Politica Eclesiástica Para Conservadores Campanha Da Fraternidade Dom Tomás Balduíno No Inferno, uma novela piedosa Grande Biblioteca Sobre Comunismo
É, filhão, você entregou seus bens, sua posição social, sua lealdade e eventualmente sua alma (a prestações) para entrar numa sociedade secreta e aprender segredos altamente milenares da vida, do universo e tudo o mais (42) e terminou apenas vendo meia dúzia de simbolismos céu/terra, Sol/Lua, macho/fêmea que tem até num baralho newage de Tarot comprado em banca ou que a aba do pior dos livros do menor dos perenialistas explica? Pois bem, atire seu avental no chão, tire a rosa dessa cruz, renuncie à psicose da metempsicose e fuja o mais rapidamente possível antes que obrigações sociais reflitam a geléia mental geral. Senão vai ser um quê de "ajudar irmão" que você não gostaria de ter nem como primo distante, quanto mais irmão. Sem contar que nem lá dentro o pessoal sabe o que se vai lá dentro. Se é para ser feito de troxa, ligue a TV no telejornal, pelo menos é barato e não te exige nada em troca.
A gente tem as vezes a sorte de ouvir uma profecia verdadeira. Ai rezamos rezamos rezamos para que Deus afaste os males e nós mesmos agimos para evitá-los. Em resultado, Deus e homens agindo mudam o futuro. Ai a profecia não ocorre e o profeta vira um charlatão.

Mesmo se - em hipótese - você descobrir um método de prever o futuro e tirar calado suas conclusões será inevitável alterar o futuro baseado no conhecimento dele. Ai você desacreditará do próprio método. Ou seja, todo sortilégio ou mesmo o uso do mais santo e autêntico dom da profecia se verdeiro acaba desacreditando a si mesmo.

A exceção a esta regra é se o futuro usa a própria reação ao futuro para ocorrer, como Édipo que foge por causa do oráculo e acaba cumprindo o oráculo. Mas neste caso é a versão "implacável" do Destino, ignorando o livre-arbítrio humano, coisa muito bonita num livro mas que não ocorre na vida real.

As profecias tem um condicional implícito: se x então y. Ora, mas haverá x ou não-x. Como não podemos observar x e não-x logo não confiamos na profecia: quando ocorre diremos que o profeta apenas previu o encadeamento lógico. Quando não ocorre que era um charlatão e deu condições que restaram sem prova.

Ah, Nova Ordem Mundial! Bilhões de dólares gastos em estudos e implantação de engenharia comportamental na sociedade para no final nos ensinar um culto solar pagão... Tanta técnica e manha para terminarmos adorando plasma em fusão nuclear! Investir tanto para adorarmos o Sol! Um índio botocudo em Goiás já fazia isso gastando muito menos!
Os globalistas querem criar uma sociedade melhor e futurista mas com seus esoterismos bocós vendidos como religião universal vão acabar é fazendo a todos adorarem o Sol e a Lua como um bando de selvagens.
Quando você é feito de trouxa, e todos nós somos em algum momento, há duas reações possíveis. A primeira é a reação do homem comum e é verdadeiramente libertadora, beirando a franqueza da confissão: 'Caramba, me fizeram de otário e eu sou uma besta mesmo. Vou ficar esperto para não cair mais neste golpe'.

Porém quem tem um pouco mais de estofo intelectual e sua consequente vaidade acaba pensando demais e arrumando justificativas, retrospectivamente dando razão à sua otarisse, como um jogador de poker que dobra a aposta num mão ruim apenas para não perder o dinheiro antigo e acaba perdendo mais ainda. Ai, meu amigo, este é o caminho do Inferno, porque você vai distorcer tudo para não ferir a sua frágil auto-imagem manchada pela inegável otarisse. Não, o sujeito não vai admitir que foi feito de trouxa, que foi enganado, muito pelo contrário, vai dizer que ele é mais leal que Santo Inácio, mais sábio que Aristóteles, mais santo que o Padre Pio, mais safo que Don Giovanni enquanto cada vez se afunda mais no engano apenas por não dar o braço a torcer. Isso acontece o tempo todo, inclusive nos assuntos da Igreja. É como um homem que num restaurante, ao perceber que o cozinheiro de sacanagem escarrou no seu prato, come tudo numa boa apenas para não dar ao outro o gostinho de saber que o ofendeu. E é um gostinho salgado e gelatinoso.
Ao colocar para comentar jogo de futebol atores que entendem tanto de futebol quanto de neurocirurgia pediátrica ou de processo administrativo tributário federal, a Globo consagra a danosa ilusão nacional de que a classe artística tem opinião válida em tudo e merece ser ouvida. São os "formadores de opinião"... De opinião errada.
Platão, com muita propriedade, punha obter a excelência do corpo, que chamava de ciência da ginástica, como o segundo maior bem, porque tratava da saúde. Em terceiro lugar punha obter a riqueza, a ciência da economia, porque alcançava os bens que serviriam de auxiliares ao bem do corpo.

Em primeiro lugar vinha a excelência da alma e do seu intelecto, a filosofia, bem como o temor aos deuses, porque tratava da própria alma, o elemento mais nobre do homem que a tudo comandava, movia e ordenava: almas boas e excelentes obteriam mais certamente saúde e riqueza ao crescerem em sabedoria.

Platão, portanto, explica porque além de sermos pobres somos uma nulidade olímpica: somos um país de almas embrutecidas e sem cultivo, que não atendem às funções mais altas do espírito. Como querem que brilhemos na ginástica e na economia então? Falta o ordenamento superior. O homem cresce de cima para baixo. Quem busca as coisas do alto obterá as de baixo. Como disse o Apóstolo, é o Espírito que vivifica, não a carne. E como ensinou Nosso Senhor: "Buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça e tudo o mais vos será acrescentado".