Quero ver agora um Menorah...

/
12 Comentários
Um leitor me pergunta o que achei de um artista performático brasileiro que tirou um terço de seu ânus...

Hum... que artista! Apeles, Terêncio, Giotto, Rafael, Michellângelo, Bernini, Mozart, Mahler, Cavalcanti devem estar dando coices de inveja no túmulo...

Primeiramente quero elogiá-lo veementemente pela sua coragem. Não por contestar a alquebrada fé católica, mas por claramente demonstrar de que orifício está saindo a produção cultural e artística brasileira. Convenhamos, está um cu mesmo, e a merda que sai de nosso intelectuais e artistas só pode vir deste orifício. Pelo menos o tal artista tirou do cu que tem entre as duas nádegas, já nossos intelectuais tiram do cu que tem entre o nariz e o queixo. Mais assombroso foram os críticos elogiando tal produção mostrando que também há um ânus entre seu nariz e queixo.

Em segundo lugar, quero exortá-lo a fazer o mesmo com outros símbolos religiosos. Não digo para usar um exemplar do Alcorão, por exemplo, porque os muçulmanos - ao contrários dos obscurantíssimos católicos - poderiam se ofender tanto que eventualmente um aiatolá proclame uma fatwa com uma sentença de morte contra ele. Continuem lutando contra a opressão religiosa de um grupo que não te mate de volta, ó corajosíssimos artistas!!!

Bom, prossiga se expressando pelo ânus - este orifício que tão bem representa a arte contemporânea - com outros símbolos religiosos. Já abordado o catolicismo, é hora de abordar seu pai e gerador, o judaísmo. Sim! Seria injusto não abordar o judaísmo. E acho que o Menorah, o candelabro de sete pontas, é um símbolo largo o suficiente para o talento de tal artista. Ah, sim, sete pontas beeeeem abertas. E com as flores entalhadas na base, como descreve Moisés, flores entalhadas com pétalas bem abertas e pontudas. Enfie um Menorah no rabo e retire. Ou deixe um pouquinho, se curtir a performance, ainda que seja imoral este tipo de busca de prazer solitário. Com um Menorah este artista pode expressar toda a largueza de seu talento. Um tercinho é algo estreito e muito compacto para o calibre de tal expressão cultural...ou diria culturanal...

E abaixo ao obsCUrantismo religioso!


Você também pode gostar

12 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Até que ponto chega o desrespeito para com o Catolicismo? Veja se ele faria uma coisa dessas com os símbolos de outras religiões?
    Depravado, infame, imbecil, idiota, blasfemo. Não se preocupe, Frei Rojão. Em breve ele terá uma performance de onde vai pôr e retirar uma Menorah: no inferno.

    ResponderExcluir
  3. Ah não Frei, quero que ele enfie o Alcorão sim, ora ora, que enfie e que tire, quero ver se ele tem CÚ pra isso.
    *evidentemente não estou desrespitando os muçulmanos estou sim desafiando a coragem desse artista sem culhoes

    ResponderExcluir
  4. O artista também poderia render uma homenagem aos povos nativos norte-americanos e se empalar em um totem.

    ResponderExcluir
  5. Frei Rojão, adorei a ideia do Menorah, porém, como estamos a falar de um verdadeiro artista, eu sugiro uma vela de sete dias.


    PS: Se a retirar acesa, ofereço outra.

    ResponderExcluir
  6. que tal em nome do multiculturalismo ele enfiar uma estátua de iemanjá e outra de oxossi com alança em riste

    ResponderExcluir
  7. Queria ver esse covarde a retirar uma charge do Maomé do toba em plena Meca.

    ResponderExcluir
  8. "Cristãos",

    onde estão os ensinamentos de seu querido papaizinho Jesus?

    Só atiram pedras em vez de dar a outra face ao inimigo. E QUE pedras, hein?

    Adoro ver seu Deus sendo invocado somente para mandar pessoas para o inferno, para vingar e realizar os pedidos de seus filhos doentios!

    Simplesmente risível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Devemos dar a outra face quando este ato não representar uma OMISSÃO perante tal desrespeito contra o Cristo ou algum ato execrável. O conselho do "dar a outra face" se aplica a questões pessoais, para que o cristão mostre humildade, e AINDA, quando este ato pode trazer futuramente a conversão do agressor. É um conselho para a mansidão para cada cristão especificamente, e não para toda a Igreja diante da maldade, do orgulho e da depravação - o que implicaria não em mansidão, mas em omissão. É assombrosa a facilidade que vcs tem em reverter as coisas, em torcer nossas palavras e as usar contra nós mesmos. Nisso eu parabenizo a vcs, afinal, os filhos das trevas são mais espertos que os da luz, já dizia o Cristo.

      Excluir
    2. Devemos dar a outra face quando este ato não representar uma OMISSÃO perante tal desrespeito contra o Cristo ou algum ato execrável. O conselho do "dar a outra face" se aplica a questões pessoais, para que o cristão mostre humildade, e AINDA, quando este ato pode trazer futuramente a conversão do agressor. É um conselho para a mansidão para cada cristão especificamente, e não para toda a Igreja diante da maldade, do orgulho e da depravação - o que implicaria não em mansidão, mas em omissão. É assombrosa a facilidade que vcs tem em reverter as coisas, em torcer nossas palavras e as usar contra nós mesmos. Nisso eu parabenizo a vcs, afinal, os filhos das trevas são mais espertos que os da luz, já dizia o Cristo.

      Excluir
    3. O conselho do "dar a outra face" se aplica ao cristão em situações pessoais, pois implica em mansidão e humildade, e tal ato poderia gerar uma reflexão e possível conversão do agressor. Não é um conselho para a Igreja como um todo, AINDA mais perante situações de sacrilégio, mundanismo e depravação - querer aplicar esse conselho em tal situação não seria mais a virtude da mansidão, e sim uma grande OMISSÃO. Sabe por que dizes isso? Por que só conhece superficialmente a Escritura.

      É incrível como vc é hábil em torcer as palavras dos Evangelhos e usar contra nós. Afinal, os filhos da trevas são mais espertos que os da luz, já dizia o Cristo.

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.