar um desafeto? Mas ai não seria um ensinamento contra a fé, mas um pecado contra o mandamento. Pois o papa pode ter todos os pecados do mundo, mas nunca ensinar contra a fé. Todos papas são pecadores,  mas nenhum é herege. O Espírito Santo não deixa. E ponto final. 

E o que é "contra a fé" ? É você quem decide? NEM DEBAIXO DE PANCADA EU ACEITO ISTO! Colocou-se mais alto que o papa??? Imagine a cena: "Sinto muito, Bento XVI, mas você está ensinando contra a fé católica" a frase pressupõe um prosseguimento lógico subentendido: "a qual eu sou o fiel depositário"

O papa não ensina nada contra a fé. Infalibilidade papal, meu caro.  E também nunca  erra  o colégio dos bispos em comunhão com ele quando num concílio ecumênico corretamente convocado tem seus decretos e constituições aprovados por um papa. Aquilo que eventualmente não for correto não recebeu a chancela do papa. O que recebeu sua assinatura, é também dele, o papa literalmente assinou embaixo. Logo, está sob a infalibilidade papal. É difícil de entender ou preciso desenhar?

Para ser católico pensando que o sucessor de Pedro pode errar e ensinar bobagem é melhor não ser.  Pra que ser??? Ou por que ser???

Alienado fideísta. Provavelmente o Diabo acusa São Miguel disto.





Você também pode gostar

31 comentários:

  1. Se eu fosse espírita ou ubandista, falaria que "baixou o São Bernardo no Frei Rojão". Como sou católico, falo apenas que o Frei Clemente matou a pau e se inspirou no grande santo.

    Tenho certeza que ele daria uma resposta bem parecida, principalmente a primeira frase.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas EU SOU, e baixou mesmo, adorei, heheheh!

      Excluir
    2. Eu sou umbandista, e pergunto: será que quem baixou não foi Santo Antônio?

      Excluir
  2. Calma, Frei... Sua pressão precisa se manter em 12x8, pois soube de fontes seguras que o senhor tem hipertensão... Cuidado...

    Eu iria brincar e perguntar se o senhor é sedevacantista, mas nem vou.

    Pergunto: qual a sua opinião acerca do Concílio Vaticano II?

    ResponderExcluir
  3. Acho que se alguém mais disser "sedevacantista" neste blogue, o frei capa. Tipo Analista de Bagé.

    ResponderExcluir
  4. "O que recebeu sua assinatura, é também dele, o papa literalmente assinou embaixo. Logo, está sob a infalibilidade papal. É difícil de entender ou preciso desenhar?"

    Então desenha, Frei Rojão, porque tá difícil de entender. Esse ensinamento vale também para concílios pastorais, como o Concílio Vaticano II, que ensinou, por exemplo, que os protestantes já possuem a Fé, a Esperança e a Caridade e que Cristo se serve das igrejas protestantes (comunidades eclesiais separadas) como meio de salvação? A heresia, agora, é meio de salvação e não mais de perdição? Solte o Rojão e depois me responda sem frescura.

    ResponderExcluir
  5. Sr. Carlos

    Onde é que o Vaticano II disse que "os protestantes já possuem a fé, a esperança e a caridade"? Aliás, como bom pseudo-tradicionalista, o senhor nem deve ter lido os documentos do Vaticano II e por isso acredita que aquilo é um compêndio das piores heresias que podem ser imaginadas por sua própria fantasia.

    E, por outro lado, já pressentindo a malícia no seu trololó cismático e anti-Vaticano II, também pergunto: o senhor por acaso nega a doutrina católica de que é possível se estar na graça de Deus em ignorância invencível, não pertencendo à Igreja visível?

    Sr. Carlos, cuide da sua alma. CISMA DÁ EXCOMUNHÃO E LEVA AO INFERNO!

    ResponderExcluir
  6. Mais umas, sr. Carlos:

    Que concílio não é pastoral, partindo da premissa que todo concílio é uma reunião de pastores (bispos)?

    O ser "pastoral" por acaso diminui a autoridade de um concílio? Ora, não é a figura do "pastor" a que Cristo escolheu para caracterizar a autoridade da Igreja (cf. Jo 21,15-17)? Não é o báculo (aquele cajado de pastor que o bispo leva na mão) o símbolo mais explícito da autoridade eclesiástica? Quer dizer então, sr. Carlos, que na sua peculiar exegese teológica, tudo o que for "pastoral" (isto é, proveniente dos legítimos pastores instituídos por Cristo), podemos desprezar e desconsiderar sem maiores cerimônias?

    Onde o senhor aprendeu a fazer essas ruminações, digo, elucubrações teológicas? Em suma, qual a formação que você recebeu para dar pitaco em questões tão sérias e graves? Ou será que está apenas emitindo palpites levianos?

    ResponderExcluir
  7. Caro Padre Militão ou Frei Rojão (já que tudo aqui é ão)

    "Onde é que o Vaticano II disse que "os protestantes já possuem a fé, a esperança e a caridade"? Aliás, como bom pseudo-tradicionalista, o senhor nem deve ter lido os documentos do Vaticano II e por isso acredita que aquilo é um compêndio das piores heresias que podem ser imaginadas por sua própria fantasia."

    Uai! Você, Militão, nunca leu os textos do CVII? Então você é um "Militante" modernista muito fraco, com todo o respeito pelo "padre" que vem antes do "Militão".

    Você nunca leu a Unitatis Redintegratio? Pois está lá. Leia. E se estranhar, leia de novo. E leia uma terceira vez. Lá está dito, ponto por ponto, que os protestantes já possuem a Fé!!!, a esperança!! e a caridade!.

    Não nego a doutrina católica de que é possível se estar na graça de Deus em ignorância invencível, não pertencendo à Igreja visível. Aliás, essa doutrina é anterior ao CVII.

    Só que essa doutrina, Militão, vale para os pagãos, como os índios, não para quem conhece a Igreja Católica, como os protestantes, porque para eles a ignorância não é invencível. Você, como padre, e como "Militante" devia esquecer o fanatimso modernista e começar a estudar e conhecer a doutrina CATÓLICA, fora da qual não há salvação, nem para protestantes, nem para modernistas, principalmente para os Militões militantes.

    Sr. Militão, cuide da sua alma. HERESIA MODERNISTA E PUXAÇÃO DE SACO DE PROTESTANTE DÁ EXCOMUNHÃO E LEVA AO INFERNO!

    9 de maio de 2010 23:50
    "Que concílio não é pastoral, partindo da premissa que todo concílio é uma reunião de pastores (bispos)?"

    Não se faça de burro, Militão.

    Todos os 19 concílios antes do CV II foram dogmáticos e você sabe disso.

    "O ser "pastoral" por acaso diminui a autoridade de um concílio?"

    Oh, e como!

    "Ora, não é a figura do "pastor" a que Cristo escolheu para caracterizar a autoridade da Igreja (cf. Jo 21,15-17)? Não é o báculo (aquele cajado de pastor que o bispo leva na mão) o símbolo mais explícito da autoridade eclesiástica? Quer dizer então, sr. Carlos, que na sua peculiar exegese teológica, tudo o que for "pastoral" (isto é, proveniente dos legítimos pastores instituídos por Cristo), podemos desprezar e desconsiderar sem maiores cerimônias?"

    Primeiro: Cristo, além de Pastor, é Deus. Tudo o que Ele ensinou é dogmático.
    Segundo: Você é que está falando que pode desprezar o CV II sem maiores cerimônias. Eu desprezo algumas coisas, mas fazendo cerimônias

    "Onde o senhor aprendeu a fazer essas ruminações, digo, elucubrações teológicas? Em suma, qual a formação que você recebeu para dar pitaco em questões tão sérias e graves? Ou será que está apenas emitindo palpites levianos?"

    Devolvo a você a pergunta: em que lixo de seminário modernista você estudou?

    Carlos.

    ResponderExcluir
  8. Sr. Carlos

    Em primeiro lugar, MODERNISTA É A RAMEIRA QUE TE PARIU.

    LIXO é a droga da seita cismática do Orlando Fedeli, maluco de pedra de quem você se contenta em repetir os sofismas, porque não tem inteligência suficiente para criar os próprios

    BURRO é quem não sabe que todo concílio é pastoral.

    BURRO é quem não sabe tirar simples conclusões teológicas como a de que, se é possível o estado de graça fora da Igreja visível, logo é possível que fora da Igreja existam pessoas com a fé, esperança e caridade, virtudes infusas sem as quais ninguém pode salvar-se ou estar na graça divina.

    E o senhor, Carlos, além de BURRO, é um filho da puta de um MENTIROSO, porque em parte alguma de seus documentos o Concílio afirma que "todos os protestantes possuem a fé, a esperança e a caridade". Você não diz que está "ponto por ponto" lá? Por que não faz a citação com referência?

    ResponderExcluir
  9. Ai, ai, ai...

    Mais um miserável modernista que estrilha e sobe nas tamanquinhas.

    Vai estudar burro!!! A Unitatis Redintegratio deve ter no no máximo umas 30 páginas e você quer que eu dê até a folha e o parágrafo? Isso é que dá querer defender o indefensável sem ler. Só passsa vexame.

    Aí tem que soltar palavrão e baixar o nível para ver se ganha no grito.

    Só que comigo isso não cola, Frei burrão!
    Se quiser debater, vai ter que estudar. Mas agora já sei que você vai fugir, como fogem todos... Se mandar ler um gibi, acabou a briga!

    Mas vou te dar uma chance, Militão (que nome!).

    Se você prometer que vai ler um - pelo menos um - documento do CV II, eu aceito continuar batendo em você.

    Você aceita?

    Duvido...

    Carlos.

    ResponderExcluir
  10. Quem está fugindo é você, seu MENTIROSO fujão e covarde.

    Você diz que a Unitatis Redintegratio afirma que "todos os protestantes possuem a fé, a esperança e a caridade". Ora, eu já a li trocentas vezes de fio a pavio e não me lembro de ter visto isso, "ponto por ponto", como você, mentirosamente, diz.

    Ora, ninguém é obrigado a fazer prova de fato negativo. Se você diz que esse troço está escrito lá, o ônus da prova é seu.

    Aliás, não é difícil você se desincumbir desse ônus. Com a moderna tecnologia, é só dar um ctrl+F, buscar as palavras e indicar em qual dos 24 parágrafos da Unitatis Redintegratio está a frase que você mencionou "os protestantes possuem a fé, a esperança e a caridade". A Unitatis Redintegratio está aqui, seu MENTIROSO FUJÃO:

    http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_decree_19641121_unitatis-redintegratio_po.html

    E mais uma vez, MODERNISTA É A PROSTITUTA QUE TE PARIU!

    ResponderExcluir
  11. Quero ver a frase na Unitatis Redintegratio, "ponto por ponto".

    ResponderExcluir
  12. Está aqui, Padre fake desbocado:

    "3. Nesta una e única Igreja de Deus já desde os primórdios surgiram algumas cisões (15), que o Apóstolo censura asperamente como condenáveis (16). Nos séculos posteriores, porém, originaram-se dissensões mais amplas. Comunidades não pequenas separaram-se da plena comunhão da Igreja católica, algumas vezes não sem culpa dos homens dum e doutro lado. Aqueles, porém, que agora nascem em tais comunidades e são instruídos na fé de Cristo, não podem ser acusados do pecado da separação, e a Igreja católica os abraça com fraterna reverência e amor. Pois que crêem em Cristo e foram devidamente baptizados, estão numa certa comunhão, embora não perfeita, com a Igreja católica. De facto, as discrepâncias que de vários modos existem entre eles e a Igreja católica - quer em questões doutrinais e às vezes também disciplinares, quer acerca da estrutura da Igreja - criam não poucos obstáculos, por vezes muito graves, à plena comunhão eclesiástica. O movimento ecuménico visa a superar estes obstáculos. No entanto, justificados no Baptismo pela fé, são incorporados a Cristo (17), e, por isso, com direito se honram com o nome de cristãos e justamente são reconhecidos pelos filhos da Igreja católica como irmãos no Senhor (18).

    Ademais, dentre os elementos ou bens com que, tomados em conjunto, a própria Igreja é edificada e vivificada, alguns e até muitos e muito importantes podem existir fora do âmbito da Igreja católica: a palavra de Deus escrita, a vida da graça, A FÉ, A ESPERANÇA E A CARIDADE e outros dons interiores do Espírito Santo e elementos visíveis. Tudo isso, que de Cristo provém e a Cristo conduz, pertence por direito à única Igreja de Cristo.

    Também não poucas acções sagradas da religião cristã são celebradas entre os nossos irmãos separados. Por vários modos, conforme a condição de cada Igreja ou Comunidade, estas acções podem realmente produzir a vida da graça. Devem mesmo ser tidas como aptas para abrir a porta à comunhão da salvação.

    Por isso, as Igrejas (19) e Comunidades separadas, embora creiamos que tenham defeitos, de forma alguma estão despojadas de sentido e de significação no mistério da salvação. Pois o Espírito de Cristo não recusa servir-se delas como de meios de salvação cuja virtude deriva da própria plenitude de graça e verdade confiada à Igreja católica.

    Contudo, os irmãos separados, quer os indivíduos quer as suas Comunidades e Igrejas, não gozam daquela unidade que Jesus quis prodigalizar a todos os que regenerou e convivificou num só corpo e numa vida nova e que a Sagrada Escritura e a venerável Tradição da Igreja professam. Porque só pela Igreja católica de Cristo, que é o meio geral de salvação, pode ser atingida toda a plenitude dos meios salutares. Cremos também que o Senhor confiou todos os bens da nova Aliança ao único colégio apostólico, a cuja testa está Pedro, com o fim de constituir na terra um só corpo de Cristo. É necessário que a ele se incorporem plenamente todos os que de alguma forma pertencem ao Povo de Deus. Este Povo, durante a peregrinação terrena, ainda que sujeito ao pecado nos seus membros, cresce incessantemente em Cristo. É conduzido suavemente por Deus, segundo os Seus misteriosos desígnios, até que chegue, alegre, à total plenitude da glória eterna na celeste Jerusalém."

    E agora, viadinho? Podia ter colocado só uma frase, mas você pediu que fosse ponto por ponto. Então agora vai ter que ler. Já era hora, né?

    Carlos.

    ResponderExcluir
  13. E agora vá rezar e me deixe em paz que vou dormir. Que diacho de padre é esse que só fica na internet perturbando e pagando mico?

    ResponderExcluir
  14. Sr. Carlos, MENTIROSO de uma figa

    Onde é que está escrito aí, "ponto por ponto", que "os protestantes possuem a fé, a esperança e a caridade"?

    A única frase do texto que você recortou que cita "fé, esperança e caridade" diz o seguinte:

    «Ademais, dentre os elementos ou bens com que, tomados em conjunto, a própria Igreja é edificada e vivificada, alguns e até muitos e muito importantes podem existir fora do âmbito da Igreja católica: a palavra de Deus escrita, a vida da graça, A FÉ, A ESPERANÇA E A CARIDADE e outros dons interiores do Espírito Santo e elementos visíveis.»

    Ora bolas, mas foi você mesmo quem disse que pode existir gente em estado de graça fora da Igreja visível e que isso é doutrina antiga, anterior ao Vaticano II...

    Não foi disso que você acusou o Concílio, nem foi isso o que eu perguntei. Você disse que a Unitatis Redintegratio ensinava que "os protestantes possuem a fé, a esperança e a caridade". Você ainda disse que esta frase estaria "ponto por ponto" no documento. Não adianta se fazer de tonto, porque você mesmo disse essas palavras aqui:
    http://freirojao.blogspot.com/2010/05/sao-miguel-nao-passa-de-um-alienado.html?showComment=1273285502929#c1156187451505512412
    e aqui:
    http://freirojao.blogspot.com/2010/05/sao-miguel-nao-passa-de-um-alienado.html?showComment=1273460633928#c6130228804162908965

    "Você nunca leu a Unitatis Redintegratio? Pois está lá. Leia. E se estranhar, leia de novo. E leia uma terceira vez. Lá está dito, ponto por ponto, que os protestantes já possuem a Fé!!!, a esperança!! e a caridade!." (Carlos, o Mentiroso)

    Ora, sr. Carlos, você ainda não me trouxe a referência de onde está, "ponto por ponto", essa frase. No texto imenso que você recortou, em nenhum momento se fala que "os protestantes já possuem a fé, a esperança e a caridade".

    E não me chame de "viadinho", que eu não sou de sua turma. Eu achei muito estranhos uns comentários que você fez no blogue do Jorge Ferraz, em defesa do homossexualismo enrustido:

    http://www.deuslovult.org/2010/02/05/homofobia-militar/
    "Esse negócio de aceitar gay assumido no Exército é o fim da picada. Gay enrustido, vá lá, porque tem em todo lugar." (Carlos, o Mentiroso Enrustido).

    Humm... Quer dizer então, sr. Carlos, que o problema não é ser gay, o problema é assumir?

    Muito estranha a vossa opinião...

    ResponderExcluir
  15. Carlos,

    Quero muito saber como esse Frei Rojona vai explicar outros pontos do CV II, como, por exemplo, quando a Unitatis Redintegratio, logo na primeira parte diz que "Promover a restauração da unidade entre todos os cristãos é um dos principais propósitos do sagrado Concílio Ecuménico Vaticano II".

    Ora, todos os cristãos estão reunidos na Igreja Católica. É possível ser cristão e negar a Igreja de Cristo?

    E quando a Unitatis Redentiogratio reconhece uma espécie de martírio fora da Santa Igreja? Como no trecho a seguir:

    "3. Por outro lado, é mister que os católicos reconheçam com alegria e estimem os bens verdadeiramente cristãos, oriundos de um património comum, que se encontram nos irmãos de nós separados. É digno e salutar reconhecer as riquezas de Cristo e as obras de virtude na vida de outros que dão testemunho de Cristo, às vezes até à efusão do sangue. Deus é, com efeito, sempre admirável e digno de admiração em Suas obras."

    IRMÃOS SEPARADOS DÃO TESTEMUNHO DE CRISTO, AS VEZES, ATÉ A EFUSÃO DE SANGUE? Devemos nós, católicos, reconhecer e ESTIMAR esses hereges que morrer negando a santidade de Nossa Senhora?

    Prefiro morrer do que estimar esses canalhas, tão canalhas quanto os que os consideram e tem "estima" por eles!

    Mas e afirmação, também da Unitatis Redentiogratio de que "as comunidades separadas , embora creiamos que tenham defeitos, de forma alguma estão despojadas de sentido e de significação no mistério da salvação".

    É reconhecer salvação em IGREJOLA PROTESTANTE.

    São ensinamentos DIRETAMENTE contrários aos ensinamentos católicos.

    Papa Inocencio III: "Só existe uma Igreja dos fiés, fora da qual ninguém pode ser salvo" (V Concílio de Latrão, 1215)

    "Nós declaramos, dizemos, definimos e pronunciamos que é ABSOLUTAMENTE NECESSÁRIO para a salvação de todo ser humano estar sujeito ao Pontífice Romano" (Papa Bonifácio VIII, Bula UNAM SANCTAM).

    "A Igreja condena, reprova, anatematiza e DECLARA FORA DO CORPO DE CRISTO, que é a Igreja, quem apresenta visões contrárias" (Papa Eugenio IV, Cantate Domino, 1441).

    Está bem claro que esse Frei Rojão vai contra o ensinamento de todos os Papas supracitados, que está fora do Corpo de Cristo.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  16. PUTA QUE PARIU!

    Quem jogou água nesses gremlins?

    Eles estão se reproduzindo!

    E reproduzindo seus textos longos e chatos!

    ResponderExcluir
  17. E vamos nos reproduzir mais ainda, Militão. Então prepare o lombo! Ou fuja enquanto há tempo.

    Você não sabe o que é "ponto por ponto"? Pois aprenda: é o mesmo que letra por letra, tintin por tintin.

    A UR vem falando das igrejas cismáticas e protestantes, que ela chama de "comunidades eclesiais separadas". Aí, quando chega naquele ponto, diz, tintin por tintin, que os frequentadores dessas espeluncas já possuem a Fé, a Esperança e a Caridade.

    Agora é preciso entender. Nem um católico em estado de graça pode ter certeza de possuir as virtudes teologais, porque ninguém sabe se está 100% na graça de Deus. Nós esperamos estar na Graça de Deus, mas não temos nenhuma certeza disso. Então, como é que os protestantes, que estão em pecado de heresia, podem possuir essas virtudes? Será, então, que eles estão certos quando dizem que já estão salvos?

    Quer dizer que você pode xingar minha mãe (que Deus a tenha) de prostituta, justo no Dia das Mães, e eu não posso chamá-lo de viadinho? Como você é justo...

    Quanto ao meu palpite lá no outro blog, reitero: se chega um homem aparentemente normal no Exército, ele pode servir à pátria, normalmente. Eu não sei se o Exército faz entrevista perguntando se o candidato é gay. Se fizer e ele confirmar, deve recusá-lo. Mas se ele é gay enrustido e ninguém sabe, porque demiti-lo? O que não dá é aceitar um desmunhecado que já chega se requebrando e "cantando" os outros soldados.

    Um abraço.

    Carlos.

    P.S.: Pois é, Cláudio, se for ler o documento todo o Militão vai ter que explicar muita coisa.

    Abração.

    Carlos.

    ResponderExcluir
  18. Claudio, quem é o analfabeto? Já postaram aqui, mas eu repito o trecho da UR 3: "Ademais, dentre os elementos ou bens com que, tomados em conjunto, a própria Igreja é edificada e vivificada, alguns e até muitos e muito importantes podem existir fora do âmbito da Igreja católica: a palavra de Deus escrita, a vida da graça, a fé, a esperança e a caridade e outros dons interiores do Espírito Santo e elementos visíveis. Tudo isso, que de Cristo provém e a Cristo conduz, pertence por direito à única Igreja de Cristo."

    Primeiro, o texto não diz que os protestantes têm COM CERTEZA a fé, a esperança e a caridade. Diz que eles PODEM ter. Poder ter é uma coisa, ter com certeza é outra, e acho que não precisa ser muito letrado pra saber a diferença entre um e outro.

    Segundo, o texto diz que, ainda que protestantes tenham a fé, a esperança e a caridade, eles pegaram isso dos católicos: "Tudo isso (...) pertence por direito à única Igreja de Cristo".

    Então ou você é analfabeto e não sabe ler um documento, ou está distorcendo de propósito o texto conciliar para que caiba na sua conclusão.

    ResponderExcluir
  19. Márcio,

    Você se dirige ao Claudio, mas como fui eu quem postou o texto, tomo a liberdade de responder.

    Primeiro, nem eu nem o Claudio chamamos alguém de analfabeto. Você é que está usando essa palavra.

    Agora, respondendo:

    "Primeiro, o texto não diz que os protestantes têm COM CERTEZA a fé, a esperança e a caridade. Diz que eles PODEM ter. Poder ter é uma coisa, ter com certeza é outra, e acho que não precisa ser muito letrado pra saber a diferença entre um e outro."

    É verdade. Não diz que COM CERTEZA têm, mas diz que podem ter. Você vê muita diferença entre uma coisa e outra. Eu não vejo quase nenhuma. Porque uma vez que o texto não diz quais têm e quais não têm, acaba que a afirmação passa a valer para qualquer um.

    Qualquer protestante que leia aquilo concluirá que se refere a ele. E então dira: "para que virar católico se a própria Igreja reconhece que eu já tenho a Fé, a Esperança e a Caridade e que Cristo se serve da minha igrejola como meio de salvação? A propósito, já estou salvo!"

    "Segundo, o texto diz que, ainda que protestantes tenham a fé, a esperança e a caridade, eles pegaram isso dos católicos: "Tudo isso (...) pertence por direito à única Igreja de Cristo".

    E daí, se o texto diz que eles pegaram da Igreja Católica? O problema é que eles não pegaram isso de ninguém, porque não têm nada disso. Mas o Concílio diz que têm.

    Não vou te chamar de analfabeto.

    Um abraço.

    Carlos.

    ResponderExcluir
  20. Peraí gente...As virtudes teologais vem com o batismo, não é?
    Os Protestantes (de um modo geral) são batizados, não é?
    Qual o problema dizer que eles tem tais virtudes então?

    A questão é, pelo Batismo, as virtudes estão em potência neles...Em ato só podem estar nos fiéis em comunhão com a Igreja, simples...

    ResponderExcluir
  21. Sem falar na Alma da Igreja, da qual participam os justos que agem em conformidade com a Fé Católica, mesmo que não professem nossa fé.

    ResponderExcluir
  22. Ou eu não entendi ou estão querendo negar as virtudes teologais( fé, esperança e caridade) para quem não é Católico.
    Isso tá o samba do cristão doido!

    ResponderExcluir
  23. Leandro Lopes,

    Você entendeu bem. É isso mesmo. Quem não é católico não pode ter verdadeira Fé, Esperança e Caridade.
    A Fé, por exemplo, é a virtude teologal básica e pressuposta a todas as demais, sem a qual é impossível agradar a Deus. E o que é a Fé? É a virtude que nos leva a crer em TUDO o que Deus revelou e que nos ensina a Igreja. Se alguém acredita em 99% e nega 1% disso é herege completo. Assim como quem fala 99 verdades e conta uma mentira não deixa de ser um mentiroso. É tudo ou nada.
    Ora, os protestantes negam a Igreja, o Papa, a virgindade perpétua de Nossa Senhora, a intercessão dos Santos, o Purgatório, a presença real de Cristo na Eucaristia, etc, etc, etc.
    Como podem eles, então, ter Fé???
    Um abraço.
    Carlos.

    ResponderExcluir
  24. Carlos,
    Vc viu o que eu ostei antes...não deu pra entender?

    ResponderExcluir
  25. Carlos,

    Você está se referindo à Fé como Virtude intelectual infusa, contudo hereges são os que negam conscientemente a Fé. Quem por erro não está na única e verdadeira Fé no corpo da Igreja, em decorrência de sua ignorância (desde que cumpra os preceitos divinos, evitando o mal e fazendo o bem), comunga da Fé Católica por meio da alma da Igreja.

    ResponderExcluir
  26. Tiago "Maza"

    A resposta que eu dei ao Leandro Lopes vale também para a sua objeção.
    Você faz uma distinção de virtudes teologais em ato e em potência (coisa que o CVII não fez).
    Essa até poderia ser uma boa saída... Em todo caso, eu não consigo compreender como os protestantes, que conhecem a Igreja e negam vários dogmas EM ATO poderiam ter Fé verdadeira.


    Ivo Alves,

    A Fé (com letra maiúscula como você colocou) é a virtude intelectual infusa, que se recebe no batismo, concordo. Logo, quem não é batizado não possui a Fé verdadeira. E quem é batizado, mas renega algum dogma,vira herege e perde a Fé.
    Quanto ao mais, sua frase peca por omissão. O certo seria: "Quem por erro ESCUSÁVEL não está na única e verdadeira Fé no corpo da Igreja,em decorrência de sua ignorância INVENCÍVEL (desde que cumpra os preceitos divinos, evitando o mal e fazendo o bem), comunga da Fé Católica por meio da alma da Igreja"
    Assim estaria correto, porque estaríamos falando de pessoas em ignorância desculpável e invencível, como os pagãos que nunca ouviram falar em Cristo ou na Igreja.
    Só que a UR trata de cismáticos e protestantes, que conhecem muito bem a Igreja. Os cismáticos até aceitam a Igreja, mas negam o Papa. Os protestantes tanto conhecem que PROTESTAM contra a Igreja.
    Logo, não vejo como aplicar a eles, sem uma forçosa ginástica mental, a exceção ao dogma: "Fora da Igreja não há salvação".

    Um abraço.

    Carlos.

    ResponderExcluir
  27. Carlos,

    Já vi muito protestante repetir a cartilha do pastor sem questionar só porque o pastor fala (sem uma reflexão bíblica) e muitos "lerem" a Bíblia de cabeça para baixo de cor e salteado, que são capazes de converter muitos "católicos".

    ResponderExcluir
  28. É verdade, Ivo.
    Agora mesmo apareceu uma notícia de um Padre lá da Paraíba que foi fazer uma semana de retiro na Canção Nova. Voltou protestante, abandonou a batina (que ele certamente nunca usou) e virou "pastor". Rapidinho ele está rico.
    Mas eu nem culpo muito esse padre, porque acho que é quase impossível passar uma semana na Canção Nova e não virar protestante.
    Um abraço.
    Carlos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.