Politica Eclesiástica Para Conservadores Campanha Da Fraternidade Dom Tomás Balduíno No Inferno, uma novela piedosa Grande Biblioteca Sobre Comunismo

Essa obsessão por dinheiro é a marca mais fundamental da classe média. O rico não a tem, porque tendo dinheiro o faz com naturalidade. O pobre não a tem, porque se tivesse não mais seria pobre. 


O rico paga o colégio, o bom aluguel e o plano de saúde e tem excedentes. O pobre não paga nada e não se preocupa, olhando os lírios do campo. Já a classe média paga tudo e não lhe sobra nada, dai seu sonho em dinheiro, dinheiro, dinheiro, dinheiro, dinheiro...


A classe média, ah, como ela é tarada por dinheiro com seus suadíssimos vinte mil no banco! Acho que, em se tratando de pecúnia, a virtude não está no meio. Bem-aventurados os pobres e felizes os ricos, quem está no meio é um coitado!

Eu não desprezo a sabedoria popular nas coisas espirituais, nem as tradições populares como superstição e simpatia. Antigamente o povo tinha bem menos acesso à medicina e tinha padres melhores, então contavam com Deus mais e identificavam melhor as influências espirituais malignas. A benzedeira era o médico dos pobres.


Ao longo da história a única constante é que magia negra e bruxaria existe e é relatada. Ao mesmo tempo, doenças desapareciam pelo poder da oração, dos sacramentos e dos sacramentais. Se na época de Jesus se dizia de espíritos de doenças, o Salvador não faria um teatrinho de exorcizar um demônio se não fosse um espírito do mal mesmo. 


Basta abrir o coração que vemos chover milagres e curas inexplicáveis, muito mais que uma ou duas que passam pelo crivo processual vaticano numa canonização formal e jurídica. Bastaria uma única cura em Lourdes ou Aparecida para converter os homens de coração duro. Mas há milhares.


Ai vai o padre novo arrogante e despreza como supersticioso o pobre que pede apenas uma bênção para sua medalhinha de São Fulano, o único plano de saúde e seguro de vida que o pobre pode comprar. A opção preferencial pelos pobres deveria ser não deixar os pobres caírem vítimas do Mal!


O que o Diabo mais quer no mundo é passar despercebido, e nossa economia de usar água benta em toda parte é a festa dos capetas. Assim como as moscas odeiam a limpeza, assim os demônios odeiam os sacramentais. 


Por que Deus e seu Bem, sendo tão poderosos, parecem perder sempre a batalha pelo mundo, entregue à obsessão e infestação diabólica? Porque não usamos os sacramentais, os objetos bentos. Tem sido observado de maneira empírica ao longo dos séculos pelos homens de Deus que os demônios muitas vezes se aferram a algum objeto material para se guiarem em meio à matéria, como um ponto de ancoragem, um centro de irradiação de maligna, daí a razão de ser de despachos e magias. Ora, se colocamos iscas e repelentes para as baratas e ratos que invisíveis andam pelo mundo, porque não repelir os Demônios que andam pelos ares com objetos bentos? Se o cheiro do cloro mata os micróbios, em água benta queimemos a pele de Satanás e seus subalternos. Tremam eles de medo e repulsa diante destes sinais da Majestade de Deus, da glória da Eucaristia, da lembrança da Virtude da Virgem Maria, do Poder de São Miguel e dos anjos bons, do fogo da caridade de São Bento e os santos, enfim, da luz dos tesouros de Cristo ministrados pela Igreja católica. E ponhamos para longe de nós e nossas famílias estes seres imundos e decaídos que gratuitamente tramam nosso mal neste mundo e nossa perdição no Inferno. Eis que Deus se põe de pé e seus inimigos se dispersam, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo!

Quando vc diz "não adianta tomar vitaminas sem fazer exercícios" as pessoas nem passam a fazer exercícios como param de tomar as vitaminas que tomavam. É da natureza humana. 


Portanto discursos como "sem isto não vale aquilo" tem de ser sempre um argumento acessório, não principal. O sermão principal sempre é "Façam, Façam, Façam".


Orem, orem, orem. Se vc puser objeção condicional a uma outra condição, seu argumento principal se perde. "Não adianta orar e empurrar velhas de escadas". Sim, mas é melhor orar até que se pare de empurrar velhas de escadas.

Ai no sermão de domingo o pároco, que deve ter titica de Boff na cabeça, diz que Deus não quer jejum e oração e sim amor.. Você em seguida o lembra de que Jesus jejuou e orou - e não foi pouco! - ai ele desconversa.


Rezem. Nem que seja uma ave maria resmungada distraído, mas REZEM!!! E jejum, nem que seja se privar da bala de hortelã oferecia na sala de espera do consultório, mas se privem de algo em mortificação por seus pecados e prática de temperança.


Deus muito provavelmente não pede de você uma vocação como a do Padre Pio. Mas se Pio não és, assuma sua vocação de fraco pintinho e faça algo na medida se suas forças. Porque os pintinhos virarão galos, e os galos, já dizia o velho poeta Aurélio Prudêncio, anunciam a vinda do Sol que é Cristo. 

Tenham paciência comigo! Levo tempo para digerir o que vem do Vaticano neste pontificado! As vezes sufoco de azia. A faca do bom comentário deve ser afiada na lima do tempo e da ponderação. 


Hoje em dia, quando um padre, mesmo na sua paroquiazinha, começa no sermão a reprovar "práticas religiosas superficiais" e "divisão na Igreja", você já sabe que ele vai passar indireta contra a perigosa radical que é aquela menina de quinze anos que gosta de usar véu e receber comunhão na boca.


A esquerda é assim, ela te chama pro roubo, mas quando vcs são pegos, vem o delegado (MP), o juiz (STF), o adEVogado (OAB), o jornalista (o Grobo, a Foia) e até o padre (CNBB) te chamando de ladrão e liberando seu colega vermelho de furto. 


Nos comunas não pega nada, podem atirar velhinhas de escadas e furar olhos de crianças que tudo se deixa pra lá. Mas vá você, mesmo alinhado com eles, roubar um pirulito da venda, cai o mundo em cima. 


A esquerda é satânica por natureza, ela te chama para partilhar do pecado e depois te acusa e condena por ele.

Ao longo dos 2000 anos da Igreja há centenas de relatos de bons católicos se levantando contra a má orientação de maus bispos. Não há algo de mais tradicional e mais conservador que isso. Bispo que não segue Cristo está fora, e tem de ser posto para fora. Assim fizeram os grandes santos.


O problema é que vivemos um tempo de fé efeminada, em que os fiéis estão sem formação, e não sabem erguer a espinha como batizados que são e exigir um clero à altura da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo.


Também 100 anos de infiltração esquerdista na Igreja gerou um clero composto de agentes comunistas, não sacerdotes, que exigem obediência bovina como se fôssemos um grande Partido Comunista. Não senhores! Obedecemos Cristo! Obedecemos a Igreja! Não obedecemos a bispos, e sim a Cristo, que os bispos deveriam ser reflexo e transmissores.


A autoridade de um bispo vem de Cristo. Se ele abandona Cristo e trata de assuntos mundanos, de greves para atrapalhar a Justiça e proteger réus, que vá pastar, nesta terra e no mais profundo do Inferno.